Ginástica artística masculina: é sistemático o uso das superfícies elásticas no processo de treinamento?

  • Marco Antonio Coelho BORTOLETO Universidade Estadual de Campinas; Faculdade de Educação Física
  • Tiago Furtado COELHO Universidade Estadual de Campinas; Faculdade de Educação Física

Resumo

Em alguns esportes, o espaço de jogo representa o componente sistêmico de maior relevância: esse é o caso da Ginástica Artística (GA). Desse modo, quando nos empenhamos em compreender a lógica interna dessa modalidade precisamos dedicar especial atenção à relação ginasta-aparelho. Observamos uma mudança no paradigma de treinamento em que o uso das Superfícies Elásticas constitui um componente essencial, visando atender às características contemporâneas desse esporte, como a hipervalorização das acrobacias e a maior presença dos elementos ginásticos com “fase aérea”. Nessa oportunidade, analisamos, a partir de estudo de caso de um ginásio de treinamento de alto rendimento de Ginástica Artística Masculina, o emprego de diferentes Superfícies Elásticas (SpE) na preparação dos ginastas. Embora os treinadores reconheçam o papel fundamental das SpE para o desenvolvimento dos ginastas, seu uso cotidiano ainda é restrito a poucos equipamentos e realizado de modo assistemático. Essas dificuldades se devem principalmente à ausência de programas formativos que desenvolvam metodologias específicas e à inexistência de fornecedores de equipamentos nacionais com qualidade certificada pela Federação Internacional de Ginástica.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-03-01
Como Citar
BORTOLETO, M., & COELHO, T. (2016). Ginástica artística masculina: é sistemático o uso das superfícies elásticas no processo de treinamento? . Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 30(1), 51-59. https://doi.org/10.1590/1807-55092016000100051
Seção
Biodinâmica