Identidade e representação no bolsonarismo

Corpo digital do rei, bivalência conservadorismo-neoliberalismo e pessoa fractal

Palavras-chave: Cibernética, populismo, identidade, representação, bolsonarismo

Resumo

Este artigo aborda a profunda reorganização do campo político-identitário no Brasil, que vinha sendo avançada gradualmente através de redes sociais, mas que ganhou força e projeção repentinas com a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018. Partindo de uma perspectiva cibernética inspirada em Gregory Bateson, explora alguns dos dilemas emergentes que a digitalização da política tem colocado para a dupla problemática da identidade e representação na antropologia, a partir de três ângulos: representação populista e formação do “corpo digital do rei”; bivalência reconhecimento-redistribuição; e formação fractal de identidades por meio de mídias digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-12-19
Como Citar
Cesarino, Letícia. 2019. Identidade E Representação No Bolsonarismo. Revista De Antropologia 62 (3), 530 -57. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.165232.
Seção
Artigos