Dos mercados informais às políticas não hegemônicas de valor: olhares cruzados entre Porto Alegre e Buenos Aires na produção de objetos e sujeitos camelôs

  • Moisés Kopper Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Informalidade, formalização, valor, etnografia, camelódromo, La Salada

Resumo

A antropologia dos mercados informais sempre enfrentou com alguma dificuldade o problema básico de propor definições acerca do que seja o informal. Economistas e sociólogos propuseram conceituações por demais generalizantes, atrelando-as à economia formal; antropólogos esbarram em concepções excessivamente particularizantes, muitas vezes negando a capacidade heurística da noção. Esse artigo sugere uma terceira via para o problema, explorando as políticas econômicas de produção do valor de sujeitos, objetos e lugares, uns em relação de mútua definição com os outros. O enfoque recai sobre as disputas de sentido a partir de onde certos discursos sobre a informalidade – imaginados, móveis e incompletos – são materializados e performatizados. Etnograficamente, parte, de um lado, da transição do mercado de rua para um shopping popular, em Porto Alegre/RS; de outro, dos debates públicos entre jornalistas, empresários e mercadores acerca da expansão da feira informal “La Salada”, considerada a maior do mundo, em Buenos Aires.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Moisés Kopper, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
doutorando em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação da Ufrgs. É mestre em Antropologia Social e bacharel em Ciências Sociais pela mesma instituição
Publicado
2015-12-22
Como Citar
Kopper, M. (2015). Dos mercados informais às políticas não hegemônicas de valor: olhares cruzados entre Porto Alegre e Buenos Aires na produção de objetos e sujeitos camelôs. Revista De Antropologia, 58(2), 235-262. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2015.108573
Seção
Artigos