Fragilidade Ambiental: uma Proposta de Aplicação de Geomorphons para a Variável Relevo

Palavras-chave: Parâmetros Morfológicos, Elementos de Formas do Relevo, Extração Automática, Presidente Prudente/SP

Resumo

Considerando a importância da variável relevo como determinante para a identificação de unidades de paisagem e para a análise de dinâmicas e processos relacionados à erosão dos solos e à ocorrência de inundações, o presente artigo propõe a incorporação de dados morfológicos a partir da classificação automatizada dos elementos de relevo (geomorphons), na análise da Fragilidade Ambiental. Foram elaborados mapas de Fragilidade Potencial e Fragilidade Emergente utilizando três modelos: A) Com parâmetros morfológicos (elementos de formas do relevo) extraídos de mapa geomorfológico elaborado analogicamente e parâmetros morfométricos (declividades), conforme recomendado por Ross (1990, 1994); B) Apenas a declividade como parâmetro morfométrico; e, C) Com parâmetros morfológicos (elementos de formas do relevo) extraídos automaticamente de MDE (geomorphons) e parâmetros morfométricos (declividades). Para avaliar cada modelo, aplicou-se o coeficiente de determinação linear (r²) entre os níveis de fragilidade ambiental emergente determinados e a ocorrência de processos erosivos lineares identificados por IPT (2012). A comparação dos três modelos demonstrou que a inserção de parâmetros morfológicos permite determinar e delimitar os níveis de fragilidade de forma mais precisa e detalhada do que quando se utiliza apenas parâmetros morfométricos, como a declividade. Além do mais, a possibilidade de identificação de áreas de planícies fluviais nos modelos que incluem parâmetros morfológicos evita a classificação de tais áreas como sendo áreas sem restrições do meio físico à ocupação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Cristina Moroz-Caccia Gouveia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Professora Assistente Doutora do Departamento de Geografia - FCT/UNESP (Presidente Prudente)

Jurandyr Luciano Sanches Ross, Universidade de São Paulo

É geógrafo formado pela Universidade de São Paulo (1972), com mestrado e doutorado em Geografia (Geografia Física) pela Universidade de São Paulo (1987). Professor titular da Universidade de São Paulo, foi chefe do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geomorfologia, atuando principalmente nos seguintes temas: geomorfologia, cartografia, gestão ambiental, zonamento ecológico-econômico e planejamento ambiental territorial.Foi consultor do MMA para projetos de ZEE no período 1992/2002.Atuou como consultor ou orientação tecnica científica em diversos projetos de Zoneamento Ecológico-econômico, Planos Diretores Municipais e Planos de Manejo de Unidades de Conservação Federais e Estaduais.

Referências

BRASIL, Decreto nº 4.297, de 10 de julho de 2002, regulamenta o art. 9º, inciso II, da Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, estabelecendo critérios para o Zoneamento Ecológico-Econômico do Brasil - ZEE, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4297.htm>.Acesso em: 12 set. 2018.

FUSHIMI, M. & NUNES, J. O. R. Principais classes de solos no município de Presidente Prudente – SP: Identificação e caracterização. Boletim Goiano de Geografia, vol. 32, Goiânia, 2015, p. 45-58.

GUIRRA, A. M. P. et al (2016) A evolução metodológica de Fragilidade Ambiental no Brasil e seu aspecto transdisciplinar In: Anais do IV Simpósio Nacional sobre Cidades Pequenas, Universidade Federal de Uberlândia | Observatório das Cidades, Ituiutaba, 2016, p. 234-250.

IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Cadastramento de pontos de erosão e inundação no Estado de São Paulo, Relatório Técnico 131.057 – 205 Departamento de Águas e Energia Elétrica – DAEE, São Paulo, 2012.

JASIEWICZ, J.; STEPINSKI, T. F. Geomorphons - a pattern recognition approach to classification and mapping of lanforms. Geomorphology, n. 182, p. 147-156. 2013.

