Dinâmica do Uso e Ocupação da Terra em Área de Expansão da Fronteira Agrícola no Baixo Curso do Rio Palmeiras, Estado do Tocantins

Palavras-chave: Cartografia Temática, Alterações Ambientais, Bacia Hidrográfica, Carste, Cerrado

Resumo

O sistema socioeconômico impõe alterações à dinâmica do uso da terra. Assim, esse trabalho possui como objetivo analisar a dinâmica do uso e cobertura da terra, ao longo de 49 anos (1968-2017), no setor Sul da bacia hidrográfica do rio Palmeiras (TO), destacando elementos do sistema socioeconômico e suas relações com processos de alterações sobre a hidrografia e o relevo desenvolvido sobre litologias calcárias. O setor do baixo curso da bacia hidrográfica do rio Palmeiras foi selecionado como fragmento representativo das alterações ambientais regionais. Para a área foram realizados mapeamentos de uso e cobertura da terra (1968 e 2017) e geomorfológico (1968), ambos na escala 1:25.000, além de trabalhos de campo. Os resultados permitiram constatar alterações na hidrografia com a construção de represas para consumo d’água pelo gado e reservatórios para geração de energia por meio da criação de uma Pequena Central Hidrelétrica; diminuição das áreas de Cerrado, que ocupavam 77,46% da área no ano de 1968 e passou a ocupar 22,65% em 2017; além do aumento nas áreas destinadas à pastagem, que passou a ocupar 56,01% da área em 2017, face aos 0,09% ocupados em 1968, sendo que essa ocorre de forma extensiva e em alguns setores, sobre relevos cársticos, que são aos poucos descaracterizados. Assim, pretende-se contribuir com discussões acerca dos controles impostos pelo sistema socioeconômico aos sistemas físicos em áreas de expansão agropecuária na região Norte do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Giuliana Paschoal, Universidade Federal do Tocantins

Licenciada e Bacharel em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP/Campus Rio Claro), nos anos de 2007 e 2008, respectivamente. Mestre em Geologia Regional (2010) e Doutora em Geografia, com ênfase em Organização do Espaço (2014), ambos realizados em Programas de Pós-Graduação da UNESP, Campus de Rio Claro. Estágio de pesquisa no exterior realizado durante o Doutorado na Universidade de Coimbra, Portugal (2013). Pós-Doc em Geografia pela Universidade Federal de Tocantins (UFT/Campus Porto Nacional). Possui experiência docente com atuação nos níveis de ensino Superior, Técnico e Médio. Desenvolve pesquisas na área de Geografia Física, aplicada à análise e planejamento ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: Geomorfologia antropogênica, bacia hidrográfica, cartografia geomorfológica e sistemática, análise da dinâmica morfo-hidrográfica e geotecnologias.

Fernando de Morais, Universidade Federal do Tocantins

Possui graduação em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Estadual do Tocantins(2000), mestrado em Evolução Crustal e Recursos Naturais pela Universidade Federal de Ouro Preto(2003), doutorado em Evolução Crustal e Recursos Naturais pela Universidade Federal de Ouro Preto(2007) e pós-doutorado pela Universidad de Zaragoza(2015). Atualmente é Professor Associado I da Universidade Federal do Tocantins, Membro de corpo editorial da Interface (Porto Nacional), Revisor de periódico da Interface (Porto Nacional), Revisor de periódico da Espeleo-Tema (São Paulo), Revisor de periódico do Caderno de Geografia (PUCMG. Impresso), da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Revisor de projeto de fomento do Fundação de Apoio e Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do MS, Revisor de periódico da Revista Brasileira de Geomorfologia e Revisor de periódico da Revista Brasileira de Geografia Física. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geografia Física. Atuando principalmente nos seguintes temas:eletrorresistividade, bacia hidrográfica, infiltração, condutividade hidráulica.

