Dinâmica Espacial e Sazonal da Temperatura, Umidade e Estresse Hídrico em Diferentes Tipos de Cobertura Vegetal

  • José Carlos de Souza Universidade Estadual de Goiás https://orcid.org/0000-0001-9760-6559
  • Elfany Reis do Nascimento Lopes Universidade Federal do Sul da Bahia
  • Jocy Ana Paixão de Sousa Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
  • Naia Godoy Padovanni Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
  • Roberto Wagner Lourenço Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Palavras-chave: TVDI, NDVI, Landsat 8, Sazonalidade Climática.

Resumo

O estudo avaliou o padrão espacial e sazonal da temperatura de superfície, umidade do solo e estresse hídrico em diferentes coberturas do solo, utilizando técnicas de geoprocessamento e sensoriamento remoto. A proposta foi aplicada na bacia hidrográfica do rio Una, no estado de São Paulo. Foram utilizadas imagens do satélite Landsat 8, datadas de janeiro (período úmido) e agosto (período seco) de 2015. Aferiu-se a umidade do solo em trinta e cinco pontos amostrais e os resultados foram interpolados pelo método do Inverso do Quadrado da Distância. O Índice de ressecamento da vegetação por temperatura (TVDI)  foi gerado a partir da temperatura de superfície e do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI). Os solos das culturas temporárias registraram as menores perdas em umidade para o período e as áreas de reflorestamento e campo alagado as maiores. O TVDI apresentou influência da sazonalidade climática, com menor estresse hídrico para as áreas de matas. Este índice mostrou-se apropriado para avaliar o déficit hídrico em diferentes coberturas do solo, com potencial para monitorar as perdas de umidade e secas severas da superfície terrestre, tanto sob efeito da sazonalidade climática quanto por ações antrópicas de transformação da paisagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Carlos de Souza, Universidade Estadual de Goiás

Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Goiás (2001) Especialização em Geografia, Meio Ambiente e Turismo pela Universidade Estadual de Goiás (2003), mestrado em Geografia, com ênfase em Geografia Física pela Universidade Federal de Goiás (2010) Doutor em Ciências Ambientais pelo ICT/Unesp - Sorocaba. Atualmente é professor DE da Universidade Estadual de Goiás, Campus Minaçu, atuando no ensino Pedologia e Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto. 

Elfany Reis do Nascimento Lopes, Universidade Federal do Sul da Bahia

Biólogo, Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (Linha de Pesquisa: Análise, Planejamento e Gestão Ambiental). Atualmente é doutorando em Ciências Ambientais (Área de Concentração: Diagnóstico, Tratamento e Recuperação Ambiental / Linha de Pesquisa: Geoprocessamento e Modelagem Matemática Ambiental) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho/Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT). Desenvolve e atua no ensino, pesquisa e extensão na área de Planejamento e Gestão ambiental, associadas às tecnologias de geoprocessamento, SIG, sensoriamento remoto e cartografia digital e temática (mapeamento de uso da terra, cobertura vegetal e diagnóstico socioambiental), análise multicritério, zoneamento, unidades de conservação, bacias hidrográficas, ecologia da paisagem e educação ambiental. Tem experiência como educador ambiental e em trabalhos técnicos de elaboração de Plano de Manejo e Zoneamento Ecológico-Econômico de Unidades de Conservação e Bacias Hidrográficas.

Jocy Ana Paixão de Sousa, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Engenheira Florestal pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (2015). Atuou como bolsista do Programa de Educação Tutorial: PET Mata Atlântica através do Ministério da Educação. Mestra em Ciências Ambientais pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) e a atualmente doutoranda em Ciências Ambientais nesta mesma instituição.

Naia Godoy Padovanni, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Geógrafa formanda pela Universidade Estadual em Campinas (Unicamp) e Mestre em Ciências Ambientais, ênfase em Geoprocessamento e Modelagem Matemática Ambiental, pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquisa Filho (UNESP). Atuação na área de ensino em Geografia e Projetos de Pesquisas relacionados a meio ambiente, geoprocessamento, licenciamento ambiental e gestão territorial.

Roberto Wagner Lourenço, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Graduado pela UNESP em Geografia (1995), com mestrado e doutorado em Geociências e Meio Ambiente obtidos em 1998 e 2002 respectivamente, ambos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Atuou como Pós-doc no ano de 2003 pelo Departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina de Botucatu (UNESP). Obteve em 2012 o título de Livre docente em Geoprocessamento pela Unesp Campus de Sorocaba. Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) Campus de Sorocaba. É responsável pelas disciplinas de Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto e Sistema de Informações Geográficas e Aplicações Ambientais do curso de Engenharia Ambiental, atuando principalmente nas áreas de Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto, Planejamento e Gestão Territorial, bem como em Saúde Ambiental. É credenciado no programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais do Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba (ICT-UNESP).

