Percepção Ambiental e Climática de Alunos de Escolas Públicas de Itajubá – MG

  • Weslley Veira dos Santos Universidade Federal de Itajubá https://orcid.org/0000-0001-9421-6360
  • Michelle Simões Reboita Universidade Federal de Itajubá
  • Roger Rodrigues Torres Universidade Federal de Itajubá
  • Gabriela Marques Di Giulio Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Ensino Fundamental, Crianças, Topofilia, Topofobia

Resumo

A percepção é o processo no qual o indivíduo assimila os estímulos externos, os internaliza por meio do processo cognitivo e a eles atribui significado. Nesse sentido, a percepção ambiental e climática pode ser compreendida como a forma pela qual os indivíduos entendem os fenômenos naturais que se manifestam no seu cotidiano. O objetivo do presente estudo é conhecer a percepção ambiental e climática de estudantes de escolas públicas municipais de Itajubá-MG. Foram selecionadas quatro escolas, duas localizadas na área rural e duas localizadas na área urbana do município. Adotou-se uma estratégia metodológica quantiqualitativa, com aplicação de questionários e observação dos estudantes ao longo do ano de 2016. As análises apontaram que os estudantes não se reconhecem como integrantes do sistema atmosférico e que os estudantes inseridos no meio rural não demonstraram possuir uma percepção ambiental e climática diferenciada dos estudantes de escolas urbanas, no que se refere a descrição de elementos do meio natural e atmosférico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michelle Simões Reboita, Universidade Federal de Itajubá

Graduada em Geografia (Bacharelado, 2001) e mestre em Engenharia Oceânica (2004) pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande; doutora em Meteorologia pela Universidade de São Paulo - USP (2008). Realizou dois pós-doutorados em Meteorologia pela USP, sendo um sanduíche com a Universidade de Vigo (Espanha). Foi associada júnior do Abdus Salam International Centre for Theoretical Physics da Itália entre 2013 e 2016. É docente do Instituto de Recursos Naturais (IRN) da Universidade Federal de Itajubá (Unifei), orientadora do programa de mestrado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Unifei, pesquisadora do IRN e do Grupo de Estudos Climáticos (GrEC) do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP. Atualmente é membro da Câmara de Assessoramento de Recursos Naturais, Ciências e Tecnologias Ambientais (CRA) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), coordenadora do curso de graduação em Ciências Atmosféricas da Unifei e editora assistente da Revista Brasileira de Meteorologia. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Meteorologia Sinótica, Climatologia e Modelagem Climática.

Roger Rodrigues Torres, Universidade Federal de Itajubá

Professor Adjunto 2 do Instituto de Recursos Naturais (IRN) da Universidade Federal de Itajubá (Unifei). Possui bacharelado em Física pela Universidade Estadual Paulista (UNESP/Rio Claro) e mestrado e doutorado em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/INPE). Atua principalmente nos seguintes temas: climatologia, modelagem numérica regional de tempo e clima, e mudanças climáticas.

Gabriela Marques Di Giulio, Universidade de São Paulo

É professora doutora do Departamento de Saúde Ambiental da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP). Tem doutorado em Ambiente e Sociedade pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp-2010), mestrado em Política Científica e Tecnológica pelo Instituto de Geociências da Unicamp (2006), especialização em Jornalismo Científico pela Unicamp (2004) e graduação em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp-2001). Realizou estágio de pós-doutoramento no Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (NEPAM - Unicamp) entre 2011 e 2013. Realizou estágio de doutorado sanduíche em 2009 no Institute of Hazard, Risk and Relisience (Durham University, Inglaterra) e estágio de pesquisa no exterior na Stuttgart University, Alemanha, em 2012. Integra o Grupo de Pesquisa Meio Ambiente e Sociedade do Instituto de Estudos Avançados da USP, é pesquisadora permanente do Núcleo Interdisciplinar de Estudos em Ciências Sociais e Sustentabilidade (NIECSS) e da Rede Ibero-americana de Pesquisa em Ambiente e Sociedade. Áreas de interesse: Ambiente e Sociedade; Ciência e Comunicação; Riscos e Incertezas; Comunicação, Percepção e Governança do Risco; Processos Decisórios; Dimensões Humanas das Mudanças Climáticas.

