Baile para matar saudades – reflexões sobre o uso do vídeo numa experiência de recriação musical

  • Erica Giesbrecht Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Memória, corpo, música, dança, comunidade negra, bailes negros, Campinas

Resumo

Dentre os temas veementes nos debates etnomusicológicos contemporâneos, as relações entre música e memória, em especial as recriações musicais, têm propiciado um terreno fértil para reflexões. É nesse campo de discussões que se insere este artigo, que parte de uma recriação musical produzida em esforço conjunto entre pesquisadora e sujeitos etnográficos para elaborar algumas reflexões. Refiro-me ao Baile para Matar Saudades, uma festa dançante realizada em Campinas, em 2014, com o objetivo de reproduzir os bailes negros dos anos 1950 no interior de São Paulo. Lançando mão das imagens desse evento, de sua preparação e de outros fazeres musicais de meus interlocutores no presente, realizei um longa metragem homônimo, como forma de disseminação da pesquisa. Na etnomusicologia, assim como na antropologia, a questão das formas de representação e expressão nativa levantam desafios, por se tratar também um campo de natureza etnográfica. O desenvolvimento desses assuntos pela antropologia visual serve de igual forma às etnografias interessadas nas interações humanas mediadas pela música, por razões que vão desde as possibilidades extratextuais de expressão da dança e da música até o diálogo etnográfico e a representatividade dos sujeitos em campo. O escopo último deste artigo, portanto, é discutir os papéis da realização fílmica numa pesquisa interessada na emersão de memórias através da recriação musical.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-04-27
Como Citar
Giesbrecht, E. (2018). Baile para matar saudades – reflexões sobre o uso do vídeo numa experiência de recriação musical. Revista De Antropologia, 61(1), 147-175. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.145520
Seção
Artigos