MASSA, E., & ROSS, J. L. Aplicação de um modelo de Fragilidade Ambiental relevo-solo na Serra da Cantareira, bacia do Córrego do Bispo, São Paulo – SP. Revista do Departamento de Geografia, 24, São Paulo, 2012, 57-79.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA). Diretrizes metodológicas para o Zoneamento Ecológico-Econômico do Brasil. 2006. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/PZEE/_arquivos/diretrizes_2006_parte1.pdf>. Acesso em: 12 set. 2018

MOROZ-CACCIA GOUVEIA, I. C.; NUNES, J. O.; GOUVEIA, J. M. C.; FUSHIMI, M. Mapa geomorfológico semidetalhado do município de Presidente Prudente – SP. In: Anais do XI Simpósio Nacional de Geomorfologia, Maringá, 2016. Disponível em http://www.sinageo.org.br/2016/trabalhos/6/6-58-668.html

NEPOMUCENO, P., & LUCHIARI, A. Mapeamento morfológico de detalhe: Experiências para a integração entre técnicas de Fotointerpretação e Sistemas de Informações Geográficas no Município de Salesópolis - SP. Revista do Departamento de Geografia, 28, São Paulo, 2015, 198-220.

PINESE JÚNIOR, J., & RODRIGUES, S. (2012). O método de análise hierárquica – AHP – como auxílio na determinação da vulnerabilidade ambiental da bacia hidrográfica do Rio Piedade (MG). Revista do Departamento de Geografia, 23, São Paulo, 2012, 4-26.

ROBAINA, L. E. de S.; TRENTIN, R.; LAURENT, F. Compartimentação do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil, através do uso de Geomorphons obtidos em Classificação Topográfica Automatizada. Revista Brasileira de Geomorfologia (Online), v. 17, n. 2, São Paulo, 2016, p. 287 – 298.

ROSS, J. L. S. & FIERZ, M. de S. M. Geomorfologia aplicada ao planejamento ambiental territorial: potencialidades e fragilidades in: MAGNONI JÚNIOR, L. et al (orgs) Redução do risco de desastres e a resiliência no meio rural e urbano, Centro Paula Souza, São Paulo, 2017. p.58-77

ROSS, J. L. S. Landforms and environmental planning: potentialities and fragilities Revista do Departamento de Geografia, volume especial 30 anos, São Paulo, 2012, p. 38-52

ROSS, J. L. S. Ecogeografia do Brasil: subsídios para planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2006. 208p.

ROSS, J. L. S. Geomorfologia aplicada aos EIAs-RIMAs. In: GUERRA, A. J. T. & CUNHA, S. B. da (org.). Geomorfologia e meio ambiente. Bertrand Brasil: Rio de Janeiro, 1996. p 291 -336

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia,.8, São Paulo, 1994. p. 63-74

ROSS, J. L. S. Geomorfologia: ambiente e planejamento. São Paulo: Contexto, 1990. 88p.

SANTOS, J. de O. Relações entre Fragilidade Ambiental e Vulnerabilidade Social na susceptibilidade aos riscos, Revista Mercator, v. 14, n. 2, Fortaleza, 2015, p. 75-90.

SÃO PAULO, CPLA/SMA, Mapeamento de cobertura da terra do estado de São Paulo – 2010 – Escala 1:100.000 – Coordenadoria de Planejamento Ambiental, Secretaria do Meio Ambiente do estado de São Paulo, São Paulo, 2013 Disponível em: <http://www2.ambiente.sp.gov.br/cpla/cessao-de-dados/> Acesso em 27 de ago. 2018.

SILVEIRA, C. T. da et al Classificação automatizada de elementos do relevo no estado do Paraná (Brasil) por meio da aplicação da proposta dos geomorphons. Revista Brasileira de Geomorfologia. (Online), v.19, n.1, São Paulo, 2018, p.33-57

SPÖRL, C., CASTRO, G. E., LUCHIARI, A. Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Construção de Modelos de Fragilidade Ambiental, Revista do Departamento de Geografia, 21, São Paulo, 2011, p. 113-135.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, Diretoria Técnica, SUPREN, Rio de Janeiro, 1977. 91 p.

VALERIANO, M. de M. Dados Topográficos in: FLORENZANO, T. G (Org.) Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008. p. 72- 104

Publicado
2019-07-03
Como Citar
Moroz-Caccia Gouveia, I., & Ross, J. (2019). Fragilidade Ambiental: uma Proposta de Aplicação de Geomorphons para a Variável Relevo. Revista Do Departamento De Geografia, 37, 123-136. https://doi.org/10.11606/rdg.v37i0.151030
Seção
Artigos