Uso de drogas: a alter-ação como evento

Autores

  • Eduardo Viana Vargas UFMG

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0034-77012006000200003

Palavras-chave:

drogas, medicamentos, evento, ação, Gabriel Tarde

Resumo

Este artigo problematiza o elenco de questões e de respostas que costumamos formular a respeito dos usos de drogas e propõe outro modo de pensar essas práticas. Sugere-se que já não é mais suficiente indagar "por que as pessoas usam drogas?" e "qual o significado do uso de drogas?", nem se contentar com as respostas que são apresentadas quando essas questões são colocadas, pois elas costumam concluir pelo "erro", pela "falta" ou pela "fraqueza". Propõem-se, então, outras questões: "o que ocorre em práticas como essas?", "que experiência usuários e substâncias realizam?". Conseqüentemente, propõem-se também outras respostas. Estas novas respostas apontam para a existência de eventos - as 'ondas' das drogas - que envolvem agenciamentos paradoxais de auto-abandono. Propõe-se que o evento 'onda' não resulta de fantasias subjetivas dos usuários, nem de determinações objetivas da substância, mas exige modalidades de (in)ação como aquelas presentes no paradoxo da paixão e nos jogos profundos. Sustenta-se que o evento 'onda' envolve modos singulares de engajamento no mundo, nos quais as substâncias são mediadores indispensáveis. Por fim, sugere-se que, em vez de se indagar quem controla a 'onda', cabe perguntar se ela ocorre ou não, ou, baseado em Gabriel Tarde, se há ou não alter-ação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-01-01

Como Citar

Vargas, E. V. (2006). Uso de drogas: a alter-ação como evento . Revista De Antropologia, 49(2), 581-623. https://doi.org/10.1590/S0034-77012006000200003

Edição

Seção

Artigos