Empoderamentos múltiplos de mulheres muçulmanas em espaços públicos na França e no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2020.168619

Palavras-chave:

Mulheres muçulmanas, Islam, Empoderamentos

Resumo

O seguinte artigo tem como objetivo contribuir, ainda que de modo preliminar, para a ampliação das discussões acerca de Religião, Gênero e Espaço Público de modo geral e, especialmente, as formas de configuração da religião islâmica na contemporaneidade. Assim, aproximaremo-nos de dois cenários: os espaços públicos francês e brasileiro; e nos atentaremos aos "como" as mulheres muçulmanas, em diferentes contextos (inter) nacionais, ocupam, constroem e produzem seus lugares sociais no espaço público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francirosy Campos Barbosa, Universidade de São Paulo

Francirosy Campos Barbosa é antropóloga, docente no Departamento de Psicologia da FFCLRP/USP desde 2010, em Antropologia em 2001, Doutorado em Antropologia pela USP em 2007, Prodoc pelo IA Unicamp de 2008-2010, pós-doutorado pela Universidade de Oxford em 2016, Livre Docente pelo Departamento de Psicologia em 2018. Coordenadora do GRACIAS – Grupo de Antropologia em Contextos Islâmicos e Árabes. Uma das editoras da Revista GIS – Gesto, Imagem e Som/Revista de Antropologia. Atua em área relacionadas à Antropologia da Religião (Islam), Imagem, Performances, mulheres muçulmanas, teologia islâmica, gênero, Pesquisadora do GRAVI, NAPEDRA, CERNE, bolsista produtividade CNPq/2.

Luana Baumann Lima, Universidade de São Paulo

Luana Baumann Lima é Graduada em Ciências Sociais pela Unicamp em 2009, Especialização em Ciências Humanas pelo Instituto Tecnológico de Monterrey (2011). Especialização em Estudos Árabes pela Université Sorbonne Nouvelle Paris III (2013). Mestre em Psicologia pela FFCLRP/USP em 2018. Pesquisadora do GRACIAS – Grupo de Antropologia em Contextos Islâmicos e Árabes desde 2011. Atua em áreas relacionadas a Islam e gênero.

Referências

ABU-LUGHOD, Lila. 2013. Do Muslim Women Need Saving?Harvard University Press.

AHMED, Leila. 1992. Women and Gender in Islam: Historical Roots of a Modern Debate.. New Haven: Yale University Press.

ALI, Kecia. 2016. Sexual Ethics and Islam. Feminist Reflections on Qur’an, Hadith and Jurisprudence. Oneworld.

AL-SHENA, Abdul-Rahman. s/d. Los derechos humanos en el Islam: y loserrors de concepto más communes.Al-Homaidhi P.Press.

ASAD, Talal. 1993. Genealogies of Religion. Discipline and Research of Power in Christianity and Islam. Baltimore/London: John Hopkins University Press.

BARBOSA-FERREIRA, F. C. 2001. Imagem oculta – reflexões sobre a relação dos muçulmanos com as imagens fotográficas. 156f. São Paulo, Dissertação de Mestrado, , Universidade de São Paulo.

BARBOSA-FERREIRA, F. C.2007. Entre Arabescos, Luas e Tâmaras: performances islâmicas em São Paulo. PPGAS, USP.

BARBOSA-FERREIRA, F. C. 2013. “Diálogos sobre o uso do véu (hijab): empoderamento, identidade e religiosidade”. Araraquara: Perspectiva, v.13: 183-198.

BARLAS, Asma. Globalização da igualdade: a mulher muçulmana, teologia e feminismos. Disponível em: http://www.fumec.br/revistas/meritum/article/view/1204. Acesso em 10 de 02 de 2020.

BARNETT, Laura. 2011. Liberté de religion et signes religieux dans l’espace public. Publications courantes: Droit et justice. Publications de Recherche de la Bibliothèque du Parlament. Disponivel em http://www.bdp.parl.gc.ca/Content/LOP/ResearchPublications/2011-60-f.htm. Acesso em 10 de janeiro de 2017.

BIRMAN, Patricia. 2003. Religião e Espaço Público. São Paulo: Attar Editorial,2003.

BORGHÉE, M. 2012. Voile intégral en France – sociologie d’un paradoxe, Paris, Michalon.

BRUSTLEIN, Violette & WANIEZ, Philippe. 2001. ”Os muçulmanos no Brasil: elementos para uma geografia social”. ALCEU, v.1, n.2: pg 155 a 180.

