O que fabrica o historiador quando faz história, hoje?

Ensaio sobre a crença na história (Brasil séculos XIX-XXI)

Autores

  • Temístocles Cezar Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.148933

Palavras-chave:

Teoria da História, História da Historiografia, Escrita da História, Historia Magistra Vitae, crença

Resumo

O problema geral deste ensaio é o de continuar perseguindo as apropriações historiográficas do tempo pelos antigos e modernos, tema que já venho tratando em pesquisas anteriores. Mais especificamente, pretendo realizar uma genealogia conceitual do topos popularizado por Cícero de que a história é mestra da vida: historia magistra vitae. A longa duração é necessária como condição à análise das diferentes recepções, percepções e retratações que a formulação adquiriu até chegar ao nosso presente. Nessa longa travessia procurarei mapear situações em que a historia magistra vitae converte-se nas figuras gêmeas da autoridade e da tradição e, finalmente, em crença. Essas duas figurações quando aliadas a indeterminações historiográficas do tempo e suas formas discursivas têm a capacidade de produzir explicações para o movimento histórico do passado e do presente, uma movimentação normalmente silenciosa, cujos efeitos geram maneiras distintas de entendimento da experiência do tempo vivido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Temístocles Cezar, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Temístocles Cezar é professor titular do Departamento de História da Universi- dade Federal do Rio Grande do Sul, directeur d’études invité na École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris e bolsista do CNPq.

Referências

ARAUJO, Valdei Lopes de. 2008. A experiência do tempo. Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1813-1845). São Paulo, Editora Hucitec.

ARAUJO, Valdei Lopes de. 2015. “Historiografia, nação e os regimes de autonomia na vida letrada no Império do Brasil”. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 31, n. 56: 365-400.

ARAUJO, Valdei e CEZAR, Temístocles. 2018. “The Forms of History in the Nineteenth Century: The Regimes of Autonomy in Brazilian Historiography”. Historein, v. 17, n. 1. Disponível em: https://ejournals.epublishing.ekt.gr/index.php/historein/article/view/8812.

ARAUJO, Valdei Lopes de e PEREIRA, Mateus H. F. 2016. “Reconfigurações do tempo histórico: presentismo, atualismo e solidão na modernidade digital”. Revista da UFMG, Belo Horizonte, v. 23, n. 1 e 2: 270-297.

ARAUJO, Valdei Lopes de e RANGEL, Marcelo de Mello. 2015. “Apresentação – Teoria e história da historiografia: do giro linguístico ao giro ético-político”. História da Historiografia, Ouro Preto, 17: 318-332.

ARENDT, Hannah. 2007. Entre o passado e o futuro. São Paulo, Perspectiva.

BENJAMIN, Walter. 1994. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. São Paulo, Brasiliense.

CALAME, Claude e CHARTIER, Roger. 2004. Identités d’auteur dans l’antiquité et la tradition européenne. Grenoble, Jérôme Millon.

CALMON, Pedro. 1975. História de D. Pedro II. T. 2. Cultura et política, paz e guerra (1853-1870). Rio de Janeiro, José Olympio.

CARVALHO, José Murilo de. 2007. D. Pedro II. São Paulo, Companhia das Letras.

CATROGA, Fernando. 2011. Os passos do homem como restolho do tempo. Memória e fim. do fim da história. Coimbra, Edições Almedina.

CERTEAU, Michel de. 1974. “L’Opération historique”. In LE GOFF, J. e NORA, P. (orgs.). Faire l’histoire, I. Paris, Gallimard, pp. 3-41.

CERTEAU, Michel de. 1975. L’Écriture de l’histoire. Paris, Gallimard.

CERTEAU, Michel de. 1978. La Possession de Loudun. Paris, Julliard.

CERTEAU, Michel de. 1980. La Culture au pluriel. Paris, Christian Bourgois Éditeur.

CERTEAU, Michel de. 1982. La Fable mystique: XVIe et XVIIe siècle.

Paris, Gallimard.

CERTEAU, Michel de. 1987a. La Faiblesse de croire. Paris, Seuil.

CERTEAU, Michel de. 1987b. Histoire et psychanalyse entre science et fiction. Paris, Gallimard.

CERTEAU, Michel de. 1990. L’Invention du quotidien. I. Arts de faire. Paris, Gallimard.

CEZAR, Temístocles. 2011. “Lições sobre a escrita da história: as primeiras escolhas do IHGB. A historiografia brasileira entre os antigos e os modernos”. In BASTOS, Lucia Maria Bastos Pereira das; GONÇALVES, M.; GONTIJO, R.; GUIMARÃES, L. P. (orgs.). Estudos de historiografia brasileira. Rio de Janeiro, Editora FGV, pp. 93-124.

CÍCERO. 2001. “Do orador, II”. In HARTOG, François. A história de Homero a Santo Agostinho. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2001, pp. 145-153.

CLIFFORD, James. 2002. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro, Editora da UFRJ.

FABIAN, Johannes. 1983. Time and the Other: How Anthropology Makes Its Object. New York, Columbia University Press.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. 1999. Em 1926. Vivendo no limite do tempo. Rio de Janeiro, Record.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. 2010. Produção de presença. O que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro, Ed. da PUC-Rio/Contraponto.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. 2011. “Depois de ‘Depois de aprender com a história’, o que fazer com o passado agora?”. In ARAUJO, V.L. de; MOLLO, H.M.; e NICOLAZZI, F. (orgs.). Aprender com a história? O passado e o futuro de uma questão. Rio de Janeiro, FGV, pp. 25-42.

