Atividade física associada ao ambiente urbano: um estudo com mulheres de três cidades litorâneas de Santa Catarina

  • Vanessa Terezinha Ferrari Jonck Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Camila da Cruz Ramos de Araujo Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Jorge Fernando Hammes Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Joris Pazin Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Leonessa Boing Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Mariana Rocha Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Silvia Rosane Parcias Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Zenite Machado Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Adriana Coutinho de Azevedo Guimarães Universidade do Estado de Santa Catarina
Palavras-chave: Atividade motora, Saúde, Mulheres, Apoio social

Resumo

O estudo analisou a prática de atividade física (AF) associada ao ambiente urbano de mulheres de cidades litorâneas de Santa Catarina (SC). Amostra foi composta por 1127 mulheres de Florianópolis, São José e Itajaí (SC). Utilizou-se o IPAQ – versão curta e o Questionário de Ambiente percebido: versão brasileira (NEWS). A coleta de dados ocorreu em agosto de 2012 a março de 2013. Realizou-se estatística descritiva, teste Qui quadrado, ANOVA com post hoc e análise de regressão multinomial bruta e ajustada (p<0,05). Aproximadamente 50% das mulheres foram consideradas muito ativas, destacando-se Florianópolis, com maior tempo de AF moderada+vigorosa. Observou-se associação entre a prática de AF e presença de lixo próximo a sua casa, proximidade à orla, ruas iluminadas, convite de parentes e praça com equipamentos de ginástica. Concluiu-se que características do ambiente urbano parecem influenciar a prática de AF de mulheres muito ativas e ativas de três cidades litorâneas de SC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bauman A, Bull F, Chey T, Craig CL, Ainsworth BE, Sallis JF, et al. The International Prevalence Study on Physical Activity: results from 20 different countries. Int J Behav Nutr Phys Act. 2009;6(89):21-32.

Bolivar J, Daponte A, Rodríguez M, Sánchez JJ. The influence of individual, social and physical environment factors on physical activity in the adult population in Andalusia, Spain. Int J Environ Res Public Health. 2010;7:60-77.

Allison KR, Dwyer JJ, Goldenberg E, Fein A, Yoshida KK, Boutilier M. Male adolescents’ reasons for participating in physical activity, barriers to participation, and suggestions for increasing participation. Adolescence. 2005;40(157):155-70.

Pazin J, Duarte MFS, Borgatto AF, Peres MA. Ambiente urbano percebido e apoio social para a atividade física no lazer e no deslocamento em adultos de Florianópolis, SC. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2012;17(2):100-6.

Giehl MWC, Schneider IJC, Corseuil HX, Benedetti TRB, D’Orsi E. Atividade física e percepção do ambiente em idosos: estudo populacional em Florianópolis. Rev Saúde Pública. 2012;46(3):516-25.

Salvador EP, Florindo AA, Reis RS, Costa EF. Percepção do ambiente e prática de atividade física no lazer entre idosos. Rev Saúde Pública. 2009;43(6):972-80.

Florindo AA, Salvador EP, Reis RS, Guimarães VV. Percepção do ambiente e prática de atividade física em adultos residentes em região de baixo nível socioeconômico. Rev Saúde Pública. 2011;45(2):302-10.

Boehmer TK, Lovegreen SL, Haire-Joshu D, Brownson RC. What constitutes an obesogenic environment in rural communities?. Am J Health Promot. 2006;20(6):411-21.

Bennet GG, Mcneill LH, Wolin KY, Duncan DT, Puleo E, Emmons KM. Safe to walk? Neighborhood safety and physical activity among public housing residents. PLoS Med. 2007;4(10):1559-607.

Florindo AA, Hallal PC, Moura EC, Malta DC. Prática de atividades físicas e fatores associados em adultos. Rev Saúde Pública. 2009;43:65-73.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica Brasil. São Paulo; 2010.

