Análise de carteiras de valor no mercado brasileiro

  • Vitor Palazzo Fundação Instituto de Administração, Laboratório de Finanças https://orcid.org/0000-0002-3829-197X
  • José R. F. Savoia Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Administração
  • José Roberto Securato Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Administração
  • Daniel Reed Bergmann Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Administração
Palavras-chave: estratégia de valor, investimentos, ações, filosofias de investimento, mercado brasileiro.

Resumo

Este artigo testou uma estratégia de investimento em valor para o mercado brasileiro, usando critérios de seleção das ações baseados nas formulações de Graham (2007), de modo que fossem eliminadas as empresas de desempenho inferior que apresentassem riscos não capturados pelos modelos tradicionais. Foram selecionadas 532 ações durante o período de maio de 2005 a abril de 2015 e, após a aplicação dos filtros de Graham, foram obtidas carteiras de 10 anos de maturidade. Com a simulação do desempenho das carteiras pelo período analisado e do cálculo do índice de Sharpe, foi possível verificar: (i) a validade do uso do modelo de Graham para selecionar ações no mercado brasileiro; (ii) a hierarquização dos filtros de Graham pelo critério de relevância; e (iii) a composição ideal de uma carteira de investimentos orientada pelo value investing para o mercado brasileiro no período analisado. As carteiras obtidas foram capazes de oferecer retornos ajustados aos riscos superiores ao do Índice Bovespa no período, além de apresentarem medidas de risco inferiores. Os resultados atestaram a validade da estratégia de value investing no mercado nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-09-27
Como Citar
Palazzo, V., Savoia, J., Securato, J. R., & Bergmann, D. (2018). Análise de carteiras de valor no mercado brasileiro. Revista Contabilidade & Finanças, 29(78), 452-468. https://doi.org/10.1590/rc&f.v29i78.150635
Seção
Artigos Originais