“Questão política”

Programas públicos e acusações entre mediadores

Autores

  • Monique Florencio de Aguiar Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.148953

Palavras-chave:

Programa público, acusações, questões políticas, declínio de prestígio e instabilidade política

Resumo

O comando de programas públicos por mediadores políticos os dota de recursos que podem proporcionar proeminência política – como foi apontado na literatura. No entanto, busquei demonstrar, neste artigo, como seu controle também pode gerar desqualificações por possibilitar o lançamento de acusações como forma de regular os poderes políticos e solapar lideranças em evidência. Assim, procurei acompanhar como o embate político funcionava na execução de um programa público, retratando o cotidiano da atividade mediadora durante sua execução. Manter-se na posição de maior prestígio como mediador requeria o poder de controlar as opiniões que circulam, lançando dúvidas nem sempre passíveis de comprovação. Honra e desonra correspondiam a sucessos e insucessos no controle da dúvida circulada sobre comportamentos públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monique Florencio de Aguiar, Universidade Estadual Paulista

Monique Florencio de Aguiar é graduada em Ciências Sociais, mestre e doutora em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense. Autora do livro A mediação a favor do Estado: disputas entre mediadores políticos pela aproximação com agentes estatais. Atualmente, é bolsista de pós-doutorado na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”.

Referências

ALDRIN, Philippe. 2005. “Rumeurs: Il n’y a pas que la vérité qui compte...”. Comprendre LES RUMEURS, Mensuel, n. 164.

ALDRIN, Philippe. 2011. “Rumeurs: Il n’y a pas que la vérité qui compte”. Science Humaines. DOSSIER: Qu’est-ce que la rumeur?. Disponível em: http://www.scienceshumaines.com/index.php?lg=fr&id_dossier, acesso em 05 de maio de 2014.

AUYERO, Javier. 2005. La política de los pobres. Buenos Aires, Manatial.

BAINILAGO, Louis. 2008. “Les Accusation de la sorcellerie au regard de l’anthropologie”. Revue Centre-Africaine d’Anthropologie, n. 2.

BETO, Frei. 2004. República Federativa do Brasil. Cartilha da Mobilização Social do Fome Zero.

BONHOMME, Julien. 2006. “Philippe Aldrin, sociologie politique des rumeurs”. L’Homme – Revue Française d’Anthropologie, 180.

BOURDIEU, Pierre. 2007. O poder simbólico. Lisboa/Rio de Janeiro, Difel/Bertrand Brasil.

BOURDIEU, Pierre. 2008. A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos . Porto Alegre, Zouk.

CLASTRES, Pierre. 2012. A sociedade contra o Estado. São Paulo, Cosac Naify.

DOUGLAS, Mary. 1966. Pureza e perigo. São Paulo, Perspectiva.

ELIAS, Norbert. 2000. Os estabelecidos e os outsiders – sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

FAVRET-SAADA, Jeanne. 1977. “Les Mots, la mort, les sorts”. CAIRN.INFO, 138. Disponível em: http://www.cairn.info/article_p.php?ID_ARTICLE=BISH_2009_138.

GLUCKMAN, Max. 1963. “Gossip and Scandal”. Current Anthropology, 4:307-316.

HALPERN, Catherine. 2004. “Ce que les croyances ont à nous dire”.

Sciences Humaines, n. 149, mai. Disponível em: http://www.scienceshumaines.com/articleprint2.php?lg=fr&id_article=4052, acesso em 9 de jun de 2013.

HAVILAND, J. B. 1977. “A Plea for Gossip”. Gossip, Reputation and Knowledge in Zinacantan. Chicago.

KUSCHNIR, Karina. 2000. O cotidiano da política. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

KUSCHNIR, Karina. 2001. “Trajetória, projeto e mediação na política”. In KUSCHNIR, Karina e VELHO, Gilberto (orgs.). Mediação, cultura e política. Rio de Janeiro, Aeroplano Editora.

MAQUIAVEL, Nicolau. 2014. O príncipe. Porto Alegre, L&PM.

MENDONÇA, Daniel. 2004. “Notas sobre o ‘efeito de presença’ da representação”. Revista de Sociologia e Política, n. 23: 79-87.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. S./d. Cidadania: o principal ingrediente do Fome Zero. Livreto.

NEVES, Delma Pessanha. 1997. “O processo de assentamento possível: os assentados e os mediadores institucionais”. In ______. Assentamento rural: reforma agrária em migalhas: estudo do processo de mudança da posição social de assalariados rurais para produtores agrícolas mercantis. Niterói, EDUFF.

NEVES, Delma Pessanha. 2008. Desenvolvimento social e mediadores políticos. Porto Alegre,Editora da Universidade do Rio Grande do Sul.

NICHOLAS, Ralph W. 1979. “Segmentary Factional Political Systems”. In SWARTZ, Marc J.; TURNER, Victor W.; e TUDEN, Arthur (orgs). Political Anthropology. Aldine Publishing Company.

PAINE, Robert. 1967. “What is Gossip About? An Alternative Hypothesis”. Man, 2(2):278-285.

RAINAUDI, Claude. 2005. “Rumeurs, anti-rumeur et contre-rumeur: Comment renforcer une rumeur hostile et perdre de l’argent?”. Libéralisme e demócratie: accueil. Disponível em: http://liberalisme-democraties-debat-public.com/spip.php?article9, acesso em 04 de maio de 2014.

SAHLINS, Marshall. 2004. “Homem pobre, homem rico, grande-homem, chefe: tipos políticos na Melanésia e na Polinésia”. In Cultura na prática. Rio de Janeiro, UFRJ.

SOUZA, Celina. 2006. “Políticas públicas: uma revisão da literatura”. Sociologias. (UFRGS), Porto Alegre, v. 8, n. 16: 20-45.

SOUZA LIMA, Antonio Carlos de e CASTRO, João Paulo Macedo e. 2015. “Notas para uma abordagem antropológica da(s) políticas(s) pública(s)”. Revista Anthropológicas, ano 19, 26(2): 17-54.

VELHO, Gilberto. 2001. “Biografia, trajetória e mediação”. In KUSCHNIR, Karina e VELHO, Gilberto (orgs.). Mediação, cultura e política. Rio de Janeiro, Aeroplano Editora. Jornais: UR-Gente, janeiro/2004; UR-Gente, agosto/2004; U R- Gente, novembro/2004; UR-Gente, maio/2006.

Downloads

Publicado

2018-08-13

Como Citar

Aguiar, M. F. de. (2018). “Questão política”: Programas públicos e acusações entre mediadores. Revista De Antropologia, 61(2), 124-155. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.148953

Edição

Seção

Artigos