Misvaluation e viés comportamental no mercado de ações brasileiro

  • José Bonifácio de Araújo Júnior Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Gestão Pública https://orcid.org/0000-0001-8096-5790
  • Otávio Ribeiro de Medeiros Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Gestão Pública
  • Olavo Venturim Caldas Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Gestão Pública http://orcid.org/0000-0001-9188-3061
  • César Augusto Tibúrcio Silva Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Gestão Pública
Palavras-chave: finanças comportamentais, misvaluation, viés comportamental, mercado acionário brasileiro, Market Model

Resumo

O estudo buscou utilizar o modelo desenvolvido por Gokhale et al. (2015) para identificar existência de sobrerreação e vieses comportamentais no mercado de ações brasileiro e analisar seu desempenho como estratégia de investimentos na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBOVESPA), no curto e longo prazo, bem como testar sua robustez com simulações de janelas de tempo. Os impactos das finanças comportamentais nos mercados de capitais podem afetar as decisões econômicas, perpetuar ou aumentar anomalias na precificação de ativos e, em situações mais extremas e persistentes, contribuir para a formação de bolhas que podem comprometer todo o sistema financeiro de um país. O estudo traz, de maneira pioneira ao mercado de ações brasileiro, metodologia inovadora para identificar vieses comportamentais e obter retornos anormais e superiores aos retornos do Ibovespa. A pesquisa aplica o modelo desenvolvido por Gokhale et al. (2015) em três amostras com dados de cotações de empresas brasileiras de capital aberto que compõem o Ibovespa e o Índice Brasil Amplo (IBrA) no período 2005-2016. Com o software estatístico R, calculou-se o Índice Fundamental de Avaliação (Fundamental Valuation Index – FVI) para cada ação da amostra e a cada ano. A partir desse índice, identificaram-se as ações subavaliadas, indicando que o preço de venda não reflete seus fundamentos econômicos, e realizadas simulações de carteiras para investimento nos três meses ou no próximo ano. Os resultados indicam a possível existência de sobrerreação e vieses comportamentais no mercado de ações brasileiro que geram a possibilidade de retornos anormais superiores aos retornos do Índice Bovespa (Ibovespa). De forma similar ao mercado americano, as carteiras simuladas renderam, ao final do período de 2006-2016, mais de 274%, enquanto o Ibovespa rendeu aproximadamente 80%. Os testes de robustez confirmaram a eficácia do modelo. As diversas carteiras de investimento, simuladas em horizontes temporais distintos, renderam em média mais do que o Ibovespa. O estudo também confirmou as suposições de Gokhale, Tremblay e Tremblay (2015) sobre a inadequação do modelo para estratégias de curto prazo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-01-18
Como Citar
Araújo Júnior, J. B., Medeiros, O., Caldas, O., & Silva, C. A. (2019). Misvaluation e viés comportamental no mercado de ações brasileiro. Revista Contabilidade & Finanças, 30(79), 107-122. https://doi.org/10.1590/1808-057x201805770
Seção
Artigos Originais