Modelo Geoespacial para a Identificação de Áreas com Perigo de Propagação de Queimadas no Parque Nacional da Serra da Canastra

Palavras-chave: Incêndios florestais; Unidade de Conservação; Mapeamento de risco; Teste Kolmogorov-Smirnov.

Resumo

Apesar do fogo ser parte da dinâmica e evolução do Cerrado, queimadas de forma indiscriminada são um problema para a longevidade de Unidades de Conservação (UC). O Parque Nacional da Serra da Canastra (PNSC), localizado a Sudoeste do estado de Minas Gerais, Brasil, tem o fogo como uma das principais atividades conflitantes. Este trabalho tem como objetivo criar uma metodologia para a geração de um modelo de perigo potencial de propagação de queimadas, aplicado no PNSC. Para isto, foram mapeadas variáveis geoambientais associadas à propagação do fogo, sendo elas: hipsometria, declividade, efeito do vento nas encostas, índice de convexidade das vertentes, índice de vegetação, densidade de drenagem e densidade de vias. A dependência espacial entre as áreas de alta recorrência de queimadas e estas variáveis geoambientais foi avaliada pelo teste Kolmogorov-Smirnov, que foi também utilizado para atribuir pesos às variáveis. A modelagem foi realizada em Sistemas de Informações Geográficas (SIG) e empregou mapas probabilísticos Fuzzy. Os resultados mostraram que o Chapadão da Canastra e o Chapadão da Babilônia apresentam perigo de propagação elevado. O perigo de propagação nas depressões intermontanas é médio, e na zona de amortecimento, o perigo é baixo. O modelo foi validado, o que comprovou a eficiência desta metodologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cassiano Gustavo Messias, Departamento de Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas

Departamento de Geografia

Área: Sensoriamento Remoto, Análise Espacial e Cartografia

Marcos César Ferreira, Departamento de Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas

