Estudo das zonas e eficácia da recepção em função do jogador recebedor no voleibol sênior feminino

Autores

  • Nuno Maia Universidade do Porto; Faculdade de Desporto
  • Isabel Mesquita Universidade do Porto; Faculdade de Desporto

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1807-55092006000400004

Palavras-chave:

Voleibol, Análise do jogo, Recepção do saque, Líbero, Recebedores prioritários

Resumo

O presente estudo pretendeu comparar a intervenção do Jogador Líbero e dos Recebedores Prioritários, ao nível da eficácia e das zonas de recepção do saque, bem como associar as zonas de recepção com a eficácia da recepção, no Voleibol Feminino Sênior. A amostra consistiu em 683 ações de recepção, retiradas dos seis jogos realizados pelas equipes participantes na Poule I de apuramento para o campeonato da Europa de 2005 de Voleibol feminino no escalão sênior B (Bielorússia, Hungria, Portugal e Dinamarca). A recolha de dados foi realizada através da gravação em sistema audiovisual, sendo posteriormente digitalizadas as imagens para se controlar o rigor e precisão da observação. Os procedimentos estatísticos basearam-se na análise descritiva e inferencial, pela aplicação do teste de qui-quadrado, na comparação entre grupos (jogador recebedor) e associação entre variáveis (zona e eficácia da recepção) e na análise de correspondências simples (ANACOR). As observações cumpriram os requisitos de fiabilidade para serem utilizadas como ferramenta científica, tanto pela percentagem de acordos, como pela estatística Kappa de Cohen. O presente estudo não confirmou a influência do Líbero no incremento da eficácia da recepção comparativamente a cada um dos Recebedores Prioritários e nem sequer destes em relação aos outros jogadores não especialistas. O Líbero recebe significativamente mais em Z6 e os Recebedores Prioritários em Z5. Não se registraram associações significativas entre as zonas de intervenção e a eficácia da recepção, podendo-se dever mais ao modelo topográfico utilizado, do que à possibilidade da zona de recepção não interferir com a eficácia da recepção. Porquanto, a divisão regulamentar do terreno de jogo em seis zonas, por não espelhar a funcionalidade do jogo, pode constituir um modelo inapropriado de avaliação, devendo ser confirmado em posteriores estudos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-12-01

Como Citar

Maia, N., & Mesquita, I. (2006). Estudo das zonas e eficácia da recepção em função do jogador recebedor no voleibol sênior feminino . Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 20(4), 257-270. https://doi.org/10.1590/S1807-55092006000400004

Edição

Seção

naodefinida