Caçando os devoradores

Agência, “meninas indígenas” e enquadramento neocolonial

  • José Miguel Nieto Olivar Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, Departamento de Saúde, Ciclos de Vida e Sociedade
Palavras-chave: Gênero, sexualidade, violência, exploração sexual, Amazônia, fronteiras

Resumo

Este artigo é resultado de uma pesquisa antropológica sobre gênero e territórios de fronteira conduzida desde 2010 na Amazônia brasileira. Aqui me aproximo da violência através de uma análise das relações entre “indígenas” e “brancos” no enquadramento da construção de uma cidade amazônica, como expressões de políticas corporais (neo)coloniais. Focando na perspectiva de mulheres indígenas que habitam a cidade, presto atenção a seus envolvimentos conjugais, sexuais e econômicos com o “mundo dos brancos” (incluídos os corpos, a cidade e o Estado). Estes envolvimentos são entendidos em termos de agenciamentos indígenas e generificados: a capacidade dessas jovens de lidar com, resistir, sofrer e se apropriar dos bens, dos presentes e dos corpos do projeto colonial.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-03-27
Como Citar
Olivar, J. M. (2019). Caçando os devoradores. Revista De Antropologia, 62(1), 07-34. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.156129
Seção
Artigos