Quem tem medo dos antropólogo(a)s? Práticas científicas em novos cenários políticos

  • Lia Zanotta Machado Universidade de Brasília
  • Antonio Motta Universidade Federal de Pernambuco
  • Regina Facchini Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Antropologia – Brasil, ciência, política, conservadorismo

Resumo

Este artigo busca refletir sobre o percurso e a visibilidade social da antropologia no Brasil nas últimas cinco décadas, como resultado do avanço das chamadas “políticas de identidade” sobre o fazer antropológico. Analisamos os dilemas e desafios colocados para a prática científica no atual cenário político, no qual forças conservadoras se insurgiram contra a expansão dos direitos à pluralidade: indígenas, quilombolas, questões de gênero e diversidade sexual. Apresentamos, assim, o dossiê “Quem tem medo dos antropólogo(a)s? Dilemas e desafios para a produção e práticas científicas em novos cenários políticos”, cujo propósito é oferecer múltiplas contribuições para refletir, dimensionar e qualificar os dilemas e desafios trazidos pelo novo e recente cenário político.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-04-27
Como Citar
Machado, L., Motta, A., & Facchini, R. (2018). Quem tem medo dos antropólogo(a)s? Práticas científicas em novos cenários políticos. Revista De Antropologia, 61(1), 09-32. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.145509
Seção
Dossiê – Quem tem medo dos antropólogo(a)s? Dilemas e desafios para a produção e práticas científicas