Referências

BAI, J.; YU, Y; DI, L. Comparison between TVDI and CWSI for drought monitoring in the Guanzhong Plain, China. Journal of Integrative Agriculture, 15(0): 60345-7, 2016.
BOLFE, E. L. Desenvolvimento de uma metodologia para a estimativa de biomassa e de carbono em sistemas agroflorestais por meio de imagens orbitais. 2010. 319 f. Tese (Doutorado) - Curso de Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.
BLUM, C. T.; RODERJAN, C. V.; GALVÃO, F. O clima e sua influência na distribuição da Floresta Ombrófila Densa na Serra da Prata, Morretes, Paraná. FLORESTA, v. 41, n. 3, p. 589-598, 2011.
CASTANHEIRA, L. B.; LANDIM, P. M. B.; LOURENÇO, R. W. Variabilidade do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) em áreas de reflorestamento: Floresta Estadual ‘Edmundo Navarro de Andrade’ (FEENA)/Rio Claro (SP). São Paulo, UNESP, Geociências, v. 33, n. 3, p.449-456, 2014.
CIIAGRO. Centro Integrado de Informações Agrometeorológicas. Balanço Hídrico: Resenha Agrometeorológica. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016).
CURI, N.; KAMPF, N. Caracterização do solo. In: KER, J. C. et al. Pedologia: fundamentos. Viçosa, MG: SBCS, 2012. 342 p.
GAO, B. C. NDWI: A Normalized difference water index for remote sensing of vegetation liquid water from space. Remote Sensing of Environment, v. 58, p.257- 266, 1996.
GARCÍA, S. et al. Desarrollo y aplicación de indicadores de alerta temprana frente a sequías a escala regional desde MODIS. In: RIVAS, R.; GRISOTTO, A. y SACIDO, M. (editores). Teledetección - Hacia un mejor entendimiento de la dinámica global y regional. Buenos Aires: Ed. Martin, 2007, p. 223-229.
HUANG et al. Analysis of Spatial-Temporal Variation of Agricultural Drought and Its Response to ENSO over the Past 30 Years in the Huang-Huai-Hai Region, China. Terr. Atmos. Ocean. Sci, v. 24, n. 4, Part II, p. 745-759, 2013.
IBGE. Manual Técnico de Uso da Terra. Série Manuais Técnicos em Geociências n. 07. 3. ed., Rio de Janeiro: IBGE, 2013.
ISHIMURA, A. et al. Remote sensing of Japanese beech forest decline using an improved Temperature Vegetation Dryness Index (iTVDI). Iforest - Biogeosciences And Forestry, [s.l.], v. 4, n. 5, p.195-199, 3 nov. 2011.
JENSEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. Tradução da 2ª ed. por (pesquisadores do INPE): José Carlos N. Epiphanio (coord) [et al.]; São José dos Campos: Parêntese. 2009. 672 p.
KÖEPPEN, W. Climatología. México: Fondo de Cultura Económica, 1948. 478 p.
LOURENÇO, R. W.; LANDIM, P. M. B. Estudo da variabilidade do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada – NDVI utilizando Krigagem Indicativa. HOLOS Environment, v.4, n. 1, p. 38-55, 2004.
LIU, W. T. H. Aplicações de sensoriamento remoto. Campo Grande: UNIDERP, 2006. 908p.
LIER, Q. J.; LIBARDI, P. L. Variabilidade dos parâmetros da equação que relaciona a condutividade
hidráulica com a umidade do solo no método do perfil instantâneo. R. Bras. Ci. Solo, 23:1005-1014, 1999.
MARQUES, M. C. M.; OLIVEIRA, P. A. M. Fenologia de espécies do dossel e do sub-bosque de duas Florestas de Restinga na Ilha do Mel, sul do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v.27, n.4, p.713-723, out.-dez. 2004.
MARTÍNEZ, M. S.; BART, L. C. Aproximación a la determinación del défi cit hídrico en la Región del Libertador General Bernardo O´Higgins, Chile, a partir de imágenes MODIS y datos meteorológicos. Revista de Geografía Norte Grande, 55: 109-124, 2013.
MAKI, M; ISHIAHRA, M; TAMURA, M. Estimation of leaf water status to monitor the risk of forest fires by using remotely sensed data. Remote Sensing Of Environment, [s.l.], v. 90, n. 4, p.441-450, abr. 2004.
MENGUE, V. P. et al. Índice TVDI para mapeamento das culturas de arroz irrigado e soja em áreas agrícolas de Pelotas e Camaquã/RS. Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, João Pessoa-PB, 2015.
