Recuperação ativa favorece a retirada simpática pós-exercício máximo em jovens não treinadas

Autores

  • Jaqueline Alves de Araújo Universidade Federal de Mato Grosso. Departamento de Educação Física, Cuiabá, MT, Brasil
  • Gabriel Kolesny Tricot Universidade Federal de Mato Grosso. Departamento de Educação Física, Cuiabá, MT, Brasil
  • Gisela Arsa Universidade Federal de Mato Grosso. Departamento de Educação Física, Cuiabá, MT, Brasil
  • Lucieli Teresa Cambri Universidade Federal de Mato Grosso. Departamento de Educação Física, Cuiabá, MT, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v33i3p353-361

Palavras-chave:

Sistema Nervoso Autonômico, Variabilidade da Frequência Cardíaca, Reativação Vagal

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar a variabilidade da frequência cardíaca (VFC) após recuperação ativa de um exercício máximo em jovens não treinadas. Nove mulheres eutrófi cas (25,45 ± 5,41 anos; 22,23 ± 2,03 kg.m-2; 28,13 ± 5,0% de gordura corporal) foram avaliadas em repouso, exercício e na recuperação pós teste progressivo máximo em cicloergômetro realizada de forma ativa (A) ou passiva (P), com os índices da VFC (RMSSD e SDNN) avaliados durante os 5 min da recuperação e nos 5 min posteriores, janelados a cada 30 s. Os índices LnRMSSD30s e LnSDNN30s ao fi nal do exercício (A: 0,52 ± 0,13; P: 0,55 ± 0,25 / A: 0,42 ± 0,11; P: 0,48 ± 0,21 ms) reduziram em relação ao repouso (A: 1,49 ± 0,29; P: 1,46 ± 0,28 / A: 1,70 ± 0,21; P: 1,69 ± 0,20 ms) e permaneceram reduzidos (p<0,05) ao fi nal dos primeiros 5 min da recuperação (A: 0,53 ± 0,12; P: 0,45 ± 0,14 / A: 0,63 ± 0,12; P: 0,68 ± 0,24 ms) e após esse período (A: 0,48 ± 0,12; P: 0,55 ± 0,23 / A: 0,86 ± 0,20; P: 0,87 ± 0,20 ms), sem diferença entre os tipos de recuperação. Entretanto, após a recuperação ativa, o índice LnSDNN30s elevou-se em relação ao fi nal do exercício (p<0,05). Em conclusão, independentemente do tipo de recuperação, não houve reativação vagal nos 10 min após um exercício máximo em mulheres jovens não treinadas, contudo a recuperação ativa auxiliou no restabelecimento da modulação autonômica cardíaca pela retirada da atividade simpática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-06-01

Como Citar

Araújo, J. A. de, Tricot, G. K., Arsa, G., & Cambri, L. T. (2019). Recuperação ativa favorece a retirada simpática pós-exercício máximo em jovens não treinadas. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 33(3), 353-361. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v33i3p353-361

Edição

Seção

Artigos