Role-Play: desenvolvendo habilidades e competências do Ensino Embasado na Estrutura Conceitual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2020.164092

Palavras-chave:

Role-play, Ensino Embasado na Estrutura Conceitual, Taxonomia de Bloom

Resumo

O objetivo desta pesquisa é analisar a percepção dos estudantes quanto à utilidade da técnica role-play no desenvolvimento de habilidades e competências, requeridas ao profissional da área contábil no primeiro estágio do Ensino Embasado na Estrutura Conceitual. A percepção sobre o uso da técnica foi identificada por meio de levantamento e grupo focal com os estudantes matriculados na disciplina Contabilidade Introdutória. Os resultados sugerem que, na percepção dos estudantes, o role-play auxilia no desenvolvimento de habilidades e competências de todas as categorias do domínio cognitivo da Taxonomia de Bloom (Conhecimento, Compreensão, Aplicação, Análise, Síntese e Avaliação), superando as expectativas do Ensino Embasado na Estrutura Conceitual de desenvolvimento apenas das três primeiras categorias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Armstrong, E. K. (2003). Applications of role-playing in tourism management teaching: An evaluation of a
learning method. Journal of Hospitality, Leisure, Sport and Tourism Education, 2(1), p. 5-16. DOI: https://
doi.org/10.3794/johlste.21.24.

Costa, P. S., Gomes, G. S., Braunbeck, G. O., Santana, M. E. G. (2018). Um safari no Brasil: evidências sobre o
ensino baseado na estrutura conceitual. Revista Contabilidade & Finanças, 29(76), p. 129-147. DOI: https://
doi.org/10.1590/1808-057x201804760.

Fávero, L. P., Belfiore, P. (2017). Manual de análise de dados: estatística e modelagem multivariada com Excel®,
SPSS® e Stata®. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil.

Ferraz, A. P. C. M., Belhot, R. (2010). Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações
do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gest. Prod., 17(2), p. 421-431. DOI: https://doi.
org/10.1590/S0104-530X2010000200015.

Geiger, M. A., Ogilby, S. M. (2000). The first course in accounting: Students’ perceptions and their effect on
the decision to major in accounting. Journal of Accounting Education, 18(2), p. 63-78. DOI: https://doi.
org/10.1016/S0748-5751(00)00011-7.

Goeld, P. A. (2013). IFRS framework-based case study: Barrick Gold Corporation—Goodwill for GOLD. Journal
of Accounting Education, 31(4), P. 383-399. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jaccedu.2013.07.003.

Hair, J., Babin, B., Money, A., Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Trad.
Lene Belon Ribeiro. Porto Alegre: Bookman.

Kern, B. (2001). Using role play simulation and hands-on models to enhance students' learning fundamental
accounting concepts. Journal of the Scholarship of Teaching and Learning, p.8-24.

Mactavish, C., Moore, J. (2016). Artisan Flowers Inc.: A Framework-Based Approach to IFRS Leasing Standards.
Accounting Perspectives, 15(2), p.131–138. DOI: https://doi.org/10.1111/1911-3838.12092.

Masetto, M. T. (2003). Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus Editorial.

Mclaughlan, R. G., Kirkpatrick, D. (2004). Online roleplay: Design for active learning. European Journal of
Engineering Education, 29(4), p. 477-490. DOI: https://doi.org/10.1080/03043790410001716293.

Oliveira, L. A., Costa, P. S., Botinha, R. A., Tavares, M. (2016). Desempenho nas disciplinas introdutórias de
contabilidade: base para o sucesso do estudante no curso de Ciências Contábeis. Revista Mineira de
Contabilidade, 17(2), p. 72-83.

Richardson, J. D., Kleiner, B. H. (1992). The relevant effectiveness of different training and development
methodologies. Management Research News, 15(10), p. 23-26. DOI: https://doi.org/10.1108/eb028264.

Souza, A. C. M., Souza, R. B. D. L., Souza, L. N. (2013). Habilidades e aprendizagem desenvolvidas com a
inserção do role-play no ensino de contabilidade: uma visão discente. ConTexto, 13(25), p. 45-54.

Souza, L. N., Casa Nova, S. P C. (2017). O role-play (jogo de papeis) aplicado no ensino e aprendizagem. In:
Leal, E. A., Miranda, G. J., Casa Nova, S. P. D. C. (ORGS.). Revolucionando a sala de aula: como envolver
o estudante aplicando técnicas de metodologias ativas de aprendizagem. São Paulo: Atlas.

Weil, S., Oyelere, P., Yeoh, J., Firer, C. (2001). A study of students’ perceptions of the usefulness of case studies
for the development of finance and accounting-related skills and knowledge. Accounting Education, 10(2), p.
123-146. DOI: https://doi.org/10.1080/09639280110081642.

Wells, M. J. C. (2011). Framework-based approach to teaching principles-based accounting standards. Accounting
Education: an International Journal, 20(4), p. 303-316. DOI: https://doi.org/10.1080/09639284.2011.5691
28.

Wells, M. J. C. (2014). Tarca, A. Estágio 3 – Ativos não financeiros: estudo de caso da Open Safari. London:
IFRSF Publications Department.

Downloads

Publicado

2020-04-03

Como Citar

Costa, P. de S., Ávila, J. R. de M. S., Santos, D. V. dos, & Cruz, F. P. da. (2020). Role-Play: desenvolvendo habilidades e competências do Ensino Embasado na Estrutura Conceitual. Revista De Contabilidade E Organizações, 14, e164092. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2020.164092

Edição

Seção

Artigos