“O Apache era o meu reverso” Entrevista com Roy Wagner

  • Florencia Ferrari Universidade de São Paulo
  • Iracema Dulley
  • Jamille Pinheiro Universidade de São Paulo
  • Luísa Valentini Universidadede São Paulo
  • Renato Sztutman Universidadede São Paulo
  • Stelio Marras Universidadede São Paulo

Resumo

Agosto de 2011 foi um mês memorável para a antropologia brasileira. Seis diferentes universidades, espalhadas por todo o país, receberam o antropólogo norte-americano Roy Wagner. Passando por Belo Horizonte, Manaus, Florianópolis, Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo, Wagner realizou conferências sobre temas variados e participou de debates, alguns deles contando com a presença de índios brasileiros. Na UFAM, em Manaus, integrou uma mesa com três intelectuais indígenas: Bonifácio Baniwa, João Paulo Tukano e Higino Tuyuka, todos eles habitantes do alto Rio Negro. No Museu Nacional, no Rio de Janeiro, participou de um debate com Davi Kopenawa Yanomami e Maurício Ye’cuana, ambos da organização Hutukara (Roraima).1 Nas duas ocasiões, Wagner teve a oportunidade de discutir aspectos fundamentais das cosmologias indígenas ao abordar temas como mitologia e xamanismo, fazendo jus ao caráter dialógico que povoa seus escritos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Florencia Ferrari, Universidade de São Paulo
Graduada em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1997), defendeu o mestrado em Antropologia Social com a dissertação Um olhar oblíquo contribuições sobre o imaginário ocidental sobre o cigano (USP, 2002) e o doutorado em junho de 2010 com a tese O mundo passa uma etnografia dos ciganos Calon e suas relações com os brasileiros , no mesmo departamento com bolsa da Fapesp e bolsa sanduíche no Department of Anthropology do University College of London, na posição de Honorary Research Assistant de março de 2008 a agosto de 2009, coberto pela Bolsa Alban e pela Fapesp. É membro do corpo editorial da Revista Sexta Feira - antropologia artes e humanidades e coordenadora editorial de antropologia na Cosac Naify, onde editou autores clássicos como Marcel Mauss, Pierre Clastres e Lévi-Strauss, e contemporâneos como Eduardo Viveiros de Castro, Manuela Carneiro da Cunha e Roy Wagner. Publicou o livro Palavra cigana - seis contos nômades (Cosac Naify, 2005), com o qual recebeu o prêmio Figueiredo Pimentel de Melhor livro reconto de 2005, da Fundação Nacional do Livro Infanto-Juvenil.
Publicado
2012-08-24
Como Citar
Ferrari, F., Dulley, I., Pinheiro, J., Valentini, L., Sztutman, R., & Marras, S. (2012). “O Apache era o meu reverso” Entrevista com Roy Wagner. Revista De Antropologia, 54(2). https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2011.39652
Seção
Seção Especial