O corpo da antropóloga e os desafios da experiência próxima

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.161080

Palavras-chave:

Corporeidade, pesquisa de campo, etnografia, feminismo, fronteira

Resumo

Este artigo oferece uma reflexão sobre a centralidade do corpo da antropóloga nas pesquisas de campo e sobre como esta centralidade afeta e produz a escrita etnográfica. Busca-se problematizar os sentidos e os efeitos da corporeidade para o fazer etnográfico e mostrar que a presença corporal e material das pesquisadoras em campo produzem lugares de fala específicos, que afetam os modos de ver, fazer, pensar e escrever antropologia. Por meio de uma certa perspectiva feminista, a intenção é refletir sobre o estado de corpo etnográfico, que se deixa marcar pela sua biografia, pelos contextos históricos, pelas escolhas teóricas e pelas interações nas experiências de campo, produzindo deslocamentos, diferenciações, exclusões, justaposições dos sentidos corpóreos da antropóloga, constantemente localizados na fronteira, entre-mundos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana de Souza Nascimento, Universidade de São Paulo

Silvana de Souza Nascimento é Professora do Departamento de Antropologia da Universidade de São Paulo (USP), coordenadora do Coletivo Cóccix – Estudos do Corpo-Cidade e co-coordenadora do Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana (LabNAU) da USP. Professora colaboradora no Programa de Pós-Gradua- ção em Antropologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Referências

ABU-LUGHOD, Lila. 1991. “Writing against culture”. In: FOX, Richard G. (ed.) Recapturing Anthropology: Working in the Present.

AGIER, Michel. 2013. La Condition cosmopolitque – L ́Anthropologie à l ́épreuve du piège identitaire, Paris, La Découverte.

ALBERT, Bruce. 1995. “‘Anthropologie appliquée’ ou ‘anthropologie impliquée’? Ethnographie, minorités et développement”. In: BARÉ, Jean-François (ed.). Les Applications de l’anthropologie un essai de réflexion collective depuis la France. Paris, Karthala.

ALBUQUERQUE, Fabiana Andrade. 2017. “Meu corpo em campo: reflexões e desafios no trabalho etnográfico com imigrantes na Itália”. Cadernos De Campo(São Paulo 1991), 26(1): 309-326. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/141421.

ALMEIDA, Guilherme. 2012. “‘Homens trans’: novos matizes na aquarela das masculinidades?”. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 20, n. 2: 513-523. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2012000200012.

ANDRADE, Luma. 2012. Travestis na escola: assujeitamento e resistência à ordem normativa. Fortaleza, tese de doutorado, Universidade Federal do Ceará.

ANZALDÚA, Gloria. 2012. Borderlands/La Frontera – The New Mestiza. San Francisco, Aunt Lute Books.

BECERRA, Andrea García. 2009. “Tacones, siliconas, hormonas y otras críticas al sistema sexgénero.Feminismos y experiencias de transexuales y travestis”.Revista Colombiana de Antropología, 45 (1): 119-146.

BEHAR, R. e GORDON, D. (eds.). 1995. Women Writing Culture. Berkeley, University of California Press.

BONNETTI, Aline e FLEISCHER, Soraya. 2007. Entre jogos de cintura e saias justas – Gênero e etnografia na antropologia brasileira recente. Porto Alegre, Edunisc.

CLIFFORD, James J. 1997. Routes: Travel and Translation in the Late Twentieth Century. Cambridge, Harvard University Press.

CLIFFORD, James; MARCUS, George (eds.). 1986. Writing Culture: The Poetics and Politics of Ethnography.Berkeley, University of California Press.

COLLINS, Patricia Hill. 1986. “Learning from the Outsider Within: The Sociological Significance of Black Feminist Thought”. Social Problems, v. 33, n. 6: 14-32.

CORRÊA, Mariza. 1997. “O espartilho de minha avó: linhagens femininas na antropologia”. Horiz. antropol., Porto Alegre, v. 3, n. 7: 70-96. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-71831997000300006.

