Historiografia, zapatismo e movimentos sociais

mapeando a arte e compreendendo a problemática

Palavras-chave: Movimentos Sociais, Zapatismo, História da América, História do Tempo Presente, Teoria da História

Resumo

O presente artigo tem como objetivo realizar uma análise acerca da evolução dos estudos dos movimentos sociais, desde uma perspectiva clássica, pautada nos modelos estruturalistas, até o Tempo Presente com os chamados Novos Movimentos Sociais. Para tanto, utilizamos como objeto de pesquisa o movimento zapatista e buscamos mapear como tal movimento vem sendo debatido na academia brasileira e, de mesmo modo, como reflete esta evolução nas perspectivas dos estudos dos novos movimentos sociais e sua integração com o mundo, no intuito da construção de novas realidades possíveis. Por fim, propomos a relevância em se buscar novas perspectivas teórico-metodológicas sobre este campo de estudos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Guerra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em História e Espaços da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), bolsista CAPES. E-mail: rodrigo.morais.guerra@gmail.com

Referências

ALBUQUER JUNIOR, Durval Muniz de. História: a arte de inventar o passado. Ensaios de teoria da história: Bauru, SP: Edusc, 2007.

ALKMIN, Fábio Márcio. Por uma geografia da autonomia: a experiência da autonomia territorial zapatista em Chiapas, México. 2015. 195 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Geografia Humana, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

ASSIS, Frederico Souza de Queiroz. Para Além do Cachimbo de Magritte: Messianismo e Utopia na Construção da Figura do Subcomandante Marcos. 2013. 126 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de História Social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

BARROS, José D'assunção. A História Social: seus significados e seus caminhos. LPH: Revista de História, Ouro Preto, v. 15, p.235-256, 2005.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. Lisboa: Difel, 1989.

BRAUDEL, Fernand. A longa duração. In: Escritos sobre a História. Lisboa: Perspectiva, 1992.

BUENROSTRO Y ARELLANO, Alejandro. As raízes do fenômeno Chiapas: o já basta da resistência zapatista. São Paulo: Alfarrabio, 2002

BUENROSTRO Y ARELLANO, Alejandro; OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de (Org.). CHIAPAS: construindo a esperança. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

CISNEIROS, Leandro Marcelo. Guerra e política nas comunidades zapatistas de Chiapas-México: resistência e criação. 2014. 935 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopólis, 2014.

DEMUNER, Davi Matias Marra. O Movimento Zapatista e a Solidariedade de Classe Transnacional: Uma análise da luta de classes na globalização. 2017. 170 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Economia Política Internacional, Instituto de Economia e Relações Internacionais, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017

FIGUEIREDO, Guilherme Gitahy de. A Guerra é o Espetáculo: Origens e Transformações da Estratégia do EZLN. 2003. 366 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciência Política, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Unicamp, Campinas, 2003.

FIUZA, Bruno de Matos. A Ação Global dos Povos e o novo anticapitalismo. 2017. 248 f. Dissertação (Mestrado em História Econômica) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

GENNARI, Emilio. EZLN Passos de uma rebeldia. São Paulo: Expressão Popular, 2005

GIL, Antonio Carlos Amador et al (Org.). IDENTIDADES ÉTNICAS E AUTONOMIA NA AMÉRICA LATINA: Novos olhares a partir do movimento neozapatista. Vitória: Npih Publicações, 2011. 132 p.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos e lutas sociais na história do Brasil. São Paulo: Loyola, 1995.

GOHN, Maria da Glória. Teoria dos Movimentos Sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola, 1997.

GONÇALVES, Alyne dos Santos. As Autonomias Zapatistas: uma construção rebelde de novos sujeitos políticos (1994 - 2008). 2008. 188 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de História Social das Relações Políticas, Departamento de História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2008.

HILSENBECK FILHO, Alexander Maximilian. Abaixo e à Esquerda: Uma Análise Histórico-Social da Práxis do Exército Zapatista de Libertação Nacional. 2007. 247 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências Sociais, Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2007.

JUNIOR, José Gaspar Bisco. Guerrilha em foco: a presença na mídia do discurso Zapatista, de seu surgimento até a Quinta Declaração da Selva Lacandona. Juiz de Fora, UFJF. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Juiz de Fora, 2007.

MACIEL, Lucas da Costa. Os murais zapatistas e a estética tzotzil: pessoa, política e território em Polhó, México. 2018. 259 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Estética e História da Arte, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

MARQUES, Luiz Antônio Barbosa Guerra. Democracia, Justiça, Liberdade: Lições da Escuelita Zapatista. 2014. 128 f. Dissertação (Departamento de Sociologia) - Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

MARTINS, Gelise Cristine Ponce. O estudo dos movimentos sociais. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, n. 132, p.128-139, maio 2012. Mensal.

MENDES, Clécio Ferreira. "Para soletrar a liberdade": as propostas educacionais do movimento zapatista no México e dos Sem-Terra no Brasil na década de 90. 2005. 159 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de História Social, Pontifícia Universidade Católica São Paulo, São Paulo, 2005.

NASCIMENTO, Priscila da Silva. Mulheres zapatistas: poderes e saberes: Uma análise das reivindicações das mulheres indígenas mexicanas na luta por seus direitos - anos 1990. 2012. 188 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós Graduação em Ciências Sociais, Universidade Estadual de São Paulo, Marília, 2012.

ORTIZ, Pedro Henrique Falco. Z@patistas on-line: uma análise sobre o EZLN e o conflito em Chiapas, sua presença na internet e a cobertura da imprensa mexicana, argentina e brasileira. 1997. 590 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação Integração da América Latina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

SADER, Eder. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo (1970-80). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SANTOS, Juliana Silva dos. O movimento zapatista e a educação: direitos humanos igualdade e diferença. 2008. 135 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SILVA, Clara Cecilia Seguro da. Memória das mulheres zapatistas: participação, mobilização e a construção do ser mulher no movimento zapatista. 2018. 195 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mudança Social e Participação Política, Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SOARES, Felipe Paiva. ERIC HOBSBAWM (IN MEMORIAN): notas para leitura dos movimentos sociais pré-políticos. Revista de Teoria da História, Goiás, n. 9, p.211-227, jul. 2013.

SOUZA, Leandro Machado de. Autonomia, Nação e Classe: o projeto zapatista das comunidades lacandonas para o México (1994-2004). 2014. 107 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de História Social, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2014.

SUBCOMANDANTE INSURGENTE MARCOS. Nem o centro e nem a periferia: sobre cores, calendários e geografias. Erahsto Felício e Alex Hilsenbeck (org.). Coletivo Protopia S.A. e Danilo Ornelas Ribeiro, tradução. Porto Alegre: Deriva, 2008, 192 p.

SÁNCHEZ, Waldo Lao Fuentes. Autonomía indígena: el caso del reconocimiento de la autonomía regional en nicaragua y de la resistencia autónoma del movimiento zapatista en México. 2018. 238 f. Tese (Doutorado) - Curso de Integração da América Latina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

VARGAS NETTO, Sebastião Leal Ferreira. A MÍSTICA DA RESISTÊNCIA: culturas, histórias e imaginários rebeldes nos movimentos sociais latino-americanos. São Paulo, USP. Tese (Doutorado em História Social) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade de São Paulo, 2007.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Guerra, R. (2019). Historiografia, zapatismo e movimentos sociais. Brazilian Journal of Latin American Studies, 18(35), 33-54. https://doi.org/10.11606/issn.1676-6288.prolam.2019.161729
Seção
Artigos