A questão da técnica e o caminho para a linguagem na filosofia de Martin Heidegger

  • Izabella Corrêa Magalhães Coutinho Universidade Federal de São João del Rei
Palavras-chave: técnica, verdade, linguagem, Heidegger

Resumo

Ao investigar aquele que seria o aspecto fundamental da técnica moderna, Martin Heidegger explicita o nexo que liga o fenômeno da técnica à metafísica, à ciência, à linguagem e ao destino e futuro do Ocidente. Conduzido através do sentido e verdade do Ser, o filósofo compreende a essência da técnica como desencobrir, trazendo à luz o que soa através das palavras gregas tékhne, poiésis e alétheia. Nessa compreensão, a questão da técnica se orienta para o âmbito mais originário da linguagem. Considerando os escritos de Heidegger pós-1930, sobretudo A questão da técnica, publicado em 1954, Língua de tradição e língua técnica, de 1962, e Para quê poetas?, de 1946, o objetivo deste texto é percorrer o caminho de tal orientação, investigando como se expressam e se estreitam as relações entre a essência da técnica e os sentidos de verdade, destino, língua e linguagem no pensamento de Heidegger. No curso desse exame – da questão da técnica à linguagem – deve ser possível retomar o que nos diz o filósofo a respeito da tarefa de pensar o homem contemporâneo na dominância da técnica e suas tecnologias.

Referências

BORGES-DUARTE, I. Gestell e Gestalt: fenomenologia da configuração técnica do mundo em Heidegger. In: BORGES-DUARTE, I.; PARDELHA, I (org.). Fenomenologia e Ciência. CONGRESSO INTERNACIONAL DA AFFEN, 4., 2014, cidade. Actas. Disponível em: [http://www.affen.pt/iv-congresso-internacional-da-affen.-iii-congresso-luso-brasileiro-de-fenomenologia.html]. Acesso em: [4 out. 2018].
___________ . La tesis heideggeriana acerca de la tecnica. Anales del Seminario de Historia de la Filosofia, Madrid, n. 10, p. 121-156, 1993.
HEIDEGGER, M. Serenidade. Lisboa: Instituto Piaget, 1959. ___________ . introdução à Metafísica. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1978.
___________ . A constituição onto-teológica da metafísica. In: HEIDEGGER, M. Conferências e escritos filosóficos. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991.
p. 149-162.
___________ . Língua de tradição e língua técnica. Trad. Mário Botas. Lisboa: Vega, 1995.
___________ . Hölderlin’s hymn “The ister”. Bloomington: Indiana University Press, 1996.
___________ . A questão da técnica. In: Ensaios e Conferências. Petrópolis: Editora Vozes, 2002a. p. 11-38.
___________ . O que quer dizer pensar? In: Ensaios e Conferências. Petrópolis: Editora Vozes, 2002b. p. 111-124.
___________ . A essência do fundamento. In: Marcas do Caminho. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 134-188.
___________ . A caminho da linguagem. São Paulo: Vozes, 2012a.
___________ . Para quê poetas? In: Caminhos de Floresta. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2012b. p. 307-367.
___________ . Ser e tempo. Petrópolis: Editora Vozes, 2015.
HEMMING, L. P. Speaking out of Turn: Martin Heidegger and die Kehre. International Journal of Philosophical Studies, Abingdon-on-Thames, v. 6, n. 3, p. 393-423, 1998.
NIETZSCHE, F. A origem da tragédia. 12.ed. Lisboa: Guimarães Editores,
2004.
Publicado
2020-05-23
Como Citar
Coutinho, I. C. (2020). A questão da técnica e o caminho para a linguagem na filosofia de Martin Heidegger. Primeiros Escritos, (10), 126-156. https://doi.org/10.11606/issn.2594-5920.primeirosescritos.2020.155662
Seção
Artigos