A Paisagem Percebida por um Sistema Complexo

Palavras-chave: Percepção, Complexidade, Observador, Leituras Momentâneas, Efêmeras

Resumo

O que é o sujeito que percebe a Paisagem? O que é a percepção, o conhecimento, realizado por este sujeito? Na cultura científica moderna o sujeito do conhecimento foi considerado um ser racional e equilibrado que poderia conhecer o mundo objetivamente, sem a influência das subjetividades individuais e sociais. A percepção da Paisagem na Geografia pela abordagem sistêmica carrega essa influência. A Teoria da Complexidade traz novas leituras sobre o sujeito e sua percepção, com repercussões sobre a percepção da Paisagem. Os argumentos se deram num viés biológico cibernético-funcional, apresentando a proposta da Biologia do Conhecer. Os contatos com a Paisagem se deram pelas congruências e divergências com leituras já realizadas pelos autores conhecidos. Pela Complexidade a ciência analítica deixa de ser um campo objetivo, não existindo um sujeito racional , e sim um sujeito bioantroposocial auto-reflexivo que buscar uma objetivação de suas práticas. O sujeito/observador é um sistema complexo e a Paisagem se torna ao mesmo tempo individual e social, pois não separa a ideologia do sujeito (que é socialmente construída) da sua individualidade autônoma – e isso em termos biológicos. A percepção da Paisagem se torna momentânea e efêmera,dependente das condições singulares de quem observa, no momento que observa; variando de acordo com as condições do organismo em sua relação com o ambiente – que também é variante. O sujeito como o organismo caracteriza-se por ser um processo em transformação, com a leitura da paisagem variando de acordo com essa ininterrupta transformação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Dutra Gomes, Departamento de Ciências Geográficas, Universidade Federal de Pernambuco

Departamento de Ciências Geográficas, Pós-graduação em Geografia/ CFCH/UFPE. Trabalha na área de Epistemologia da Geografia, História do Pensamento, Geossistema, Teoria da Paisagem, Estudos Ambientais

Jeferson Emanuel de Lemos, Departamento de Geocências, Universidade Federal da Paraíba

Programa de Pós-graduação em Geografia, Departamento de Geocências, Universidade Federal da Paraíba – João Pessoas, Paraíba, Brasil. Graduado em Geografia pela Universidade Federal em Pernambuco. Mestrando em Geografia pela Universidade Federal da Paraíba.

Referências

ATLAN, H. Consciência e Desejo em Sistemas Auto-organizados. MORIN, R. PIATTELLI-PALMARINI, M., BÉJIN, A. A unidade do homem: invariantes biológicos e universais culturais. Vol. II. São Paulo: Cultrix : Ed. USP, 1978, p176-193.
BACHELARD, G. Epistemologia. Rio de Janeiro : Zahar editores, 1977.
BÉJIN, A. Teoria da cognição e epistemologia da observação. In: MORIN, E. PIATTELLI-PALMARINI, M (Orgs). A unidade do Homem. Vol. II. São Paulo : Cultrix : ed. USP, 1978, p.126-129.
BERTALANFFY, L. V. Teoria Geral dos Sistemas. Petrópolis : Editora Vozes, 1973, 351p.
BERTRAND, C. BERTRAND, G. Uma Geografia Transversal – e de travessias – O meio ambiente através dos territórios e das temporalidades. Maringá: Ed. Massoni, 2002.
DESCARTES, R. O mundo ou Tratado da luz e O homem. Campinas: Unicamp, 2009.
DUPUY, J. Nas origens das ciências cognitivas. São Paulo : Edit da Univer. Paulista, 1996.
DUTRA GOMES, R. Ontologia Sistêmica: construção do espaço e perspectiva ambiental. GEOUSP, 25, p.109-122, 2009.
DUTRA-GOMES, R. Geografia e Complexidade: das diferenciações de áreas à Nova Cognição do Sistema Terra-Mundo. Tese de Doutorado, Instituto de Geociências, UNICAMP/Campinas, 2010.
DUTRA-GOMES, Rodrigo; VITTE, Antonio Carlos . Geografia: sobre sua unidade e fragmentação. Revista Terra Livre, v. v.2, p. 121-149, 2012.
DUTRA-GOMES, Rodrigo; VITTE, Antonio Carlos . O Geossistema pela Complexidade: Uma releitura das Esferas Geográficas. Revista do Departamento de Geografia, v. 35, p. 15-27, 2018.
ENGELS, F. O papel do trabalho na transformação do macaco em homem. São Paulo : Editora global, 1990.
ESTEVEZ DE VASCONCELLOS, M. J. Pensamento Sistêmico – o novo paradigma da ciência. Campinas : Papirus, 2002.
FOERSTER, H. V. On self-organization systems and their environments. p.02-22. In: Observing systems. Seaside : Intersystems, 1984, 331p.
FREZZATTIM W, A. A superação da dualidade cultura/biologia na filosofia de Nietzsche. Tempo da Ciência, Vol. 11, 22 : p.115-135, 2004.
FROLOVA, M. A Paisagem dos geógrafos russos: a evolução do olhar geográfico entre os séculos XIX e XX. R. RA´E GA, Curitiba, n. 13, p. 159-170, 2007.
FOERSTER, H. V. Notas para uma epistemologia dos objetos vivos. In: MORIN, E. PIATTELLI-PALMARINI, M. A unidade do homem, Vol. II : invariantes biológicos e universais culturais. São Paulo: Cultrix : