Assessorias esportivas e prática de corrida de rua

avaliação do cenário na cidade de São Paulo

  • Marino Benetti
  • Ana Paula Sierra
  • Maria Augusta Peduti Dal'Molin Kiss
  • Ary José Rocco Junior
  • Flávia Cunha Bastos
Palavras-chave: Corrida, Grupos de corrida, Atividade física, Treinador

Resumo

O presente estudo teve como objetivo avaliar o perfil das assessorias esportivas e treinadores de corrida de rua que atuam nas áreas comuns do campus Butantã da Universidade de São Paulo e, a partir da análise do crescimento deste segmento, estabelecer uma relação com o crescimento da corrida de rua em São Paulo. Trata-se de estudo exploratório de caráter quantitativo. Os dados foram coletados junto aos responsáveis ​​pelas assessorias esportivas e os treinadores que realizam treinamento no campus Butantã da Universidade de São Paulo. O instrumento incluiu questões sobre o perfil e fatores demográficos. Os resultados demonstram que, desde 1979, 100 profissionais começaram a trabalhar no campus da USP, e que, a partir de 1983, as assessorias esportivas começaram a surgir. Os profissionais são, predominantemente, do sexo masculino, com idade média de 39 anos, e, trabalham com corrida de rua em média há 12 anos. Quanto à escolaridade, 3% têm mestrado, 76% especializações diversas e 21% graduação. Sobre as assessorias, os dados revelam a heterogeneidade entre essas empresas que foram constituídas nos últimos 30 anos. As assessorias esportivas foram classificadas em 4 grupos de acordo com seu tamanho (número de corredores). Para análise das empresas, foi realizada uma comparação entre os grupos. Diversas variáveis apresentam diferenças significativas entre pelo menos dois Grupos (p <0,001), e o Grupo 4 da amostra foi o grupo dicotômico e mais distante, com características estruturais próprias, em comparação com os outros três. Com base nos resultados, foi possível concluir que há um crescimento constante e diversificação na prestação de serviços das assessorias de corrida no mercado nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Salgado JVV, Chacon-Mikahil M. Corrida de rua: análise do crescimento do número de provas e de praticantes. Conexões. 2006;4(1):90-9.

Aagaard P, Sahlen A, Braunschweig F. Performance trends and cardiac biomarkers in a 30-km cross-country race, 1993-2007. Med Sci Sports Exercise. 2012;44(5):894-9.

Burfoot A. The history of the marathon: 1976-present. Sports Med. 2007;37(4-5):284-7.

Zingg MA, Knechtle B, Rüst CA, Rosemann T, Lepers R. Analysis of participation and performance in athletes by age group in ultramarathons of more than 200 km in length. Int J Gen Med. 2013;6:209-20.

Jürgens D, Knechtle B, Rüst CA, Knechtle P, Rosemann T, Lepers R. An analysis of participation and performance by nationality at ‘Ironman Switzerland’ from 1995 to 2011. J Sci Cycling. 2012;1(2):10-20.

Sierra AP, Benetti M, Ghorayeb N, Sierra C, Bastos FC, Rocco-Junior A, et al. Analysis of participation and performance in half marathon runners. J Sports Sci. 2015;3(2):96-104.

Santos ES. Reflexões sobre a utilização de espaços públicos para o lazer esportivo. Rev Raega. 2006;(11):25-33.

Fonseca TZ. Corrida de rua: o aumento do número de praticantes migrando para maratonas. Rev Digital EFDeportes. 2012; 16(164):1-6.

Silva MS, Sousa MS. O papel das assessorias esportivas no crescimento das corridas de rua no Brasil. FIEP Bulletin. 2013;83(1):1-8.

Palhares JM, Benetti M, Mazzei LC, Bastos FC. Perfil e preferências de praticantes de corrida de rua: um estudo preliminar. Rev Mineira Educacao Fisica. 2012;1(1):1664-73.

Nunomura M. Motivos de adesão à atividade física em função das variáveis idade, sexo, grau de instrução e tempo de permanência. Rev Bras Atividade Fisica Saude. 1998;3(3):45-58.

Truccolo AB, Maduro PA, Feijó EA. Fatores motivacionais de adesão a grupos de corrida. Motriz. 2008;14(2):108-14.

Jokl P, Sethi PM, Cooper AJ. Master’s performance in the New York City Marathon 1983-1999. Br J Sports Med. 2004;38(4):408-12.

Carter AD, Bloom GA. Coaching knowledge and success: going beyond athletic experiences – ProQuest. J Sport Behavior. 2009;32(4):419-37.

De Marco GM, McCullick BA. Developing expertise in coaching: learning from the legends. J Physical Education Recreation Dance. 1997;68(3):37-41.

Côté J, Salmela J, Trudel P, Baria A, Russel S. The coaching model: a grounded assessment of expert gymnastic coaches’ knowledge. J Sport Exercise Psychol. 1995;17(1):1-17.

Erickson K, Côté J, Fraser-Thomas J. Sport experiences, milestones, and educational activities associated with high-performance coaches’ development. Sport Psychol. 2007;21(3):302-16.

Blumenstein B, Orbach I, Bar-Eli M, Dreshman R, Weinstein Y. High-level coaches’ perceptions of their professional knowledge, skills, and characteristics. Sport Sci Review. 2012;21(5-6):5-27.

Mallett C, Lynch M. Becoming a successful high performance track and field coach. Modern Athlete Coach. 2006;44(2):15-20.

Gilbert W, Lichtenwaldt L, Gilbert J, Zelezny L, Côté J. Developmental profiles of successful high school coaches. Int J Sports Sci Coaching. 2009;4(3):415-31.

Goellner SV. Mulher e esporte no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a Prática. 2006;8(1):85-100.

Santana LC, Monteiro GM, Pereira CC, Bastos FC. Perfil dos gestores de academia fitness no brasil: um estudo exploratório. Podium. 2012;1(1):28-46.

Publicado
2020-02-14
Como Citar
Benetti, M., Sierra, A. P., Kiss, M. A., Rocco Junior, A., & Bastos, F. (2020). Assessorias esportivas e prática de corrida de rua. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 32(1), 131-140. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/rbefe/article/view/166709
Seção
Artigos