Hegel e o progresso histórico

  • Gabriel Rodrigues da Silva Universidade Estadual Paulista (UNESP) . Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC)
Palavras-chave: Hegel, Filosofia da História, Progresso, História

Resumo

Este artigo visa apresentar e analisar a concepção de progresso histórico elaborada pelo filósofo alemão Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831) em sua obra Lições sobre a Filosofia da História, publicada postumamente em 1837. Para isso, a exposição do artigo seguirá, principalmente, o terceiro capítulo da obra mencionada – denominado “O Curso da História Universal” –, acompanhando, detalhadamente, a argumentação do filósofo. A conclusão do artigo destaca o progresso histórico hegeliano compreendido enquanto um fim infinito, baseando-se, principalmente, na obra Does History Make Sense? (2017), de Terry Pinkard. Além disso, compara-se a compreensão hegeliana do progresso histórico com as compreensões linear e cíclica da história.

Referências

COLLINGWOOD, R. G. A Ideia de história. Tradução de Alberto Freire. Lisboa: Presença, 1986.
DUDLEY, W. Idealismo alemão. Tradução de Jacques A. Wainberg. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2018.
HEGEL, G. W. F. Filosofia da história. Tradução de Maria Rodrigues, Hans Harden. 2. ed. Brasília, DF: Editora UnB, 2008.
___________ . Vorlesungen über die Philosophie der Geschichte. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 1970.
HODGSON, P. C. Shapes of freedom: Hegel’s philosophy of world history in theological perspective. Oxford: Oxford University Press, 2012.
INWOOD, M. A Hegel dictionary. Oxford: Blackwell, 1992.
PINKARD, T. Does history make sense? Hegel on the historical shapes of justice. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2017.
SINNERBRINK, R. Hegelianismo. Tradução de Fábio Creder. Petrópolis: Vozes, 2017.
Publicado
2020-05-22
Como Citar
Silva, G. (2020). Hegel e o progresso histórico. Primeiros Escritos, (10), 57-81. https://doi.org/10.11606/issn.2594-5920.primeirosescritos.2020.155601
Seção
Artigos