HARTOG, François. 2003. Régimes d’historicité. Présentisme et expérience du temps. Paris, Seuil.

HARTOG, François. 2004. “Temps du monde, histoire, écriture de l’histoire”. L’Inactuel, 12: 93-102.

HARTOG, François. 2013. Croire en l’histoire. Paris, Flammarion.

HEIDEGGER, Martin. 2006. Ser e tempo. Petropólis, Vozes.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. 2010. Capítulos de história do Império. São Paulo, Companhia das Letras.

JANCSÓ, István e PIMENTA, João Paulo G. 2000. “Peças de um mosaico (ou apontamentos para o estudo da emergência da identidade nacional brasileira)”. In MOTA, Carlos Guilherme (org.). Viagem incompleta (1500-2000). A experiência brasileira. Formação: histórias. São Paulo, Editora Senac.

KANTOR, Iris. 2004. Esquecidos e renascidos. Historiografia acadêmica luso-americana (1724-1759), São Paulo, Hucitec.

KOJÈVE, Alexandre. 2004. La Notion de l’autorité. Paris, Gallimard.

KOSELLECK, Reinhart. 1990. Le Futur passé. Contribution à la sémantique des temps historiques. Paris, Éditions de l’EHESS.

KOSELLECK, Reinhart. 2013. Sentido e repetición en la historia. Buenos Aires, Hydra.

LECLERC, Gérard. 1996. Histoire de l’autorité. L’Assignation des énoncés culturels et la généalogie de croyance. Paris, PUF.

LENCLUD, Gérard. 1994. “Qu’est ce que la tradition?”. In DETIENNE, Marcel. (org.) Transcrire les mythologies. Paris, Albin Michel, pp. 25-44.

LENCLUD, Gérard. 2013. L’Universalisme ou le pari de la raison. Anthropologie, histoire, psychologie. Paris, EHESS/Galimard/Seuil.

LYRA, Heitor. 1977. História de Dom Pedro II. Fastígio (1870-1890). Belo Horizonte/São Paulo, Itatiaia/Edusp.

MARINCOLA, John. 1997. Authority and tradition in Ancient Historiography. Cambridge, Cambridge University Press.

MATTOS, Ilmar Rohloff. 2004. O tempo Saquarema. A formação do Estado Imperial. São Paulo, Hucitec.

MENDEL, Gérard. 2003. Une Histoire de l’autorité. Permanences et variations. Paris, La Découverte.

MUNSLOW, Alun. 2010. The Future of History. Londres, Palgrave Macmillan.

NIETZSCHE, Friedrich. 2005. “Segunda consideração intempestiva. Sobre a utilidade e os inconvenientes da história para a vida”. Escritos

sobre a história. Rio de Janeiro, Loyola/PUC-RJ.

PALTI, Elias. 2002. La nación como problema. Los historiadores y la “cuestión. Nacional”, Buenos Aires, Fondo de Cultura Económica.

PAYEN, Pascal. 2007. “Les Anciens en figures d’autorité”. In FOUCAULT, D. e PAYEN, P. (orgs.). Les Autorités. Dynamiques et mutations d’une figure de référence à l’Antiquité. Grenoble, Jérôme Millon, pp. 7-22.

PEREIRA, Mateus; SANTOS, Pedro Afonso Cristovão dos; e NICODEMO, Thiago Lima. 2015. “Brazilian Historical Writing in Global Perspective: On the Emergence of the Concept of ‘Historiography’”. History and Theory, 54: 84-104.

PIMENTA, João Paulo. 2015. A independência do Brasil e a experiência hispano-americana (1808-1822). São Paulo, Hucitec.

REVEAULT d’ALLONES, Myriam. 2006. Le Pouvoir des commencements. Essai sur l’autorité. Paris, Seuil.

RICŒUR, Paul. 1985. Temps et récit. III. Le Temps raconté. Paris, Seuil.

RODRIGUES, José Honório. 1969. A pesquisa histórica no Brasil. São Paulo, CEN.

SAHLINS, Marshall. 1997. Ilhas de história. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.

SCHWARCZ, Lilian Moritz. 1998. As barbas do Imperador. D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo, Companhia das Letras.

SENNETT, Richard. 1993. Authority. Nova York, Norton.

SOUSA, Octávio Tarquínio. 1944. O pensamento vivo de José Bonifácio. São Paulo, Martins.

VALÉRY, Paul. 1945. Regards sur le monde actuel. Paris, Gallimard. 1991. Variedades. São Paulo, Iluminuras.

WHITE, Hayden. 1973. The Greco-Roman Tradition. Nova York, Harper & Row.

Downloads

Publicado

2018-08-13

Como Citar

Cezar, T. (2018). O que fabrica o historiador quando faz história, hoje? Ensaio sobre a crença na história (Brasil séculos XIX-XXI). Revista De Antropologia, 61(2), 78-95. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.148933

Edição

Seção

Dossiê – Michel de Certeau [em uso]