Pardini R, Matsudo S, Matsudo TAV, Andrade E, Braggion G, Andrade D, et al. Validation of the international physical activity questionnaire (IPAQ): pilot study in brazilian young adults. Med Sci Sports Exerc. 1997;29:S5-S9.

Reis MS, Reis RS, Hallal PC. Validade e fidedignidade de uma escala de avaliação do apoio social para a atividade física. Rev. Saúde Pública. 2011;45(2):294-301.

Hosmer DM, Lemeshow S. Applied logistic regression. New York: John Wiley & Sons; 1989.

Haskell WL, Lee I-M, Pate RR, Powell KE, Blair SN, Franklin BA, et al. Physical activity and public health: updated recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Med Sci Sports Exerc. 2007;39(8): 1423-34.

Hallal PC, Dumith SC, Bastos JP, Reichert FF, Siqueira FV, Azevedo MR. Evolução da pesquisa epidemiológica em atividade física no Brasil: revisão sistemática. Rev. Saúde Pública. 2007;41(3):453-60.

Matsudo SM, Matsudo VR, Araújo T, Andrade D, Andrade E, Oliveira L, et al. Nível de atividade física da população do estado de São Paulo: análise de acordo com o gênero, idade, nível sócio econômico, distribuição geográfica e de conhecimento. RBCM. 2002;10(4):41-50.

Giles-Corti B, Donovan RJ. The relative influence of individual, social and physical environment determinants of physical activity. Soc Sci Med. 2002;54(12):1793-812.

Prefeitura Municipal de Florianópolis [Internet]. Florianópolis [citado 2013 out. 17]. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/.

Organização das Nações Unidas, Instituto de Pesquisa e Economia Aplicada, Fundação João Pinheiro. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil [Internet]. Brasília; 2013. [citado 2013 out. 17]. Disponível em: http://atlasbrasil.org.br/2013/.

Brown DW, Brown DR, Heath GW, Balluz L, Giles WH, Ford ES, et al. Associations between physical activity dose and health-related quality of life. Med Sci Sports Exerc. 2004;36:809-96.

Mok Y, Won S, Kimm H, Nam C, Ohrr H, Jee SH. Physical activity level and risk of death: the severance cohort study. J Epidemiol. 2012;22(6):494-500

Fontes ACD, Vianna RPT. Prevalência e fatores associados ao baixo nível de atividade física entre estudantes universitários de uma universidade pública da região Nordeste – Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2009;12(1):20-9.

Sousa TFD, Fonseca AS, Barbosa AR. Perceived barriers by university students in relation the leisure-time physical activity. Rev Bras Cineantropom Desempenho Humano. 2013;15(2):164-73.

Castro-Carvajal JA, Patiño-Villada FA, Cardona-Rendón BM, Ochoa-Patiño V. Aspectos asociados a la actividad física en el tiempo libre en la población adulta de un municipio antioqueño. Rev Salud Pública. 2008;10(5):679-90.

Florindo AA, Garcia LMT, Guimarães VV, Salvador EP, Fonseca FH, Reis RS, et al. Escore de ambiente construído relacionado com a prática de atividade física no lazer: aplicação numa região de baixo nível socioeconômico. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2013;15(2):243-55.

McCormack G, Giles-Coiti B, Lange A, Smith T, Martin K, Pikora, TJ. An update of recent evidence of the relationship between objective and seK-report measures of the physical environment and physical activity behaviours. J Sci Med Sport. 2004;7(1):S81-S92.

Publicado
2018-12-20
Como Citar
Jonck, V., Araujo, C., Hammes, J., Pazin, J., Boing, L., Rocha, M., Parcias, S., Machado, Z., & Guimarães, A. (2018). Atividade física associada ao ambiente urbano: um estudo com mulheres de três cidades litorâneas de Santa Catarina. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 32(2), 253-261. https://doi.org/10.11606/1807-5509201800020253
Seção
Artigos