DELTOMBE, T. 2005. L’Islam imaginaire. La construction médiatique de l’islamophobie en France. Paris, La Découverte, 2013 “La “nouvelle laïcité” est une arme d’exclusion raciste, autoritaire et rétrograde.” Entretien autour de L’islam imaginaire. Revue Jibrile, propos recueillis par Frédéric SAENEN. Disponivel em http://www.revuejibrile.com/JIBRILE/PDF/DELTOMBE.pdf. Acesso em 13 de fevereiro de 2017.

FRASER, Nancy. 1997. “Rethinking the public sphere: A contribution to the critique of actually existing democracy”. In: CALHOUN, Craig (Org.) – Habermas and the public sphere, Massachussets, MIT.

GEERTZ, Clifford. 1989. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar

GIUBELLI, Emerson. 2008. “A presença do religioso no Espaço Público: modalidades no Brasil.” Religião e Sociedade, v. 28, n.2: 80-100.

HABERMAS, Jünger. 2003. Mudança estrutural na esfera pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

HABERMAS, Jünger. 2007. Entre Naturalismo e Religião. Estudos Filosóficos. São Paulo: Tempo Brasileiro.

HAMID, Sonia. 2012. (Des)Integrando Refugiados: Os Processos do Reassentamento de Palestinos no Brasil. Brasília, tese de doutorado, Universidade de Brasília.

HAMIDI, Malika. 2014. Le foulard islamique à la croisée d’enjeux socio-Politique. Les Cahiers de l’Islam.

HERVIEU-LÉGER, Danièle. 2000. “Le miroir de l’islam en France”. Vingtième Siècle, revue d’histoire, n.66: 79-89.

ISBELLE, Munzer. s/d. Ensinamentos Islâmicos para uma vida a dois. Ed. Azzan.

KERROU, Mohamed. 2001. Hijab, Nouveaux voiles et espaces publics. Cérès Editions, Collection : D’islam et d’Ailleurs.

LATOUR, Bruno. 2012. Reagregando o Social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. Salvador-Bauru: EDUFBA-EDUSC.

LOURO, Guacira Lopes. 2004. Um corpo estranho : ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica.

MAHMOOD, Saba. 2009. Politique de la piété. Le féminisme à l’épreuve du renouveau islamique, La Découverte, coll. « textes à l’appui ».

MEMMI, Albert. 2004. Portrait du décolonisé arabo-musulman et de quelques autres. Paris, Éditions Gallimard.

MONTENEGRO, Silvia. 2002. “Discursos e contradiscursos: o olhar da mídia sobre o islã no Brasil.” Mana,v.8, n.1:63-91.

MONTERO, Paula. 2009. “Secularização e espaço público: a reinvenção do pluralismo religioso no Brasil”. Revista Etnográfica, v. 13, n. 1: 7-16.

PASQUALIN, Flávia,A. 2018. O (des)encanto do casamento intercultural: brasileiras casadas com muçulmanos estrangeiros. São Paulo, tese de doutorado, Universidade de São Paulo.

PRECIADO, Paul B. 2014. “Entrevista a Jesús Carrillo”.Cadernos Pagu. v.28: 375-405.

SAYYID, Salman. 2014. Islamic Human Rights Comission - Institutional Islamophobia Conference.

TASINI, Diana. 2014. “Le voile des femmes arabes, point de division entre espace public et religiosité”. Philonsorbonne, v.8: 189-199.

TÉVANIAN, Pierre. 2013. Chroniques du racisme républicain. Éditions Syllepse.

THOMPSON, John B. 2002. Ideologia e cultura da modernidade: Teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. 6 ed. Rio de Janeiro: Vozes.

TISSOT, Sylvie. 2011. “Excluding Muslim Women: FromHijab to Niqab, from School to Public Space”.Public Culture, v.22, n.4: 39-46.

TOMASSI, Bianca. 2011. “Assalamu Aleikum Favela”: a performance islâmica no movimento hip hop das periferias do abcd e de SãoSaulo. Campinas, dissertação a, Universidade Estadual de Campinas.

ZIBOUH, Fatima. 2010. Le Féminisme à l’épreuve du débat postcolonial. La Reveu Nouvelle, 2010 Disponivel em https://www.academia.edu/550208/Le_f%C3%A9minisme_%C3%A0_l% C3%A9preuve_du_d%C3%A9bat_postcolonial. Acesso em 10 de janeiro de 2017.

WOLTON, D. 1995 “As contradições do espaço público midiatizado”. Revista de Comunicação & Linguagens, n. 21-22: 167-188.

Downloads

Publicado

2020-04-09

Como Citar

Barbosa, F. C., & Lima, L. B. (2020). Empoderamentos múltiplos de mulheres muçulmanas em espaços públicos na França e no Brasil. Revista De Antropologia, 63(1), 59 - 82. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2020.168619

Edição

Seção

Artigos