A invenção da infância

Mudança geracional na comunidade de Feira Nova (Orobó – PE) a partir do Programa Bolsa Família

  • Patrícia Oliveira S. dos Santos Universidade Federal de Campina Grande
  • Flávia Ferreira Pires Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Crianças, Infância, mudança geracional, Programa Bolsa Família, trabalho infantil

Resumo

Na comunidade de Feira Nova, um pequeno povoado rural, pertencente à cidade de Orobó, no Agreste pernambucano, Nordeste do Brasil, há um ideal de infância que se encontra relacionado ao não trabalho, à escolarização e à ludicidade. Contudo, essa compreensão de infância não foi vivenciada pelas gerações de avós e mães das crianças da geração contemporânea. Essa negação está, sobretudo, assentada na necessidade que lhes foi imposta pelo trabalho precoce e pela ausência total ou parcial de escolarização. Diferente das predecessoras, a geração atual de crianças encontra-se determinantemente marcada pela escolarização e largamente ausente do trabalho infantil, o que vem configurando uma importante mudança na forma em que a infância é vivenciada nesse contexto. O presente texto refletirá sobre essas mudanças que reverberam em uma maior atenção para as crianças no meio rural e surgem a partir de um processo de institucionalização da infância. Esse processo ganha força a partir da implementação e efetivação de programas sociais de transferência condicionada de renda, a exemplo do Programa Bolsa Família, que nesse contexto vem mudando, entre outras coisas, o lugar de socialização das crianças rurais e as marcas geracionais da infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-08-14
Como Citar
Santos, P., & Pires, F. (2018). A invenção da infância. Revista De Antropologia, 61(2), 156-186. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.148951
Seção
Artigos