Fazer corpo como tomar a Bastilha

Leituras de Michel de Certeau para uma Antropologia do gesto político

Autores

  • Julia Ruiz Di Giovanni Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.148931

Palavras-chave:

Michel de Certeau, práticas, corpo, movimentos sociais, protesto

Resumo

Este artigo retira da obra de Michel de Certeau indicações a respeito do lugar do corpo na ação política e nos processos de transformação social, colocando em foco a persistência nos escritos do autor de referências à corporalidade como dimensão fundamental da experiência mística, das operações de produção de conhecimento, da política das ruas de maio de 1968 e da inventividade da vida cotidiana. Destacamos assim a centralidade dessa dimensão na conceituação das práticas na perspectiva do autor e no uso que faz da função poética da linguagem como chave de reflexão sobre a ação social. Apontando a atualidade e possíveis usos contemporâneos dessas proposições, refletimos sobre algumas práticas de protesto dos estudantes secundaristas paulistas no ano de 2015, observando como tiram partido da mobilidade sempre irredutível das estruturas de saber e poder, fazendo uso, em ações disruptivas, de práticas corporais cotidianas supostamente normalizadas pela disciplina escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Ruiz Di Giovanni, Universidade de São Paulo

Julia Ruiz Di Giovanni é doutora em Antropologia Social e pesquisadora de pós- -doutorado (PNPD/CAPES) junto ao PPGAS – USP. Autora de Artes do Impossível: ação de rua no movimento antiglobalização (2012) e Cadernos do outro mundo: o Fórum Social Mundial em Porto Alegre (2015).

Referências

CAMPOS, Antonia; MEDEIROS, Jonas e RIBEIRO, Márcio. 2016. Escolas de luta. São Paulo, Veneta (Coleção Baderna).

CERTEAU, Michel de. [1964] 1987. “L’Homme em prière «cet arbre de gestes”. In La Faiblesse de Croire. Paris, Éditions du Seuil, pp. 267-305.

CERTEAU, Michel de. [1968] 1994. “La Prise de parole (mai 1968)”. In La Prise de parole et autres écrits politiques . Paris, Éditions du Seuil, pp. 27-129.

CERTEAU, Michel de. [1974] 2005. A cultura no plural. Campinas, Papirus Editora, 4a edição.

CERTEAU, Michel de. [1980] 2008. L’Invention du quotidien. I – Arts de faire. Paris, Gallimard.

CERTEAU, Michel de. [1982] 2015. A fábula mística: séculos XVI e XVII– Volume I. Rio de Janeiro, Forense Universitária.

CERTEAU, Michel de. [1982] 1997. “Historias de cuerpos: entrevista con Michel de Certeau”. Entrevista concedida a G. Vigarello. Historia y Grafía, Julio-Diciembre. Tradução de Alejandro Pescador. Disponível em: http://www.hemerodigital.unam.mx/ANUIES/hemeroteca/framesacer.html.

CERTEAU, Michel de. [1970] 2005. La Possesion de Loudun. Paris, Gallimard/Julliard.

CERTEAU, Michel de; GIARD, Luce e MAYOL, Pierre. [1980] 1994

L’Invention du quotidien. II – Habiter, cuisiner. Paris, Gallimard.

DI GIOVANNI, Julia Ruiz. 2012. Artes do Impossível: ação de rua no movimento antiglobalização. São Paulo, Fapesp/Annablume.

DI GIOVANNI, Julia Ruiz. 2015a. Cadernos do Outro Mundo: o Fórum Social Mundial em Porto Alegre. São Paulo, Editora Humanitas/Fapesp.

DI GIOVANNI, Julia Ruiz. 2015b. “Artes de abrir espaço. Apontamentos para a análise de práticas em trânsito entre arte e ativismo”. Cadernos de Arte e Antropologia, vol. 4, n. 2-1: 13-27.

DI GIOVANNI, Julia Ruiz; MEIHY, Murilo S. Bom. 2016. “O jardim das flores secas: o que esperar da chamada Primavera Árabe?”. In ALMEIDA, J. R. de; SCHITTINO, R. e POGGI, T. (org.). Política e violência: desafios contemporâneos. Curitiba, Editora Prismas, pp. 253-281.

FOUCAULT, Michel. [1966] 2013. “O corpo utópico”. In O corpo utópico, As heterotopias/Le Corps utopique, Les Hétérotopies. Tradução de Salma Tannus Muchail. Rio de Janeiro, Editora N-1, pp. 7-16.

FREIJOMIL, Andrés G. 2015. “Michel de Certeau, une reconversion des savoirs”. In La Vie des idées. Disponível em: http://www.laviedesidees.fr/Michel-de-Certeau-une-reconversion-des-savoirs.html. Aceso em julho de 2017.

GIARD, Luce. [1980] 1994. “Faire la cuisine”. In CERTEAU, Michel de; GIARD, Luce e MAYOL, Pierre. L’Invention du Quotidien II: Habiter, cuisiner. Pari, Gallimard, pp. 213 -350.

GIARD, Luce. [1968] 1994. “Par quoi demain déjà se donne à naître”. In La Prise de parole et autres écrits politiques. Paris, Éditions du Seuil, pp. 7- 26.

GRUPO CONTRAFILÉ (org.). 2016. “A cadeira andante”. In A batalha do vivo – Grupo Contrafilé, secundaristas e amigos. MASP/ Sesc Interlagos.

HOLMES, Brian. 2009. “Toward the New Body: Marcelo Exposito’s ‘Entre Sueños’”. In Escape the Overcode: Activist Art in the Control

Society. Eindhoven, Van Abbemuseum, pp. 15-23.

INGOLD, Tim. 2013. Making: Anthropology, Archeology, Art and Architecture. Londres/Nova York: Routledge.

LEROI-GOURHAN, André. [1965] 2012. Le Geste et la parole II: La Mémoire et les rythmes. Paris, Éditions Albin Michel.

MAISONNEUVE, Jean. 1976. “Le Corps et le corporeism aujourd’hui”.

Revue Française de Sociologie, n. 17-4: 551-571.

MAUSS, Marcel. [1934] 2003. “As técnicas do corpo. Parte I – Noção de técnica do corpo”. In Sociologia e antropologia. São Paulo, Cosac & Naify, pp. 401-408.

MOL, Annemarie e LAW, John. 2004. “Embodied Action, Enacted Bodies. The Example of Hypoglycoemia”. Body and Society, vol.10 (2-3): 43-62.

TURNER, Victor. 1982. From Ritual to Theatre, The Human Seriousness of Play. Nova York, PAJ Publications.

WRIGHT, Stephen. 2016. Para um léxico dos usos/Toward a Lexicon of Usership. São Paulo, Edições Aurora.

Downloads

Publicado

2018-08-13

Como Citar

Giovanni, J. R. D. (2018). Fazer corpo como tomar a Bastilha: Leituras de Michel de Certeau para uma Antropologia do gesto político. Revista De Antropologia, 61(2), 19-39. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.148931

Edição

Seção

Dossiê – Michel de Certeau [em uso]