O constrangimento da forma: transformação e (anti-)hibridez entre os Karajá de Buridina (Aruanã - GO)

  • Eduardo Soares Nunes Universidade de Brasília
Palavras-chave: Karajá, transformação, hibridez, mistura, perspectiva.

Resumo

Este artigo explora dois contextos de produção das pessoas misturadas dos Karajá de Buridina, pessoas internamente repartidas entre uma “metade indígena” e uma “metade não indígena”. Nesses dois contextos, o artesanato e a pesca, elementos indígenas e não indígenas se fazem simultaneamente presentes, mas, dependendo de qual aspecto os Karajá enfocam, ou seja, dependendo de qual relação é ativada, e de que maneira, cada ação evidencia um conjunto específico de disposições corporais, karajá ou brancas. Esses indígenas reconhecem muitas rupturas em relação ao modo de vida dos antigos, mas como, sob que forma, essas transformações aparecem para eles? Meu argumento, nesse artigo, é que elas não aparecem como uma nova forma de vida karajá, mas como a coexistência de duas formas de vida, uma indígena e outra branca. A mistura, para os Karajá, é uma forma de relação que não gera híbridos. Concluo fazendo alguns comentários sobre o caráter totalizante da transformação. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-11-11
Como Citar
Nunes, E. (2014). O constrangimento da forma: transformação e (anti-)hibridez entre os Karajá de Buridina (Aruanã - GO). Revista De Antropologia, 57(1), 303-345. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2014.87762
Seção
Artigos