CRUZ, Fernanda Miranda da. 2018. “O adeus de Augusto: as interações entre crianças autistas e a emergência de uma pesquisadora-artista em estado de presença próxima”. Veredas Temáticas: autoetnografia em estudos da linguagem e áreas interdisciplinares, Juiz de Fora, MG, v. 22, n. 1: 130-149.

CSORDAS, Thomas. 2008. “A corporeidade como um paradigma para a Antropologia”. In: Corpo, significado, cura. Porto Alegre, Editora da UFRGS.

CSORDAS, Thomas. 2013. “Fenomenologia cultural corporeidade: agência, diferença sexual, e doença”. Educação (Porto Alegre, impresso), v. 36, n. 3: 292-305, set./dez.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. [1997] 2017. Mil platôs. Vol. 4, São Paulo, Editora 34.

DELIGNGY, Fernand. 2015. O aracniano e outros textos, São Paulo, n-1.

DESPRET, Viviane e STENGERS, Isabelle. 2011. Les Faiseuses d ́histoires – que font les femmes à la penser? Paris, La Découverte.

FAVRET-SAADA, Jeanne. 2005. “Ser afetado”. Tradução de Paula Siqueira. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 13(13): 155-161. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v13i13p155-161

FERREIRA, Paulo Rogers. 2008. Os afectos mal-ditos: o indizível nas sociedades camponesas. São Paulo, Editora Hucitec/ Anpocs.

FREITAS, Caroline; PANNAIN, Rafaela; GIMENEZ, Heloisa; IAMAMOTO, Sue; e AMARAL, Aiko. 2017. “Campo, gênero e academia: notas sobre a experiência de cinco mulheres brasileiras na Bolívia”. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 26(1): 348-369.

GOLDE, P. (ed.). 1986. Women in the Field: Anthropological Experiences.Berkeley, University of California Press.

GEERTZ, Clifford. 1974. “From the Native’s Point of View”: On the Nature ofAnthropological Understanding”. Bulletin of the AmericanAcademy of Arts and Sciences, v. 28, n. 1: 26-45.

HARAWAY, Donna. 1995. “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. Cadernos Pagu, (5), 7-41.

HARAWAY, Donna. 2000. “Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX”. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org.). Antropologia do ciborgue – vertigens do pós-humano. Belo Horizonte, Autêntica.

HOOKS, bell. 1984. From Margin to the Center. Boston, South end Press.

HOOKS, bell. 1995. “Intelectuais negras”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2: 464-478.

INGOLD, Tim. 2015. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis, Editora Vozes.

JESUS, Jacqueline Gomes (org.). 2015. Transfeminismo: teorias e práticas. Rio de Janeiro, Metanoia.

JUNGMANSE, D. G. e GULKINDIEDS, P. C. W. (eds.). 1967. Anthropologists in the Field. New York, Humanities Press.

KULICK, Don e WILLSON, Margaret (eds.). 1995. Taboo: Sex, Identity, and Erotic Subjectivity in Anthropological Fieldwork. London e Nova York, Routledge.

LAMPHERE, L. (ed.). 1974. Woman, culture and society. Stanford, Stanford University Press.

LANZ, Leticia. 2014. O corpo da roupa. A pessoa transgênera entre a transgressão e a conformidade com as normas de gênero. Curitiba, dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná.

LE BRETON, David. 2012. Antropologia do corpo e da modernidade. Petrópolis, Editora Vozes.

MARCUS, George. 1995. “Ethnography in/of the World System: The Emergence of Multi-Sited Ethnopgraphy”. Annual of Review of Anthropology, v. 24: 95-117.

MARIANO, Esmeralda. 2017. “Ser antropóloga entre local e global”. Revista De Antropologia, 60(3): 65-88. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2017.141649

MATEBENI, Zethu. 2017. “Perspectivas do Sul sobre relações de gênero e sexualidades: uma intervenção queer”. Revista De Antropologia, 60(3): 26-44. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2017.141826

MERLEAU-PONTY, Maurice. 2003. Fenomenologia da percepção. São Paulo, Martins Fontes.

