O que (não) há de “complexo” no comportamento? Behaviorismo radical, self, insight e linguagem

  • Diego Zilio Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Psicologia Social e do Desenvolvimento
  • Hernando Neves Filho Imagine Tecnologia Comportamental
Palavras-chave: behaviorismo radical, cognitivismo, metateorias, comportamento complexo

Resumo

Uma crítica comum encontrada em manuais e livros didáticos de psicologia é que a análise do comportamento não seria capaz de explicar fenômenos psicológicos complexos. Estes seriam melhor abordados por explicações cognitivistas baseadas em mecanismos internos ao organismo. Este ensaio tem como objetivo avaliar a pertinência dessa crítica à luz de exemplos da literatura analítico-comportamental. A partir da análise de pesquisas que tratam de formação de self, insight e linguagem, argumenta-se que a “complexidade” foi importada para os laboratórios de análise do comportamento, assim como floresceu em diversas linhas de pesquisa de tradição behaviorista radical. Em adição, são discutidos cinco significados possíveis dados à “complexidade” extraídos da literatura consultada. Conclui-se que não há significado útil do termo e que, por essa razão, talvez seja pertinente abandoná-lo como critério de classificação de comportamentos. Como consequência, “comportamento complexo” seria simplesmente “comportamento” e nada mais.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-12-31
Como Citar
Zilio, D., & Neves Filho, H. (2018). O que (não) há de “complexo” no comportamento? Behaviorismo radical, self, insight e linguagem. Psicologia USP, 29(3), 374-384. https://doi.org/10.1590/0103-656420170027
Seção
Artigos Originais