[1]
G. Santos, “A DÍZIMA DA ALFÂNDEGA DA BAHIA: ESTABELECIMENTO, FORMA E CONFLITOS (1711-1720”), Angelus Novus (São Paulo), vol. 13, nº 13, p. 93-113, abr. 2019.