Hedge, redução de volatilidade dos lucros e o efeito sobre o imposto de renda das companhias abertas brasileiras

  • Valdir de Jesus Lameira PUC-Rio; IAG
  • Antônio Carlos Figueiredo PUC-Rio; IAG; Depto. de Administração
  • Walter Lee Ness Jr PUC-Rio; IAG; Depto. de Administração
Palavras-chave: Hedge, Tributação, Companhias Abertas

Resumo

Neste artigo, procurou-se identificar se as companhias abertas brasileiras teriam conseguido benefícios fiscais ao fazer hedge, fato esse derivado de uma expectativa de queda da sua carga tributária (Imposto de Renda a pagar). Com esse objetivo, inicialmente pesquisou-se em que situações have-ria possibilidade de geração desse benefício. Após essa revisão, foram estudadas situações em que a companhia tivesse grande volatilidade de seus resultados e os efeitos que o hedge traria no valor do I.R. a ser pago. Assim, pôde-se mensurar o efeito do resultado do hedge na carga tributária dessas companhias nesse período, simulando uma situação teórica para melhor evidenciarem-se os efeitos resultantes dessa prática. Posteriormente, utilizouse uma regressão linear múltipla para relacionar o valor do imposto de renda pago por companhias abertas brasileiras no ano de 2003 com os valores de hedge em 2002 e 2003 e os prejuízos acumulados em 2002. Os resultados são fundamentados em vasta bibliografia referente ao assunto.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2005-08-01
Como Citar
Lameira, V., Figueiredo, A., & Ness Jr, W. (2005). Hedge, redução de volatilidade dos lucros e o efeito sobre o imposto de renda das companhias abertas brasileiras . Revista Contabilidade & Finanças, 16(38), 31-46. https://doi.org/10.1590/S1519-70772005000200004
Seção
naodefinida