Os paradigmas de Thomas Kuhn

Autores

  • Ana Clarice Rodrigues Costa Universidade Federal de São João del Rei

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-5920.primeirosescritos.2020.155660

Palavras-chave:

Filosofia da ciência, paradigma, Thomas Kuhn

Resumo

O caráter polissêmico do termo “paradigma” tornou-se uma das questões mais obscuras dentro da imagem da ciência de Thomas Kuhn. Em A estrutura das revoluções científicas (1962) foi possível identificar pelo menos 21 sentidos diferentes para o vocábulo. Trata-se de questão intrigante, ao se constatar a centralidade do termo na estruturação de uma imagem cíclica e episódica para ciência. À vista disso, este trabalho apresenta uma investigação sobre as diferentes concepções do termo em alguns momentos da obra kuhniana. A primeira parte explicita como ocorre a expansão semântica do vocábulo entre dois ensaios, A tensão essencial: tradição e Inovação na Investigação científica (1959) e A função do dogma na pesquisa científica (1963). Na segunda parte discorre-se sobre o uso do termo especificamente em A estrutura das revoluções científicas, considerando duas críticas endereçadas a Kuhn, a saber, A natureza do paradigma (1970), de Margareth Masterman, e o ensaio homônimo A estrutura das revoluções científicas (1964), de Dudley Shapere. Por fim, a terceira parte apresenta as respostas de Kuhn a tais críticas a partir da análise de “Posfácio” e das Reconsiderações acerca dos paradigmas, ambos de 1969.

Referências

BIRD, A. Paradigms. In: BIRD, A. Thomas Kuhn. Chesham: Acumen, 2000. p. 65-96.
___________ . The concept of a paradigm. In: BIRD, A. Thomas Kuhn. Stanford Encyclopedia of Philosophy. Stanford: Stanford University, 2013. Disponível em: [https://plato.stanford.edu/archives/fall2013/entries/thomas-kuhn/]. Acesso em: [24 fev. 2018].
___________ . What is in a paradigm? Journal Of Philosophy, Richmond, v. 1, n. 2, p. 11-20, set. 2002. Disponível em: [https://seis.bristol.ac.uk/~plajb/research/papers/Paradigm.pdf]. Acesso em: [24 fev. 2018].
CUPANI, A. Por que ainda Thomas Kuhn? In: CONDÉ, M. L. L.; PENNA-FORTE, M. A. Thomas Kuhn: a estrutura das Revoluções Científicas [50anos]. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013. p. 13-19.
KUHN, T. S. A tensão essencial. Tradução de Rui Pacheco. Lisboa: Edições 70, 2009a. 408 p.
___________ . Prefácio. In: KUHN, T. S. A tensão essencial. Tradução de Rui Pacheco. Lisboa: Edições 70, 2009b. p. 261-276.
___________ . A tensão essencial: tradição e inovação na investigação científica. In: KUHN, T. S. A tensão essencial. Tradução de Rui Pacheco. Lisboa: Edições 70, 2009c. p. 261-276.
___________ . Reconsiderações acerca dos paradigmas. In: KUHN, T. S. A tensão essencial. Tradução de Rui Pacheco. Lisboa: Edições 70, 2009d. p. 335-
362.
___________ . A função do dogma na investigação científica. Tradução de Jorge Dias de Deus. Curitiba: UFPR; SCHLA, 2012. 69 p.
___________ . A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. 13. ed. São Paulo: Perspectiva, 2017a. 323 p.
___________ . Posfácio – 1969. In: KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. 13. ed. São Paulo: Perspectiva, 2017b. p. 279-323.
LAKATOS, I.; MUSGRAVE, A. (org.). A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. Tradução de Octavio Mendes Cajado. São Paulo: Cultrix, 1979.
LANGHE, R. The Kuhnian paradigm. Topoi, New York, v. 32, n. 1, p. 65-73, 13 fev. 2013.
MASTERMAN, M. A natureza de um paradigma. In: LAKATOS, I.; MUSGRAVE, A. (org.). A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. Tradução de Octavio Mendes Cajado. São Paulo: Cultrix, 1979. p. 72-108.
McGUIRE, J.; TUCHANSKA, B. Da ciência descontextualizada à ciência no contexto social e histórico. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 151-182, jul. 2013.
MÖßNER, N. Thought styles and paradigms: a comparative study of Ludwik Fleck and Thomas S. Kuhn. Studies in History And Philosophy Of Science Part A, Amsterdam, v. 42, n. 2, p. 362-371, jun. 2011.
ORMAN, T. F. “Paradigm” as a central concept in Thomas Kuhn’s thought. internacional Journal Of Humanities And Social Science, Los Angeles, v. 6, p. 47-52, out. 2016. Disponível em: [http://www.ijhssnet.com/journals/
Vol_6_No_10_October_2016/8.pdf]. Acesso em: [10 set. 2018].
SHAPERE, D. The structure of scientific revolutions. The Philosophical Review, Durham, v. 73, n. 3, p. 383-394, jul. 1964.
___________ . The paradigm concept. In: SHAPERE, D. Reason and the search for knowledge: investigations in the Philosophy of Science. Boston: Reidel, 1984. p. 49-57.
TUCHANSKA, B. Thomas Kuhn e seus modificadores intercontinentais. Scientiæ Studia, São Paulo, v. 10, n. 3, wp. 505-533, jan. 2012. Disponível em: [http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-31662012000300005]. Acesso em: [3 abr. 2018].

Downloads

Publicado

2020-05-22

Como Citar

Costa, A. C. R. (2020). Os paradigmas de Thomas Kuhn. Primeiros Escritos, (10), 10-33. https://doi.org/10.11606/issn.2594-5920.primeirosescritos.2020.155660

Edição

Seção

Artigos