O que fabrica o historiador quando faz história, hoje?

Ensaio sobre a crença na história (Brasil séculos XIX-XXI)

  • Temístocles Cezar Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Teoria da História, História da Historiografia, Escrita da História, Historia Magistra Vitae, crença

Resumo

O problema geral deste ensaio é o de continuar perseguindo as apropriações historiográficas do tempo pelos antigos e modernos, tema que já venho tratando em pesquisas anteriores. Mais especificamente, pretendo realizar uma genealogia conceitual do topos popularizado por Cícero de que a história é mestra da vida: historia magistra vitae. A longa duração é necessária como condição à análise das diferentes recepções, percepções e retratações que a formulação adquiriu até chegar ao nosso presente. Nessa longa travessia procurarei mapear situações em que a historia magistra vitae converte-se nas figuras gêmeas da autoridade e da tradição e, finalmente, em crença. Essas duas figurações quando aliadas a indeterminações historiográficas do tempo e suas formas discursivas têm a capacidade de produzir explicações para o movimento histórico do passado e do presente, uma movimentação normalmente silenciosa, cujos efeitos geram maneiras distintas de entendimento da experiência do tempo vivido.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-08-13
Como Citar
Cezar, T. (2018). O que fabrica o historiador quando faz história, hoje?. Revista De Antropologia, 61(2), 78-95. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.148933
Seção
Dossiê – Michel de Certeau [em uso]