A morte e o corpo dos xamãs nas narrativas siona

  • E. Jean Langdon Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: morte, xainanisrno, corpo, narrativa, índios Tucano

Resumo

O trabalho examina a relação entre representações do corpo e noções de morte entre os índios Siona, um grupo tucano localizado na Bacia Amazônica da Colômbia e do Equador. A corporalidade do poder xarnânico permite não só a medação do xamã entre os mundos visíveis e invisíveis do universo Siona, mas também a possibilidade de uma existência imortal, em oposição ao destino do homem comum. Seis narrativas nas quais se relata o destino dos corpos e das almas xamãs são apresentadas como exemplos das possibilidades de imortalidade. Finalmente, o trabalho analisa as noções de morte e de vida após a morte à luz de discussões sobre o tema por outros grupos tucanos, em particular a de Reichel Doltnatoff sobre os Desana e a de Cipolletti sobre os Siona-Secoya. O enfoque no corpo e nas mortes dos xainãs em narrativas ilumina o princípio de energia cíclica, que é considerada característica da cosmologia tucana.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
1995-12-30
Como Citar
Langdon, E. (1995). A morte e o corpo dos xamãs nas narrativas siona. Revista De Antropologia, 38(2), 107-149. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.1995.111561
Seção
Artigos