MISSÉ, Miquel e COLL-PLANAS, Gerard (eds.). 2010. El género desordenado. Críticas en torno a la patologización de la transexualidad. Barcelona y Madrid, Egales.

MOIRA, Amara. 2016. E se eu fosse puta. São Paulo, Hoo Editora.

MOMBAÇA, Jota. 2017. “Notas estratégicas quanto aos usos políticos do conceito de lugar de fala”. Disponível em: <<http://www.buala.org/pt/corpo/notas-estrategicas-quanto-aos-usos-politicos-do-conceito-de-lugar-de-fala>>. Acesso em 08 jun. 2019.

MORENO, Eva. 1995. “Rape in the Field - Reflections from a Survivor”. In: KULICK, Don and WILLSON, Margaret (eds.). Taboo. Sex, Identity and Erotic Subjectivity in Anthropological Fieldwork. London and New York, Routledge.

MOUTINHO, Laura. 2015. “The other side? Das implicações morais de certos horizontes imaginativos na África do Sul”. Anuário Antropológico, 40(2), 77-97.

NASCIMENTO, Silvana. 2008. Faculdades femininas e saberes rurais. Uma etnografia sobre gênero e sociabilidade no interior de Goiás. São Paulo, FFLCH/USP, Produção Acadêmica Premiada. Disponível em: <<http://spap.fflch.usp.br/sites/spap.fflch.usp.br/files/DA_SILVANA_INTEGRAL.PDF>>

NASCIMENTO, Silvana. 2012. “Homem com homem, mulher com mulher: paródias sertanejas no interior de Goiás”. Cadernos Pagu, (39): 367-402, Campinas.

NASCIMENTO, Silvana. 2014. “Variações do feminino: circuitos do universo trans na Paraíba”. Revista De Antropologia, 57(2): 377-411. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2014.89117

NERY, João. 2011. Viagem solitária: memórias de um transexual 30 anos depois. São Paulo, Leya.

OLIVAR, José Miguel. 2019 “Caçando os devoradores”. Revista de Antropologia, 62(1): 07-34. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.156129

OLIVEIRA, Thiago. 2017. Sobre o desejo nômade – pessoa, corpo, cidade e diferença no universo da pegação. Rio de Janeiro, Margem.

PEIRANO, Marisa. 1995. A favor da etnografia. Rio de Janeiro, Relume Dumará.

PEIRANO, Marisa. 2008. “Etnografia ou a teoria vivida”. Ponto.Urbe (Online), n.2,São Paulo: Núcleo de Antropologia Urbana/Nau. DOI : 10.4000/pontourbe.1890.

RIBEIRO, Djamila. 2017. O que é lugar de fala?Belo Horizonte, Letramento/Justificando.

SILVA, Dayane Karoline Fernandes. 2019. Fala Guerreira: imagens e narrativas de mulheres periféricas na cidade de São Paulo. Guarulhos, dissertação de mestrado em Ciências Sociais, Unifesp.

STACEY, Judith. 1988. “Can There Be a Feminist Ethnography?” Women and Performance, v. 5, n. 1: 7-27.

STRATHERN, Marilyn. 2014. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo, Cosac Naify.

STRATHERN, M. e MacCORMACK, C. P. (eds.). 1980. Nature, Culture and Gender. Cambridge, Cambridge University Press.

VERGUEIRO, Viviane. 2015. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Salvador, dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia.

WACQUANT, Loïc. 2002. Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro, Relume Dumará.Recebido em 26 de dezembro de 2017. Aceito em 12 de junho de 2019.

Publicado

2019-09-17

Como Citar

Nascimento, S. de S. (2019). O corpo da antropóloga e os desafios da experiência próxima. Revista De Antropologia, 62(2), 459 - 484. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.161080

Edição

Seção

Artigos