Referências

BARROS, H.C.; PINHEIRO, J.Q. Mudanças climáticas globais e o cuidado ambiental na percepção de adolescentes: uma aproximação possível. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Paraná, v. 40, p.189-206, abr. 2017. http://dx.doi.org/10.5380/dma.v40i0.49061.
BRASIL, G. Brasil é líder mundial na incidência de raios por ano. Net, Brasília, out. 2016. Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2017.
FOGAÇA, T. K.; LIMBERGER, L. Percepção ambiental e climática: estudo de caso em colégios públicos do meio urbano e rural de Toledo–PR. Revista do Departamento de Geografia – USP, São Paulo, v. 28, p.134-156, 2014. https://doi.org/10.11606/rdg.v28i0.521
GOBO, J.P.A. et al. A Influência do Vento regional na sensação térmica de pedestres em espaços urbanos abertos: estudo de caso do dento norte em Santa Maria - RS. Raega: O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, v. 40, p.110-129, out. 2016.
IBGE (Org.). Itajubá. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2017.
KOTTEK, M. et al. World Map of Köppen-Geiger climate classification updated. Meteorologische Zeitschrift, v. 15, n. 3, p. 259-263, 2006.
OLIVEIRA, C.M.A. S. O ambiente urbano e a formação da criança. 2002. 163 f. Tese (Doutorado) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
OLIVEIRA, F.L.; NUNES, L.H.. A percepção climática no município de Campinas, SP: confronto entre o morador urbano e o rural. Geosul, Florianópolis, v. 43, n. 22, p.77-102, jun. 2007.
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ITAJUBÁ-MG (SEMED). Programa de intervenção pedagógica – PIP, Matriz curricular: Ciclo Complementar – 4º e 5º anos do Ensino Fundamenta, 2015.
REBOITA, M. S., SOUZA, D. C., RAMALHO, V., 2013. Water Balance and Aridity Index in Itajubá. In: V SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CLIMATOLOGIA, 2013, Florianópolis. Interação Oceano-Atmosfera: Impactos Climáticos no Presente e Cenários Futuros.
REBOITA, M. S. et al. Aspectos Climáticos do Estado de Minas Gerais (Climate Aspects in Minas Gerais State). Revista Brasileira de Climatologia, Paraná, v. 17, p.206-226, dez. 2015. http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v17i0.41493
REBOITA, M. S.; RIONDET-COSTA, D. R. T.; SANTOS, W. V.; SILVA, B.; ASSIREU, A. T. Amigos do Clima: Atividades com alunos da educação básica. Revista Brasileira de Geografia Física, Pernambuco, v. 10, n; 6, p. 1690-1697, out. 2017.
RIBEIRO, A.A.; ZAVATTINI, J.A. Percepção climática na região das missões, Rio Grande do Sul, Brasil: método de escolha da amostra de população rural perceptivamente mais ativa em Santo Antônio das Missões, estratégia – A. in: XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA, VARIABILIDADE E SUSCETIBILIDADE CLIMÁTICA: IMPLICAÇÕES ECOSSISTÊMICAS E SOCIAIS, 7, 2016, Goiânia. Anais... Goiânia: SBCG, 2016. p. 2568 - 2580.
RIBEIRO, C. R.; AFFONSO, E. P.. Avaliação da percepção ambiental de alunos do ensino fundamental residentes na bacia hidrográfica do córrego São Pedro – Juiz de Fora/MG. Boletim de Geografia, Paraná, v. 30, n. 2, p.73-85, 2 jul. 2012. http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v30i2.10077.
RODAS, C.A.; GIULIO, G.M.. Mídia brasileira e mudanças climáticas: uma análise sobre tendências da cobertura jornalística, abordagens e critérios de noticiabilidade. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Paraná, v. 40, p.101-124, abr. 2017. http://dx.doi.org/10.5380/dma.v40i0.49002
RUOSO, D. A percepção climática da população urbana de santa cruz do Sul/RS. Raéga: O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, v. 25, p.64-91, 2012.
SANTOS, W. V.; REBOITA, M. S. Percepção ambiental e climática: estudo de caso em escolas públicas em áreas urbanas e rurais de Itajubá-MG. In: SEMINÁRIO DE RECURSOS NATURAIS, 4.; 2017, Itajubá: UNIFEI, 2017.
SARTORI, M.G.B.. Clima e Percepção Geográfica: Fundamentos teóricos à percepção climática e à bioclimatologia humana. Santa Maria: Pallotti, 2014. 192 p.
SPECIAN, V.; PAIVA, D.G.; ROCHA, T. Percepção climática: as chuvas e tempo para os moradores de Arenópolis – Goiás. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS. 2016, São Luís - Ma. VIII Encontro Nacional de Geógrafos - A construção do Brasil: Geografia, ação política e democracia, 2016, São Luís: UEG, 2016. p. 56 - 67.
TOMINAGA, L. K; S., J; A., R. (Orgs.) Desastres Naturais: conhecer para prevenir. 1.ed/2° reimpressão. São Paulo: Instituto Geológico, 2011. 196 pp.
TUAN, Y. Paisagem do medo. Trad. Lívia de Oliveira. São Paulo: Editora UNESP, 2005.
TUAN, Y. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Tradução prefácio e notas: Lívia de Oliveira. São Paulo: DIFEL, 2012.
Publicado
2019-07-04
Como Citar
dos Santos, W., Reboita, M., Torres, R., & Di Giulio, G. (2019). Percepção Ambiental e Climática de Alunos de Escolas Públicas de Itajubá – MG. Revista Do Departamento De Geografia, 37, 70-79. https://doi.org/10.11606/rdg.v37i0.149132
Seção
Artigos