Departamento de Geografia

Referências

AJIN, R. S.; LOGHIN, A. M.; KARKI, A.; VINOD, P. G.; JACOB, M. K. Delineation of forest fire risk zones in Thenmala forest division, Kollam, Kerala, India: a study using geospatial tools. J. Wetlands Biodiversity, v. 6, p. 175-184, 2016.
ALLGÖWER, B.; CARLSON, J. D.; WAGTENDONK, J. W. Introduction to fire danger rating and remote sensing: will remote sensing enhance wildland fire danger rating? In.: CHUVIECO, E (ed.). Wild fire danger estimation and mapping: the role of remote sensing data. Danvers, EUA: World Scientific Publishing Co. Pte. Ltd., 2003. p. 1 – 19
BÖHER, J.; ANTONIC, O. Land Surface Parameters Specific to Topo-Climatology. HENGL, T.; REUTER, H. I. In.: Geomorphometry: Concepts, software, applications. Oxford: Elsevier, 2009.
CARVALHO, E. V.; BATISTA, A. C.; COELHO, M. C. B.; NEVES, C. O. M.; SANTOS, G. R.; GIONGO, M. Caracterização de áreas queimadas no estado do Tocantins no ano de 2014. Floresta, v. 47, n. 3, p. 269-278, 2017.
COURA, P. H. F.; SOUZA, G. M.; FERNANDES, M. C. Mapeamento Geoecológico da Susceptibilidade à Ocorrência de Incêndios no Maciço da Pedra Branca, Município do Rio de Janeiro. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, v. 32, n. 2, p. 14-25, 2009.
CHUVIECO, E.; AGUADO, L.; YEBRA, M.; NIETO, H.; SALAS, J.; MARTÍN, M. P.; VILAR, L.; MARTINÉZ, J.; MARTÍN, S.; IBARRA, P.; RIVA, J. de la; BAEZA, J.; RODRÍGUEZ, F.; MOLINA, J. R.; HERRERA, M. A.; ZAMORA, R. Development of a framework for fire risk assessment using remote sensing and geographic information system technologies. Ecological Modelling, v. 221, p. 46-58, 2010.
CONTI, J. B.; FURLAN, S. A. Geoecologia: o clima, os solos e a biota. In.: ROSS, J. L. S. (org.) Geografia do Brasil. 6ª ed. São Paulo: Edusp, 2011.
COSTA-MILANEZ, C. B.; RIBEIRO, F;. F.; CASTRO, P. T. A.; MAJER, J. D.; RIBEIRO, S. P. Effect of Fire on Ant Assemblages in Brazilian Cerrado in Areas containing Vereda Wetlands. Sociobiology, v. 62, n. 4, p. 494-505, 2015.
CUI, W.; PERERA, A. H. What do we know about forest fire size distribution, and why is this knowledge useful for forest management? International Journal of Wildland Fire, v. 17, p, 234-244, 2008.
DURIGAN, G.; RATTER, J. A. The need for a consistent fire policy for Cerrado conservation. Journal of Applied Ecology, v. 53, p. 11-15, 2016.
ESKANDARI, S.; CHUVIECO, E. Fire danger assessment in Iran based on geospatial information. International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation, v. 42, p. 57–64, 2015.
FERREIRA, M. C. Iniciação à análise geoespacial: teoria, técnicas e exemplos para geoprocessamento. Rio Claro: Ed. Unesp, 2014.
FRANKE, J.; BARRADAS, A. C. S.; BORGES, M. A.; COSTA, M; M.; DIAS, P. A.; HOFFMANN, A. A.; OROZCO FILHO, J. C.; MELCHIORI, A. E.; SIEGERT, F. Fuel load mapping in the Brazilian Cerrado in support of integrated fire management. Remote Sensing of Environment, v. 217, p. 221-232, 2018.
GAGNON, P. R.; PASSMORE, H. A; SLOCUM, M.; MYERS, J. A.; HASRMS, K. E.; PLATT, W. J.; PAINE, C. E. T. Fuels and fires influence vegetation via above- and belowground pathways in a high-diversity plant community. Journal of Ecology, v. 103, p. 1009-1019, 2015.
GOMES, L.; MIRANDA, H. S.; BUSTAMANTE, M. M. C. How can we advance the knowledge on the behavior and effects of fire in the Cerrado biome? Forest Ecology and Management, v. 417, p. 281-290, 2018.
IWAHASHI, J.; RICHARD, P. Automated classifications of topography from DEMs by an unsupervised nested-means algorithm and a three-part geometric signature. Geomorphology, v. 86, p. 409-440, 2007.
MAGALHÃES, S. R.; LIMA, G. S.; RIBEIRO, G. A. Avaliação dos incêndios florestais ocorridos no Parque Nacional da Serra da Canastra – Minas Gerais. Cerne, v. 18, n. 1, p. 135-141, 2012.
MESSIAS, C. G.; FERREIRA, M. C. Mapeamento têmporo-espacial das queimadas no Parque Nacional da Serra da Canastra (MG) e suas relações com as zonas de planejamento. In: PEREZ FILHO, A.; AMORIM, R. R. Os desafios da Geografia Física na fronteira do conhecimento. Campinas: UNICAMP, 2017.
MMA; IBAMA. Plano de Manejo: Parque Nacional da Serra da Canastra. Brasília: MMA, 2005.
MMA; ICMBIO; PNSC. Processo 02070.000978/2018-19 / SEI 2668224. O parque Nacional da Serra da Canastra: breves considerações históricas, logísticas e gerenciais. São Roque de Minas: SEI, 2018.
POLDONI, L.; GANIS, P.; VIDALI, M.; ALTOBELLI, A.; BALDER, F.; CANTELE, S. Inclusion of phytosociological data in an index of vegetation fire danger: application and mapping on the Karst area around Trieste (Italy). Official Journal of the Societa Botanica Italiana, v. 152, n. 4; p. 810-817, 2017.
RISSI, M. N.; BAEZA, M. J.; GORGONE,-BARBOSA, E.; ZUPO, T.; FIDELIS, A. Does season affect fire behaviour in the Cerrado? International Journal of Wildland Fire, v. 26, 427-433, 2017.
STEVENS, J. T.; BECKAGE, B. Fire feedbacks facilitate invasion of pine savannas by Brazilian pepper (Schinus terebinthifolius). New Phytologist, v. 184, p. 365–375, 2009.
TAYLOR, P. J. Inferential statistic. In: TAYLOR, P. J. Quantitative methods in geography. Boston, Houghton Mifflin Co., p. 102-123, 1977.
TORRES, F. T. P. Relação entre fatores climáticos e ocorrência de incêndios florestais na cidade de Juiz de Fora (MG). Caminhos de Geografia, v. 7, n. 18, p. 162-171, 2006.
Publicado
2019-12-10
Como Citar
Messias, C., & Ferreira, M. (2019). Modelo Geoespacial para a Identificação de Áreas com Perigo de Propagação de Queimadas no Parque Nacional da Serra da Canastra. Revista Do Departamento De Geografia, 38, 154-168. https://doi.org/10.11606/rdg.v38i1.153493
Seção
Artigos