Revolução tecnológica no mundo dos negócios e algumas oportunidades e desafios na área contábil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2020.165516

Palavras-chave:

Revolução Tecnológica, Negócios, Contabilidade, Auditoria, Inovação disruptiva

Resumo

Este artigo apresenta uma análise sobre como a revolução tecnológica no mundo dos negócios traz novos desafios e oportunidades para profissionais, professores, pesquisadores e discentes, principalmente, das áreas de contabilidade e auditoria. As inovações disruptivas trazem mudanças significativas em ocupações profissionais e em suas atividades, que podem passar a ser computadorizadas (automatizadas). Baseando-se em estudos anteriores que analisaram a computadorização de profissões, este estudo apresenta alguns caminhos para que profissionais e acadêmicos possam desenvolver suas atividades e novas possibilidades considerando as mudanças que acontecem por causa das inovações disruptivas e como buscar novos conhecimentos a partir de iniciativas em conjunto. Na perspectiva profissional, a busca por realização de atividades mais consultivas e de assessoramento diminui o risco de computadorização. Já na perspectiva acadêmica, trazer novas ferramentas disponíveis em linguagens de programação para extrair e interpretar dados e textos para construir novas variáveis e abordagens pode contribuir para novas oportunidades de pesquisas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arntz, M., T. Gregory & U. Zierahn. (2016). The Risk of Automation for Jobs in OECD Countries: A Comparative Analysis. OECD Social, Employment and Migration Working Papers, 189, OECD Publishing, Paris. DOI: https://doi.org/10.1787/5jlz9h56dvq7-en.

Baker, S., Bloom, N., & Davis, S. (2016). Measuring Economic Policy Uncertainty. The Quarterly Journal of Economics, 131, p. 1593-1636.

Cardoso, J. A. S., Farias Filho, J. R., Cardoso, M. M. S., Deiro, R. M. & Oliveria, U. R. (2007). Gestão da diversidade: uma gestão necessária para estimular a inovação e aumentar a competitividade das empresas de contabilidade e auditoria. Pensar Contábil, 9 (36).

Costa, L., Sampaio, J. O., & Flores, E. S. (2019). Diversidade de Gênero nos Conselhos Administrativos e sua Relação com Desempenho e Risco Financeiro nas Empresas Familiares. Revista de Administração Contemporânea, 23 (6), p. 721-738. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2019180327.

Elliott, W.B., Grant, S.M. & Hodge, F.D. (2018). Negative News and Investor Trust: The Role of $Firm and #CEO Twitter Use. Journal of Accounting Research, 56, p. 1483-1519. DOI: 10.1111/1475-679X.12217.

Bushee, B., Gow, I., & Taylor, D., 2018. Linguistic complexity in firm disclosures: obfuscation or information? Journal of Accounting Research, 56, p. 85-121.

Codesso, M. M., Silva, P. C., Vasarhelyi, M., & Lunkes, R. J. (2018). Continuous Audit Model: Data Integration Framework . Revista Contemporânea de Contabilidade, 15 (34), p. 144-157.

Frey, C. B, & M. A. Osborne (2017). The future of employment: How susceptible are jobs to computerisation? Technological Forecasting and Social Change, 114, p. 254-280. DOI: https://doi.org/10.1016/j.techfore.2016.08.019.

Gillette, J., & G. Pundrich (2019). Investments in Accounting Resources and the Implications for External Reporting and Disclosure. SSRN. DOI: http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.3496434.

Gomes, J. S. (1979). A profissão contábil no Brasil: uma visão crítica. Revista de Administração de Empresas, 19(2), p. 99-106. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0034-75901979000200007.

Gonçalves, E. B. P., Espejo, M. M. S. B., Altoé, S. M. L. & Voese, S. B. (2016). Gestão da diversidade: um estudo de gênero e raça em grandes empresas brasileiras. Enfoque: Reflexão Contábil, 35 (1), p. 95-111.

Ham, C., Lang, M., Seybert, N. & Wang, S. (2017), CFO Narcissism and Financial Reporting Quality. Journal of Accounting Research, 55, p. 1089-1135. DOI:10.1111/1475-679X.12176.

Hoberg, G., & Phillips, G. (2010) Product market synergies in mergers and acquisitions: A text based analysis. Rev. Financial Stud., 23(19), p. 3773–3811.

Hoberg, G., & Phillips, G. (2018). Conglomerate industry choice and product language. Management Science, 64, p. 3469-3970.

Loughran, T., & Mcdonald, B. (2016). Textual Analysis in Accounting and Finance: A Survey. Journal of Accounting Research, 54, (4). DOI: 10.1111/1475-679X.12123.

Martins, E., Martins, V. A. & Martins, E. A. (2007). Normatização contábil: ensaio sobre sua evolução e o papel do CPC. RIC/UFPE - Revista de Informação Contábil, 1 (1), p. 7-30.

Napier, C. J. (2011). Accounting at the London School of Economics: Opportunity lost? Accounting History, 16(2), p. 185–205. DOI: 10.1177/1032373210396333.

Silva, D. J. M. & Silva, M. A. (2018). Mulheres na contabilidade: os estereótipos socialmente construídos sobre a contadora. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11 (1), p. 071-091.

Simon, H. A. (1986). Rationality in Psychology and economics. Journal of Business, 59, p. S209-S224.

Tysiac, K., & Drew, J. (2018). Accounting firms: The next generation. CPA Journal, 1. Disponível em: https://www.journalofaccountancy.com/issues/2018/jun/next-generation-accounting-firms.html.

Vasarhelyi, M. A., Teeter, R. A., & Krahel, J. P. (2010). Audit Education and the Real-Time Economy. Issues in Accounting Education, 25 (3), p. 405-423.

Publicado

2020-02-28

Como Citar

Almeida, J. E. F. (2020). Revolução tecnológica no mundo dos negócios e algumas oportunidades e desafios na área contábil. Revista De Contabilidade E Organizações, 14, e165516. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2020.165516

Edição

Seção

Reflexões e Tendências