Sobre a crítica radical de Ser e tempo à noção metafísica de consciência

  • Rafael Ribeiro de Almeida Universidade Estadual de Santa Cruz
Palavras-chave: Consciência, Ser e tempo, Existência, Ser-no-mundo, Poder ser si mesmo

Resumo

O texto desenvolvido pretende examinar a forma originária de Martin Heidegger de abordar o fenômeno da consciência, em contraponto a esta noção segundo o paradigma da metafísica moderna. Para tanto, investiga-se o pensamento heideggeriano em sua primeira fase, especialmente Ser e tempo, de 1927. Na obra, o filósofo alemão situa a consciência, em primeiro lugar, como fenômeno existencial que, enquanto tal, enraíza-se no ser-no-mundo. Desse modo, nota-se explícita contraposição ao modelo paradigmático que fundamenta a separação sujeito-objeto ou consciência-mundo, cujo filósofo emblemático está René Descartes. Ao cabo, o fenômeno da consciência que, por excelência, é existencial, encontra-se radicado na própria constituição fundamental do Dasein de ser-no-mundo, na medida em que visa recuperar o seu poder-ser-si-mesmo, isto é: existência autêntica.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. 2. ed. Tradução de Alfredo Bosi. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
DESCARTES, R. Discurso do Método. 3. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
___________ . Meditações metafísicas. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
HEIDEGGER, M. Ser e tempo: parte I. 2. ed. Tradução de Márcia de Sá Cavalcante. Petrópolis: Vozes, 1988.
___________ . Ser e tempo: parte II. 12. ed. Tradução de Marcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 2005.
___________ . Seminário de Zollikon. Tradução de Gabriella Arnhold, Maria de Fátima de A. Prado e Renato Kirchner. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2009.
INWOOD, M. Dicionário Heidegger. Tradução de Luísa Buarque de Holanda. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2002.
JOHNSON, A. Dicionário de sociologia: guia prático da linguagem sociológica. Tradução de Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1997.
MANZI, R. O que seria a consciência na fenomenologia heideggeriana? Griot, Amargosa, v. 13, n. 1, p. 183-199, 2016.
MORA, F. Dicionário de Filosofia: tomo I a IV. Tradução de Maria Gonçalves, Adail Sobral, Marcos Bagno e Nicolás Campanário. São Paulo: Loyola, 2000.
NUNES, B. Heidegger & Ser e tempo. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
PIÉRON, H. Dicionário de psicologia: publicado com a colaboração da “Association des travailleurs scitifiques”. 6. ed. Tradução de Dora de Barros Cullinan. Porto Alegre: Globo, 1972.
RESWEBER, J. P. O Pensamento de Martin Heidegger. Tradução de João Agostinho A. Santos. Coimbra: Livraria Almedina, 1979.
SAFRANSKI, R. Heidegger: um mestre da Alemanha entre o bem e o mal. Tradução de Lya Luft. São Paulo: Geração Editorial, 2000.
STEIN, E. Seis estudos sobre “Ser e tempo”. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.
Publicado
2020-05-23
Como Citar
Almeida, R. (2020). Sobre a crítica radical de Ser e tempo à noção metafísica de consciência. Primeiros Escritos, (10), 313-340. https://doi.org/10.11606/issn.2594-5920.primeirosescritos.2020.155654
Seção
Artigos