Medicina Anti-aging no Brasil

Controvérsias e a noção de pessoa no processo de envelhecimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.161077

Palavras-chave:

Envelhecimento, noção de pessoa, corpo, envelhecimento ativo, medicina Anti-aging

Resumo

Este artigo tem o objetivo de analisar a noção de pessoa no processo de envelhecimento. Por meio de um estudo sobre as controvérsias do desenvolvimento da Medicina Anti-aging no Brasil, o artigo explora as mudanças nas representações sobre o envelhecimento, considerando as transformações da abordagem médico-científica e a emergência do conceito de “envelhecimento ativo” como paradigma. A análise destaca as perspectivas divergentes sobre o envelhecimento observadas na pesquisa realizada com médicos praticantes da Medicina Anti-aging e médicos opositores, representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM). O texto tem como foco a relação entre a dimensão físico-biológica de envelhecer e a constituição moral da pessoa ao longo do ciclo de vida, ressaltando o conflito entre o declínio físico presumido e a noção de pessoa ocidental constituída na modernidade.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda dos Reis Rougemont, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fernanda dos Reis Rougemont é doutora em Antropologia Cultural e mestra em Sociologia e Antropologia Cultural pelo Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA/UFRJ), bacharel e licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é pesquisadora em pós-doutorado no Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais (IVIG/UFRJ).

Referências

ANTÓNIO, Manuel. 2015. Envelhecimento Ativo e o recurso à Medicina Tradicional Chinesa: entre a responsabilidade individual e os fatores sociais determinantes da saúde. Lisboa, Tese de doutorado, Universidade de Lisboa.

BOURDIEU, Pierre. 1983. “A juventude é apenas uma palavra”. In BOURDIEU, Questões de sociologia. Rio de Janeiro, Editora Marco Zero, pp. 154-161.

BOURDIEU, Pierre. 2006. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaina & FERREIRA, Marieta M. (orgs.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, pp. 183-191.

CAMARANO, Ana Amélia. 2001. O idoso brasileiro no mercado de trabalho. In: Congresso Nacional de Estudios del Trabajo - ASET, 5., 2001, Buenos Aires. Anais (online). Buenos Aires, ASET. Disponível em: <https://www.aset.org.ar/congresos/5/aset/PDF/Camarano.PDF>. Acessado em 19 de maio de 2017.

CARADEC, Vincent. 2011. “Sexagenários e octogenários diante do envelhecimento do corpo”. In: GOLDENBERG, M. (Org.), Corpo, envelhecimento e felicidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, pp. 21-44.

CENTRO INTERNACIONAL DE LONGEVIDADE BRASIL. 2015. Envelhecimento ativo:um marco político em resposta à revolução da longevidade. Rio de Janeiro, Centro Internacional de Longevidade Brasil.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. 2012a. Modulação hormonal bioidêntica e fisiologia do envelhecimento.Parecer-consulta. Relator: Conselheiro Gerson Zafalon Martins. Nº 29/12, 13 de julho de 2012.Disponível em: < http://www.portalmedico.org.br/pareceres/

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. CFM/2012/29_2012.pdf> . Acessado em: 28 de abril de 2017.2012b Resolução n° 1.999, 19 de outubro de 2012. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 19 de outubro. Seção 1: 139. Disponível em: <http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2012/1999_2012.pdf.> Acessado em: 28 de abril de 2017.

DEBERT, Guita. 2004A. reinvenção da velhice:socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo.

DEBERT, Guita. [1998] 2007 “A antropologia e os estudo dos grupos e das categorias de idade”. In: BARROS, M. L. (Org.), Velhice ou terceira idade?. Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política, 4ª ed. Rio de Janeiro, Editora FGV, pp. 47-68.

DEBERT, Guita. 2011 “Velhice e tecnologias do rejuvenescimento”. In: GOLDENBERG, M. (Org.), Corpo, envelhecimento e felicidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

DUARTE, Luiz Fernando Dias. 2003. “Indivíduo e pessoa na experiência da saúde e da doença”. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 8, n. 1, pp. 173-183.

DUMONT, Louis. [1967] 1997. Homo Hierarchicus: o sistema de castas e suas implicações. São Paulo: EDUSP.

ELIAS, Norbert. 1998. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

GEMS, David. 2011. “Tragedy and delight: the ethics of decelerated ageing”. Phil. Trans. R. Soc. B, vol. 366, n. 1561, pp. 108-112.

GOLDMAN, Marcio. 1996. “Uma categoria do pensamento antropológico: a noção de pessoa”. Revista de Antropologia, pp. 83-109.

HORIBE, Edith; HORIBE, Kose. 2010. A juventude além do tempo: os 6 pilares da saúde para deixar você mais jovem por mais tempo. São Paulo: Gente.

