Teste de força de preensão manual: estudo da fadiga mioelétrica do flexor radial do carpo e flexor superficial dos dedos

  • Marco Tulio Baptista Instituto de Pesquisa da Capacitação Física do Exército
  • Fábio Alves Machado Instituto de Pesquisa da Capacitação Física do Exército
  • Glauber Ribeiro Pereira Universidade Federal do Rio de Janeiro; Instituto Alberto Luiz Coimbra; Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia
  • Jurandir Nadal Universidade Federal do Rio de Janeiro; Instituto Alberto Luiz Coimbra; Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia
  • Liliam Fernandes Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro; Escola de Educação Física e Desportos
Palavras-chave: Isometria, Dinamometria, Mão, Eletromiografia

Resumo

Um protocolo de força de preensão manual (FPM) em degraus de intensidade foi empregado para estudo da fadiga dos músculos flexor radial do carpo (FRC) e flexor superficial dos dedos (FSD) por meio do registro da força de preensão sustentada. Foi feita a análise do sinal eletromiográfico de superfície destes músculos no domínio do tempo e da frequência de 2kHz. Foi utilizado um dinamômetro eletrônico e um conversor analógico-digital de 16 bits. Participaram deste estudo 12 indivíduos saudáveis, ativos e destros, com média de idade 21,53 ± 1,26 anos, percentual de gordura 7,76 ± 3,53%, peso corporal 74,9 ± 10,36 kg e estatura 180,69 ± 7,14 cm. Os indivíduos realizaram o teste de contração isométrica voluntária máxima (CIVM) da mão dominante seguido do protocolo de degraus submáximos em 20%, 40% e 60% da CIVM por 10 segundos cada. O processamento dos sinais envolveu a filtragem passa banda e o cálculo dos valores de raiz média quadrática (RMS) e frequência mediana (FM) em cada degrau de contração submáxima. A análise de variância "two-way" foi aplicada para os valores de RMS e FM. O teste proposto não gerou queda do rendimento de força nos degraus submáximos estabelecidos e a instauração do processo de fadiga do FSD. Por outro lado, o FRC apresentou sinais de fadiga mioelétrica sugerindo o processo de falência da FPM. Estes dados sugerem que a fadiga mioelétrica dos flexores dos dedos durante a FPM é um processo tardio à fadiga dos estabilizadores do punho. O protocolo em degrau de 60% parece desencadear o processo de fadiga mioelétrica do músculo FRC, mas não do FSD, baseado na análise da ativação muscular nos domínios do tempo e frequência.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2013-09-01
Como Citar
Baptista, M., Machado, F., Pereira, G., Nadal, J., & Oliveira, L. (2013). Teste de força de preensão manual: estudo da fadiga mioelétrica do flexor radial do carpo e flexor superficial dos dedos . Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 27(3), 345-353. https://doi.org/10.1590/S1807-55092013005000017
Seção
Biodinâmica