Do padrão do gosto em Hume: a crítica e a racionalidade

Autores

  • Andrea Cachel Doutoranda em Filosofia pela FFLCH-USP

Resumo

Hume mostra, no ensaio Do padrão do gosto, como, a despeito da diversidade própria do gosto, é possível estabelecer um padrão universal nesse âmbito, assentado não no objeto, mas na própria natureza humana. Aponta, contudo, que a descoberta desse padrão decorre da experiência, em especial, da pertinente à própria prática da crítica estética. Parece estabelecer, assim, o refinamento como itemessencial não apenas da descoberta do padrão de gosto,mas também como integrante da sua própria constituição. Nossa intenção é, nesse contexto, é investigar o papel, na filosofia humeana, da regulação no estabelecimento de um princípio universal para o gosto, além de apontar, por fim, algumas conseqüências dessa temática para a análise da possibilidade de se estabelecer um padrão de racionalidade em uma filosofia que dissocia a razão experimental da razão demonstrativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-12-12

Como Citar

Cachel, A. (2018). Do padrão do gosto em Hume: a crítica e a racionalidade. Rapsódia, (4), 51-64. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/rapsodia/article/view/152636

Edição

Seção

Resenhas