Uma analista do discurso no espectro de tratamentos do autismo

  • Marlene Guirado Universidade de São Paulo; Instituto de Psicologia
Palavras-chave: análise institucional do discurso, autismo, brincar, tratamento

Resumo

Este artigo apresenta a análise de discurso como possibilidade de atendimento clínico a crianças com diagnóstico de autismo, o que pode parecer paradoxal, dadas as conhecidas dificuldades de fala nesses casos. O campo conceitual que sustenta essa discussão é o da análise institucional do discurso, que parte do pressuposto de que a clínica é uma instituição em que se exercem lugares de enunciação e se movem expectativas entre os parceiros da cena discursiva, ocasião de análise. Os sentidos se constituiriam, também por suposto, no contexto concreto desse dispositivo, que é, por filiação ao pensamento de Foucault, tomado como discurso-ato. Deriva daí a tese que permitiria atingir pacientes com autismo: mesmo que não falem, fazem o discurso da sessão, assim como o terapeuta. O brincar, por implicação, será então considerado como ato discursivo: procedimento a delimitar lugares no exercício da enunciação. Discute-se, ainda, sua ação terapêutica.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-01-01
Como Citar
Guirado, M. (2018). Uma analista do discurso no espectro de tratamentos do autismo. Psicologia USP, 29(1), 135-145. https://doi.org/10.1590/0103-656420170056
Seção
Artigos Originais