Racionalidade institucional e dominação à luz de Weber, Freud e Adorno

adesão acrítica ou emancipatória

Autores

  • Silvia Rosa da Silva Zanolla Universidade Federal de Goiás, Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação
  • Márcia Ferreira Torres Pereira Universidade Federal de Goiás, Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação
  • Rômulo Fabriciano Gonzaga Pinto Universidade Federal de Goiás, Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação

DOI:

https://doi.org/10.1590/0103-656420180172

Palavras-chave:

formação, identidade, violência, autoridade, política

Resumo

Com base na teoria crítica da sociedade do filósofo Theodor Adorno, este trabalho propõe refletir sobre elementos objetivos do âmbito da estrutura institucional e social que fundam ideias referentes à racionalidade e à dominação, considerando fatores subjetivos correlatos às ideias do sociólogo Max Weber. Nesse sentido, corrobora-se ideias acerca da formação complexa da identidade do sujeito diante das exigências de conservação humana, apresentadas à luz da psicanálise de Sigmund Freud; uma discussão controversa, porém fundamental para a teoria crítica, posto que considera contribuições da psicologia perpassadas por elementos que se ampliam para além de comportamentos determinados, conscientes ou alienados. Ou seja, almeja fatores culturais, históricos e sociológicos como bases primordiais para a análise da ideologia como fator racional o qual transcorre o período moderno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2018-12-31

Como Citar

Zanolla, S. R. da S., Pereira, M. F. T., & Pinto, R. F. G. (2018). Racionalidade institucional e dominação à luz de Weber, Freud e Adorno: adesão acrítica ou emancipatória. Psicologia USP, 29(3), 336-344. https://doi.org/10.1590/0103-656420180172

Edição

Seção

Artigos Originais