Religião, arte e política na controvérsia pública da Igrejinha da Pampulha

  • Paola Lins de Oliveira Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Igrejinha da Pampulha, controvérsia pública, arte moderna, arte religiosa, arquitetura religiosa

Resumo

O artigo apresenta uma reflexão sobre os primeiros anos da biografia cultural da Igreja de São Francisco de Assis, situada no bairro da Pampulha, Belo Horizonte – MG. A Igrejinha da Pampulha se insere em um plano de modernização urbana idealizado no início dos anos de 1940 pelo então prefeito da capital mineira, Juscelino Kubitschek, que dá origem ao Conjunto Arquitetônico da Pampulha. Com projeto do arquiteto Oscar Niemeyer e programa decorativo encabeçado pelo artista plástico Cândido Portinari, a edificação é recusada pelas autoridades religiosas mineiras, estabelecendo uma controvérsia pública entre defensores e críticos de sua consagração religiosa. O interesse que ancora esta análise está no modo como a edificação fundamenta, condensa e estimula consórcios entre as dimensões religiosa, artística e também política, ao mesmo tempo em que seus idealizadores, críticos e defensores oscilam entre, de um lado, a sustentação de tais associações e, de outro, a aposta nas distinções entre as mesmas dimensões, tanto para defendê-las quanto para criticá-las. Trata-se portanto de um caso no qual está em jogo o tensionamento constante do paradigma moderno de separação e autonomia das instâncias religiosas, artísticas e políticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-04-27
Como Citar
Oliveira, P. (2018). Religião, arte e política na controvérsia pública da Igrejinha da Pampulha. Revista De Antropologia, 61(1), 241-268. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.145525
Seção
Artigos