Uma etnografia do galanteio nos terrenos da ficção: afinidades eletivas entre antropologia e literatura

  • Alessandra El Far Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Antropologia e literatura, etnografia, discurso social, subjetividade, namoro, século XIX, A Moreninha (1844).

Resumo

Este artigo tem por principal objetivo discutir algumas afinidades entre antropologia e literatura. Para isso, o romance A Moreninha (1844), de Joaquim Manuel de Macedo, é recuperado com o propósito de mostrar como certas obras literárias podem ser lidas, para além de seu carácter ficcional, como etnografias da vida social. Essa história de amor não apenas discorre sobre os ideais românticos de um jovem casal. Ela também oferece aos seus leitores um quadro dinâmico no qual é possível identificar as tensões, disputas e os valores compartilhados em torno do casamento por um grupo seleto de moças e rapazes advindos da elite urbana do Brasil imperial. Por fim, esse artigo elucida, igualmente, a maneira pela qual alguns antropólogos tomaram de empréstimo a narrativa literária para reconhecer na monografia nascida do trabalho de campo um discurso subjetivo sobre realidade. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-11-11
Como Citar
El Far, A. (2014). Uma etnografia do galanteio nos terrenos da ficção: afinidades eletivas entre antropologia e literatura. Revista De Antropologia, 57(1), 393-422. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2014.87764
Seção
Artigos