Educoração: histórias, experiências e partilhas de aprendizagem e afetividade na escola

  • Janir Coutinho Batista Universidade Estadual de Campinas
  • Paulo Cezar Nunes Junior Universidade Federal de Itajubá
  • Elaine Prodócimo Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Afetividade, Educação, Aprendizagem, Ensino Fundamental

Resumo

O presente estudo tem por objetivo analisar a proposta do Educoração, projeto criado para atuar no desenvolvimento afetivo da criança que se utiliza de diversas ferramentas (canções, rodas de conversa, jogos cooperativos, posturas de yoga e contação de histórias) a ser realizado no contexto escolar. A implementação da proposta ocorreu em uma escola pública do município de Cerquilho (SP), em 8 encontros de uma hora e meia de duração, com frequência semanal e participaram 23 crianças do primeiro ano do ensino fundamental. Trata-se de uma pesquisa participante e como procedimentos metodológicos foram feitas observações com registro de campo, entrevistas com professora da turma e diretora da escola e questionários. Os dados obtidos foram interpretados por meio da análise de conteúdo e organizados em três grandes categorias de análise: empatia, autoestima e aprendizagem. Os resultados mostraram que, somadas à participação do professor, as dinâmicas da proposta influenciaram na afetividade infantil e promoveram uma melhora no cotidiano da sala de aula. As atividades do Educoração contribuíram de maneira direta para que fossem abordados diversos aspectos relativos à afetividade e ao convívio das crianças na escola. Além da mudança nas relações entre as crianças e a professora e, da maior atenção de uns com os outros, a professora relatou que depois das intervenções conseguiu realizar seu trabalho com maior engajamento e interesse dos alunos, fato que permitiu que o projeto se ramificasse para outras turmas na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bezerra RJL. Afetividade como condição para a aprendizagem: Henry Wallon e o desenvolvimento cognitivo da criança a partir da emoção. REDSIS. 2006;4: 20-6.

Almeida ARS. A afetividade no desenvolvimento da criança: contribuições de Henri Wallon. Inter-Ação. 2008;33:343-57.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 33a. ed. São Paulo: Paz e Terra; 2005.

Garcia J. O que desejam os indisciplinados? Anais do 9o Congresso Nacional de Educação e 3o Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia; 2009 out. 26-29; Curitiba: Champagnat; 2009. p. 7127-36.

De Oliveira J, Gomes M. Bullying: reflexões sobre a violência no contexto escolar. Educação Por Escrito. 2012;2:1-14.

Assman H, Sung JM. Competência e sensibilidade solidária: educar para a esperança. 2a ed. Petrópolis: Vozes; 2000.

Wallon H. As origens do pensamento na criança. São Paulo: Manole; 1989.

Leite SAS, Tagliaferro AR. A afetividade na sala da aula: um professor inesquecível. Psicol Esc Educ. 2005;9:247-60.

Wallon H. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes; 2007.

Dantas H. A afetividade e a construção do sujeito na psicogenética de Wallon. In: Taille Y, Oliveira MK, Dantas H, organizadores. Piaget Vygotsky Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus; 1992.

Ferreira AL, Acioly-Régnier NM. Contribuições de Henri Wallon à relação cognição e afetividade na educação. Educar. 2010;36:21-38.

Mahoney AA, Almeida LR. Afetividade e processo ensino-aprendizado: contribuições de Henri Wallon. Psicol Educ. 2005;20:11-30.

Cavallet VJ. Educação formal e treinamento: confundir para doutrinar e dominar. Diálogo Educ. 2000;1(2):1-170.

Galvão L. Expressividade e emoções segundo a perspectiva de Wallon. In: Arantes VA, organizador. Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus; 2003. p. 71-88.

Alves R. A Alegria de ensinar. São Paulo: Ars Poética; 1994.

Andrews S. O círculo de amor: para abrir o coração. São Paulo: Graphpress; 2007.

Minayo MCS. Trabalho de campo: contexto de observação, interação e descoberta. In: Minayo MCS, organizadora. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes; 2007. p. 61-78.

Bardin L. Análise de conteúdo. Trad. Luis Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70; 2004.

Hess R., Weigand G. La relation pédagogique. Paris: Armand Colin; 2004.

Saltini C. Afetividade e inteligência. Rio de Janeiro: DPA; 1997.

Hazin I, Frade C, Falcão JTR. Auto estima e desempenho escolar em matemática: contribuições teóricas sobre a problematização das relações entre cognição e afetividade. Educar. 2010;36:39-54.

Araújo UF. A dimensão afetiva da psique humana e a educação em valores. In: Arantes VA, organizador. Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus; 2003. p. 153-169.

Maturana H, Verden-Zöller G. Amar e brincar: fundamentos esquecidos do humano. São Paulo: Palas Athena; 2004.

Publicado
2018-12-20
Como Citar
Batista, J., Nunes Junior, P., & Prodócimo, E. (2018). Educoração: histórias, experiências e partilhas de aprendizagem e afetividade na escola. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 32(2), 233-242. https://doi.org/10.11606/1807-5509201800020233
Seção
Artigos