PAU, S.; GILLESPIE, T. W.; WOLKOVICH, E. M.. Dissecting NDVI-species richness relationships in Hawaiian dry forests. Journal Of Biogeography, [s.l.], v. 39, n. 9, p.1678-1686, 2012.
PEDRONI, F.; SANCHEZ, M.; SANTOS, F. A. M. Fenologia da copaíba (Copaifera langsdorffii Desf. – Leguminosae, Caesalpinioideae) em uma floresta semidecídua no sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica., V.25, n.2, p.183-194, jun. 2002.
PEREIRA, T. S. et al. Fenologia de espécies arbóreas em Floresta Atlântica da Reserva Biológica de Poço das Antas, Rio de Janeiro, Brasil. IHERINGIA, Sér. Bot., Porto Alegre, v. 63, n. 2, p. 329-339, jul./dez. 2008.
PONZONI, F. J.; SHIMABUKURO, Y. E.; KUPLICH, T. M. Sensoriamento Remoto da Vegetação. São Paulo: Oficina de Textos, 2012. 160 p.
RAFIQUE, R. et al. Global and Regional Variability and Change in Terrestrial Ecosystems Net Primary Production and NDVI: A Model-Data Comparison. Remote Sensing, [s.l.], v. 8, n. 3, p.177-193, 25 fev. 2016.
RAHIMZADEH-BAJGIRAN, P; OMASA, K; SHIMIZU, Y. Comparative evaluation of the Vegetation Dryness Index (VDI), the Temperature Vegetation Dryness Index (TVDI) and the improved TVDI (iTVDI) for water stress detection in semi-arid regions of Iran. Isprs Journal of Photogrammetry And Remote Sensing, [s.l.], v. 68, p.1-12, mar. 2012.
SANDHOLT, I.; RASMUSSEN, K.; ANDERSEN, J. A simple interpretation of the surface temperature/vegetation index space for assessment of surface moisture status. Remote Sensing of Environment, New York, n. 79, p. 213– 224, 2002.
SCHIRMBECK, L. W. Padrão espaço temporal do TVDI em área de cultivo de soja. 2016. 78 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Sensoriamento Remoto, Centro Estadual de Pesquisas em Sensoriamento Remoto e Meteorologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.
SEIXAS, G. B. Avaliação de vegetação monodominante do Pantanal e vegetação de Cerrado, utilizando parâmetros biofísicos estimados por imagens de satélites. 2013. 102 f. Tese (Doutorado) - Pós-graduação em Física Ambiental, Instituto de Física, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2013.
SOUZA, J. C. Metodologia para avaliação ambiental em bacias hidrográficas, utilizando técnicas de geoprocessamento e sensoriamento remoto. 2014. 95 f. Tese (Doutorado) - Curso de Ciências Ambientais, Instituto de Ciência e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Sorocaba, 2017.
SOUZA, J. C. et al. Avaliação espacial e sazonal da umidade do solo utilizando técnicas de geoprocessamento e sistema de informações geográficas. IV Simpósio Brasileiro de Geomática – SBG2017. II Jornadas Lusófonas - Ciências e Tecnologias de Informação Geográfica - CTIG2017. Presidente Prudente - SP, 24-26 de julho de 2017. p. 054-059.
TEIXEIRA, R. F. B. Inferência do estado geral da umidade de superfície do solo pelo Índice de Seca Temperatura-vegetação e por imagens do satélite NOAA-17: aplicações no Semiárido do Ceará. 2010. 120 f. Tese (Doutorado) – Curso de Engenharia Civil, Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.
TUNDISI, J. G. Novas perspectivas para a gestão dos recursos hídricos. Revista USP, n. 70, p. 24-35, p. 25-35, 2006.
WAN, Z.; WANG, P.; LI, X. Using MODIS Land Surface Temperature and Normalized Difference Vegetation Index products for monitoring drought in the southern Great Plains, USA. International Journal of Remote Sensing, [s.l.], v. 25, n. 1, p.61-72, jan. 2004.
Publicado
2019-07-03
Como Citar
Souza, J. C., Lopes, E. R., Sousa, J. A., Padovanni, N., & Lourenço, R. (2019). Dinâmica Espacial e Sazonal da Temperatura, Umidade e Estresse Hídrico em Diferentes Tipos de Cobertura Vegetal. Revista Do Departamento De Geografia, 37, 80-94. https://doi.org/10.11606/rdg.v37i0.144716
Seção
Artigos