Participando da esporteterapia: percepção de pais de crianças com paralisia cerebral

  • Marina de Brito Brandão Universidade Federal de Minas Gerais. Departamento de Terapia Ocupacional
  • Guilherme Maia Sette Câmara Associação Mineira de Reabilitação
  • Márcio Cançado Valadares Ribeiro Associação Mineira de Reabilitação
  • Marisa Cotta Mancini Universidade Federal de Minas Gerais. Departamento de Terapia Ocupacional
Palavras-chave: Esporte adaptado, Crianças com deficiência, Estudo qualitativo, Pais, Reabilitação

Resumo

O objetivo do estudo foi compreender a percepção de pais de crianças com paralisia cerebral de grave comprometimento motor sobre a participação de seus filhos nas atividades da esporteterapia na Associação Mineira de Reabilitação (AMR). Foi realizado um estudo qualitativo com doze pais de crianças com paralisia cerebral de grave comprometimento motor. As crianças frequentavam semanalmente as aulas de esporteterapia na AMR. Entrevistas semiestruturadas com os pais das crianças foram realizadas e compreenderam questões relacionadas às suas expectativas acerca do serviço e entendimento das atividades propostas, aspectos positivos e negativos relacionados à participação das crianças nas atividades, possíveis mudanças percebidas pelos pais após a entrada da criança nas aulas de esporteterapia e sugestões de melhorias do serviço. As entrevistas foram transcritas e analisadas por meio da análise de conteúdo. Foram evidenciadas três categorias temáticas: (1) Esporte, reabilitação ou socialização através do brincar?; (2) Facilitadores e barreiras para participação na esporteterapia; (3) Socialização, comportamento e movimento. As famílias apontaram que a participação das crianças no serviço de esporteterapia promoveu benefícios relacionados aos aspectos motores, ao comportamento e à socialização das crianças. A relação entre os instrutores de esporteterapia e as crianças e suas famílias parece ser elemento importante para promoção da participação das crianças nas atividades. Tais informações podem subsidiar a promoção de atividades esportivas em serviços de reabilitação voltados para crianças com deficiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Verschuren O, Wiart L, Hermans D, Ketelaar M. Identification of facilitators and barriers to physical activity in children and adolescents with cerebral palsy. J Pediatr. 2012;161:488-94.

Zwier JN, Van Schie PE, Becher JG, Smits DW, Gorter JW, Dallmeijer AJ. Physical activity in young children with cerebral palsy. Disabil Rehabil. 2010;32:1501-8.

Carroll KL, Leiser J, Paisley TS. Cerebral palsy: physical activity and sport. Cur Sports Med Rep. 2006;5:319-22.

Chawla JC. Sports for people with disability. BMJ.1994;308:1500-4

Strapasson AM, Duarte E. Proposta de ensino polybat para pessoas com paralisia cerebral. Arq Ciênc Saúde UNIPAR. 2006;10:165-75.

Labrocini RHDD, Cunha MCB, Oliveira ASB, Gabbai AA. Esporte como fator de integração do deficiente físico na sociedade. Arq Neuropsiq. 2000;58:1092-9.

Maiano C, Ninot G, Morin AJS, Bilard J. Effects of sport participation on the basketball skills and physical self of adolescents with conduct disorders. Adapt Phys Activ Q. 2007;24:178-96.

Hein V, Hagger MS. Global self-steem, goal achievement orientations, and self-determined behavioral regulations in a physical education setting. J Sports Sci. 2007;25:149-59.

Wind WM, Schwend RM, Larson J. Sports for physically challenged child. J Am Acad Orthop Surg. 2004;12:126-37.

Peungsuwan P, Parasin P, Siritaratiwat W, Prasertnu Y, Yamauchi J. Combined exercise training on functional performance in children with cerebral palsy: a randomized-controlled trial. Pediatr Phys Ther. 2017;29:39-46.

Verschuren O, Ketelaar M, Gorter JW, Helders PJ, Uiterwaal CS, Takken T. Exercise training program in children and adolescents with cerebral palsy: a randomized controlled trial. Arch Pediatr Adolesc Med. 2007;161:1075-81.

Unnithan VB, Katsimanis G, Evangelinou C, Kosmas C, Kandrali I, Kellis E. Effect of strength and aerobic training in children with cerebral palsy. Med Sci Sports Exerc. 2007; 39:1902-9.

Slaman J, Van Den Berg-Emons HJ, Van Meeteren J, Twisk J, Van Markus F, Stam HJ, et al. A lifestyle intervention improves fatigue, mental health and social support among adolescents and young adults with cerebral palsy: focus on mediating effects. Clin Rehabil. 2015;29:717-27.

Van Wely L, Balemans AC, Becher JG, Dallmeijer AJ. The effectiveness of a physical activity stimulation programme for children with cerebral palsy on social participation, self-perception and quality of life: a randomized controlled trial. Clin Rehabil. 2014;28:972-82.

Block M, Obrusnikova I. Inclusion in physical education: a review of the literature from 1995-2005. Adapt Phys Activ Q. 2007;24:103-24.

Samalot-Rivera A, Porretta DL. Perceptions and practices of adapted physical educators on the teaching of social skills. Adapt Phys Activ Q. 2009;26:172-86.

Coates J, Wickerman P. Empowering children with special educational needs to speak up: experiences of inclusive physical education. Dis Rehab. 2010;32:1517-26.

Tsai EH, Fung L. Parents experiences and decisions on inclusive sport participation of their children with intelectual disabilities. Adapt Phys Activ Q. 2009;26:151-71.

Columna L, Pyfer J, Senne T, Velez L, Bridenthrall N, Canabal MY. Parental expectations of adapted physical educators: a Hispanic perspective. Adapt Phys Activ Q. 2008;25:228-46.

Palisano RJ. Physical activities of children with cerebral palsy: what are the considerations? Dev Med Child Neurol. 2012;54:390-1.

Souza PA. Esporteterapia como indutora da neuroplasticidade na paralisia cerebral. In: Lima CLA, Fonseca LF. Paralisia cerebral: neurologia, ortopedia e reabilitação. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004. p. 421-30.

Wilding C, Whiteford G. Phenomenological research: an exploration of conceptual, theoretical, and practical issues. OTJR. 2005;25:98-104.

Palisano R, Rosenbaum P, Walter S, Russell D, Wood E, Galuppi B. Development and reliability of a system to classify gross motor function in children with cerebral palsy. Dev Med Child Neurol. 1997;39:214-23.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública. 2008;24:17-27.

Haguette TMF. Metodologias qualitativas na sociologia. Petrópolis, Vozes: 2000.

Rocha D, Deusdara B. Análise de conteúdo e análise do discurso: aproximações e afastamentos na (re)construção de uma trajetória. ALEA. 2005;7:305-22.

Bardin, L. B. Análise de conteúdo. São Paulo: Martins Fontes; 1997.

Palisano RJ, Chiarello LA, Orlin M, Oeffinger D, Polansky M, Maggs J, et al. Determinants of intensity of participation in leisure and recreational activities by children with cerebral palsy. Dev Med Child Neurol. 2011;53:142-9.

Publicado
2018-12-20
Como Citar
Brandão, M., Câmara, G., Ribeiro, M., & Mancini, M. (2018). Participando da esporteterapia: percepção de pais de crianças com paralisia cerebral. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 32(2), 243-252. https://doi.org/10.11606/1807-5509201800020243
Seção
Artigos