IBGE. 2015. Síntese de Indicadores Sociais - Uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira. Rio de Janeiro, IBGE. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv95011.pdf > Acessado em 15 de março de 2017.

INGOLD, Tim. 1999. “Three in one: on dissolving the distinctions between body, mind and culture”. The Laboratory of Comparative Human Cognition. San Diego. XMCA Research Paper Archive. Disponível em: <http://lchc.ucsd.edu/mca/Paper/ingold/ingold2.htm>. Acessado em: 10 de julho de 2018.

INGOLD, Tim. 2000. The Perception of the Environment: Essays on Livelihood, Dwelling and Skill. London, Routledge.

INGOLD, Tim; HALLAM, Elizabeth2007 “An introduction”. In INGOLD, T; HALLAM, E. (Orgs.), Creativity and cultural improvisation. Oxford, Berg, pp. 1-24.

IPEA. 2015. Boletim Mercado de Trabalho - Conjuntura e Análise nº 59. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/mercadodetrabalho/bmt_59_completo.pdf > Acessado em 10 de abril e 2017.

KAMPF, Antje; BOTELHO, Lynn. 2009. “Anti-Aging and Biomedicine: Critical Studies on the Pursuit of Maintaining, Revitalizing and Enhancing Aging Bodies”. Medicine Studies, n. 1, pp. 187–195.

KASS, Leon. 2003. “Ageless bodies, happy souls: biotechnology and the pursuit of perfection”. The New Atlantis. Disponível em: <http://www.thenewatlantis.com/docLib/TNA01-Kass.pdf>. Acesso em: 19 de julho de 2018.

KATZ, Stephen. 1995. “Imagining the life-span. From premodern miracles to postmodern fantasies.”. In FEATHERSTONE, M; WERNICK, A. (Orgs), Images of aging:cultural representation of later life. London, Routledge.

LATOUR, Bruno. 2011. Ciência em ação. São Paulo, Editora UNESP.

LATOUR, Bruno. 2012. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador, Edufba.[1999] 2004 Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. Bauru, Edusc.

LEACH, Edmund. 2010. “Dois ensaios sobre a representação simbólica do Tempo”. In: LEACH, E., Repensando a antropologia. São Paulo, Perspectiva, pp. 191-209.

LIFE, Jeffry. 2015. Slogan “I’m not against aging; I’m against getting old”. Disponível em: < https://www.facebook.com/drjlife/photos/a.341157152653325/645124678923236/?type=3&theater > Acessado em 18 de março de 2019.

LIMOEIRO, Beatrice. 2014. “Uma Sociedade para todas as idades”: Centro Dia e Centro de Convivência para idosos em Campo Grande. Rio de Janeiro, Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MAUSS, Marcel. [1938] 2003. “Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa, a de “eu”. In MAUSS, M. Sociologia e antropologia. São Paulo, Cosac Naify, pp. 367-397.

MEHLMAN, Maxwell J. et al. 2004. “Anti-aging medicine: Can consumers be better protected?”. The Gerontologist, vol. 44, n. 3: 304-310.

MINAYO, Maria Cecília; COIMBRA JR, Carlos. 2002. “Introdução”. In MINAYO, M. C; COIMBRA JR, C. (Orgs.), Antropologia, saúde e envelhecimento. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, pp. 11-24.

MYKYTYN, Courtney Everts. 2007. Executing aging:An ethnography of process and event in anti-aging medicine. Los Angeles, tese de doutorado, Universidade do Sul da Califórnia.

PEIXOTO, Clarice. [1998] 2007. “Entre o estigma e a compaixão e os termos classificatórios: velho, velhote, idoso, terceira idade....”. In: BARROS, M. L. (Org.), Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política, 4ª ed. Rio de Janeiro, Editora FGV, pp. 69-84.

QUEIROZ, Marcos. 1986. “O paradigma mecanicista da medicina ocidental moderna: uma perspectiva antropológica”. Revista de saúde pública, vol. 20, n. 4, pp. 309-317.

RABINOW, Paul; ROSE, Nikolas. 2006. “O conceito de biopoder hoje”. Política & trabalho - Revista de Ciências Sociais, vol. 24, pp. 27-57.

ROSE, Nikolas. 2011. Inventando nossos selfs: psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis, Vozes.[2006] 2013 A política da própria vida: biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo, Paulus.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. 2017. WHO Definition of Health. Disponível em: <http://www.who.int/about/definition/en/print.html>. Acessado em: 24 de abril de 2017.Recebido em 28 de julho de 2017. Aceito em 30 de abril de 2019.

Downloads

Publicado

2019-09-17

Como Citar

Rougemont, F. dos R. (2019). Medicina Anti-aging no Brasil: Controvérsias e a noção de pessoa no processo de envelhecimento. Revista De Antropologia, 62(2), 403 - 431. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.161077

Edição

Seção

Artigos