De agenciamentos programáticos outros na metrópole: uma abordagem “maquínica” dos processos de reterritorialização urbana

  • Igor Guatelli Universidade Presbiteriana Mackenzie. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.
Palavras-chave: Máquinas residuais. Agenciamentos programáticos. Gadgets arquitetônicos. Fluxos esquizos. Liames imprevistos.

Resumo

E se a força do objeto arquitetônico estivesse concentrada nas estratégias programáticas e espaciais engendradas a serviço de “habitabilidades” e sociabilidades por vir, e não na construção de “monumemorializantes” gadgets arquitetônicos? A partir do phylum “maquínico” deleuziano [do filósofo Gilles Deleuze] e de conceitos associados a ele, como “Liame” e “Agenciamento”; da abordagem lacaniana [do psicanalista Jacques Lacan] do conceito de gadget; e do conceito derridiano [do filósofo Jacques Derrida] de Suplemento”, tratar-se-á de um deslocamento dos sentidos e representações mais correntes dos projetos urbanos arquitetônicos contemporâneos, historicamente associados à notável (e o desejo de ser notado) materialização formal-compositiva do objeto artístico, a serviço de sociabilidades programadas, em direção a uma conceituação outra. A construção de suportes arquitetônicos, a partir de residuais (para Deleuze, a possibilidade da produção de desejos outros, distantes da lógica capitalista dominante, está no resíduo, nos fluxos residuais produzidos pelo próprio capital) “agenciamentos” programáticos e espaciais, surge como uma via de crítica ao imperativo categórico da lógica global generalizante. Uma lógica baseada em paisagens a-territoriais, concentrada em investimentos no ótico compositivo, e intencionais aprisionamentos espaciais e programáticos em fórmulas familiares oriundas de um pensamento “prêt-à-utiliser”, domesticado e normatizado. Pensar agenciamentos espaciais e programáticos outros em Arquitetura, provenientes de resíduos e fluxos que, ao mesmo tempo, nascem e escapam à lógica global, é apostar na chance do acontecimento de sociabilidades não programadas. Pensar não mais apenas a Arquitetura como um objeto formal em sua dimensão artístico-paradigmática seria, então, concebê-la como uma máquina sintagmática urbana de potência [des]estruturante, a partir de agenciamentos programáticos e espaciais des e reterritorializantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Guatelli, Universidade Presbiteriana Mackenzie. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.
Professor FAU-Mackenzie e Universidade Paulista (Unip). Doutor pela FFLCH-USP e pós-doutor pelo Gerphau-Ensa Paris-La Villette, onde é pesquisador associado e professor colaborador.
Publicado
2013-06-26
Como Citar
Guatelli, I. (2013). De agenciamentos programáticos outros na metrópole: uma abordagem “maquínica” dos processos de reterritorialização urbana. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 20(33), 146-159. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v20i33p146-159
Seção
Artigos