Hermenêutica, arte e monumento arquitetônico no pensamento de Gadamer

Autores

  • Katharynne Norrana Damasceno de Jesus Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-5920.primeirosescritos.2020.155630

Palavras-chave:

Hermenêutica filosófica, Arquitetura, Gadamer, Monumento Arquitetônico

Resumo

Este estudo investiga o conceito gadameriano de monumento arquitetônico, apresentado em Verdade e método. Apesar de se referir ao monumento arquitetônico apenas em trechos de sua obra, Gadamer insere a arquitetura no contexto das obras de arte, situando-a em uma posição exemplar dentre as outras expressões artísticas no processo de compreensão da verdade. Sendo assim, a pesquisa objetivou traçar um estudo da noção gadameriana de monumento arquitetônico e, consequentemente, inserir a problemática hermenêutica no estudo da arquitetura. A metodologia se caracterizou por ser essencialmente bibliográfica. Percebeu-se que a visão de Gadamer sobre a arquitetura é como local de abrigo de todas as artes. Esta, quando consegue suprir seu aspecto funcional e artístico, pode ser denominada de monumento arquitetônico: a arquitetura como obra de arte. Almeja-se portanto, estreitar o vínculo existente entre filosofia e arquitetura, a fim de indicar novas perspectivas para a compreensão da arte da construção.

Referências

ARGULLOL, R. Introducción: el arte después de la “muerte del arte”. In: GADAMER, Hans-Georg. La actualidad de lo bello. Barcelona: Paidós, 1991. p. 10-23.
BATISTA, G. S. A relevância da arquitetura no pensamento de Gadamer. 2013. 123 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Departamento de Filosofia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2013.
BRANDÃO, C. A. Monumentalidade e cotidiano: a função pública da arquitetura. MDC: Revista de Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, 31 mar. 2006. Disponível em: [https://bit.ly/2qrzSW3]. Acesso em: [15 de ago. 2017].
GADAMER, H-.G. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução de Flávio Paulo Meurer. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.
___________ . O problema da consciência histórica. Tradução: Paulo Cesar Duque Estrada. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.
___________ . La actualidad de lo bello. Barcelona: Paidós, 1991.
GROMBRICH, E. H .A história da arte. Tradução: Álvaro Cabral. 16. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.
GRONDIN, J. Introdução à hermenêutica filosófica. Tradução de Benno Dischinger. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 1999.
KIDDER, P. Gadamer for architects. New York: Routledge, 2013.
PALMER, R. E. Hermenêutica. Tradução de Maria Luísa Ribeiro Ferreira. Lisboa: Edições 70, 1997.
TAYLOR, C. Interpretation and the sciences of man. The Review of Metaphysics, Washington, v. 25, n. 1, p. 3-51, 1971.
VATTIMO, G. O fim da modernidade: niilismo e hermenêutica na cultura pós-moderna. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes,1996.
VESELY, D. Architecture in the age of divided representation: the question of creativity in the shadow of production. Cambridge, MA: MIT Press, 2004.

Downloads

Publicado

2020-05-23

Como Citar

Jesus, K. N. D. de. (2020). Hermenêutica, arte e monumento arquitetônico no pensamento de Gadamer. Primeiros Escritos, (10), 157-180. https://doi.org/10.11606/issn.2594-5920.primeirosescritos.2020.155630

Edição

Seção

Artigos