Etnografias sobre humanos e não humanos: limites e possibilidades

  • Eliane Sebeika Rapchan Universidade de São Paulo
  • Walter Neves Alves Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Antropomorfização, coletivos humanos e animais, culturas de chimpanzés, etnoprimatologia, objetividade, subjetividade.

Resumo

O texto é uma análise sobre os limites e as possibilidades do uso do método etnográfico nas pesquisas com ênfase em comportamento de chimpanzés. Para fazer isso, nós primeiro apresentamos algumas considerações sobre a ideia de “cultura” usada na primatologia e então fizemos comparações entre essas primeiras e as concepções contemporâneas de cultura usadas na antropologia sociocultural. A seguir, analisamos os contextos de pesquisa nos quais os primatólogos afirmam a existência de “culturas de chimpanzés”, as relações de objetividade, de subjetividade e de antropomorfismo na pesquisa primatológicas com ênfase em comportamento. Por fim, nós avaliamos as proposições baseadas na viabilidade da produção de conhecimento sobre os coletivos formados por humanos e animais não humanos considerando as perspectivas da antropologia sociocultural e da primatologia e enfatizando a etnografia e a etnoprimatologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-11-11
Como Citar
Rapchan, E., & Alves, W. (2014). Etnografias sobre humanos e não humanos: limites e possibilidades. Revista De Antropologia, 57(1), 33-84. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2014.87750
Seção
Artigos