Referências

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente; IBAMA; Embrapa; INPE; UFG; UFU. Projeto TerraClass Cerrado. Mapeamento do Uso e Cobertura Vegetal do Cerrado. 2013, 23 p. Disponível em: . Acesso em 11 de agosto de 2017.
CAMPOS, J. E. G.; DARDENNE, M. A. Origem e evolução tectônica da bacia Sanfranciscana. Revista Brasileira de Geociências, 27(3):283-294, setembro de 1997.
CASTRO, C. N. de.; A agropecuária na região norte: oportunidades e limitações ao desenvolvimento. Texto para discussão. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Brasília: Rio de Janeiro: 2013. Disponível em . Acesso em 28 de Outubro de 2017.
EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Palmeiral. Disponível em: . Acesso em 10 de set. de 2017a.
EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Vegetação Campestre. Disponível em: . Acesso em 10 de set. de 2017 b.
EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Veredas. Disponível em: . Acesso em 10 de set. de 2017 c.
FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. São Paulo, Companhia das letras, 34ª. ed., 2007, 351 p.
GIRARDI, E. P. Proposição teórico-metodológica de uma cartografia geográfica crítica e sua aplicação no desenvolvimento do atlas da questão agrária brasileira. UNESP. Tese de Doutorado, Presidente Prudente, 2008. Disponível em: . Acesso em 28 de Agosto de 2017.
IBGE, Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. Manual técnico de uso da terra. 3 ed. Brasília: IBGE, 2013. 171 p. (Manuais Técnicos em Geociências, n. 7).
IBGE, Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. Produção agrícola por regiões no ano de 2014. Disponível em . Acesso em 17 de Julho de 2018.
INPE, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Projeto Monitoramento Cerrado. Disponível em . Acesso em 05 de Março de 2018.
KARMANN, I., SANCHEZ, L.E. Distribuição das Rochas Carbonáticas e Províncias Espeleológicas do Brasil. Espeleo-Tema, n.13, p.105-167, 1979.
KIANG, C. H.; SILVA, F. P. Contribuição ao arcabouço geológico do sistema aquífero Urucuia. São Paulo, UNESP, Geociências, v. 34, n. 4, p.872-882, 2015.
MORAIS, F. de. Caracterização geomorfológica da região de Aurora do Tocantins, Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia. v. 14, nº 2, 2013, p. 163-170.
PASCHOAL, L. G.; CONCEIÇÃO, F. T.; CUNHA, C. M. L. Utilização do ArcGis 9.3 na elaboração de simbologias para mapeamentos geomorfológicos: Uma aplicação na área do Complexo Argileiro de Santa Gertrudes/SP. 2010. In: VIII Simpósio Nacional de Geomorfologia. Recife: 2010, 13 p.
PASCHOAL, L. G.; MORAIS, F. Contribuição à avaliação da criação de simbologias para mapeamentos geomorfológicos sobre imagens anáglifos georreferenciadas em ambiente SIG. In: XVII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada – SBGFA; I Congresso Nacional de Geografia Física. Campinas, SP: 2017.
PENTEADO, M. M. Fundamentos de geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 1978, 185 p.
PRADO JR., C. A revolução brasileira; A questão agrária no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1ª. ed., 2014, 463 p.
PRADO JR., C. Formação do Brasil contemporâneo. 1ª. Ed. São Paulo, Companhia das Letras, 2011, 446 p.
RIBEIRO, J. F. & WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: S. M. Sano & S. P. Almeida (eds.). Cerrado: ambiente e flora. Embrapa Cerrados, Planaltina, 1998, p. 87-166.
RODRIGUES, M. L.; CUNHA, L. RAMOS, C.; PEREIRA, A. R.; TELES, V. DIMUCCIO, L. Glossário ilustrado de termos cársicos. Lisboa: Colibri artes gráficas, 2007, 167 p.
SANTOS, A. I. C. dos. Análise dos procedimentos para implantação de Pequenas Centrais Hidrelétricas no estado de Tocantins: estudo de caso na bacia do rio Palmeiras. Dissertação de Mestrado. 116 f. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.
SEPLAN - Secretaria do Planejamento e da Modernização da Gestão Pública. Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial. Superintendência de Pesquisa e Zoneamento Ecológico-Econômico. Diretoria de Zoneamento Ecológico-Econômico - DZE. Organizado e atualizado por Paulo Augusto Barros de Sousa, Rodrigo Sabino Teixeira Borges e Ricardo Ribeiro Dias. 6. ed. rev. atu. Palmas: Seplan, 2012. 80 p. Disponível em: Acesso em 27 de Agosto de 2017.
SILVA. F. F.; MORAIS F. Índice de perturbações ambientais em áreas cársticas do estado do Tocantins – primeira aplicação no Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física, v.09, n.03 (2016) 766-777.
SOUZA, T. A. de.; OLIVEIRA, R. C. Avaliação da potencialidade de imagens tridimensionais em meio digital para o mapeamento geomorfológico. Revista GeoNorte. Manaus/AM, Edição Especial, v.2, n.4, p.1348 – 1355, 2012.
TRICART, J. Principes et méthodes de la géomorphologie. Paris: Masson, 1965.
VERSTAPPEN, H. T.; ZUIDAN, R. A. van. ITC System of geomorphological survey. Manual ITC Textbook, Netherlands: Enschede, 1975, v. 1.
ZALÁN, P. V.; ROMEIRO-SILVA, P. C. Bacia do São Francisco. Boletim de Geociências da Petrobras. v. 15, n.2, p. 561-571. 2007.
Publicado
2019-07-06
Como Citar
Paschoal, L., & de Morais, F. (2019). Dinâmica do Uso e Ocupação da Terra em Área de Expansão da Fronteira Agrícola no Baixo Curso do Rio Palmeiras, Estado do Tocantins. Revista Do Departamento De Geografia, 37, 15-29. https://doi.org/10.11606/rdg.v37i0.154044
Seção
Artigos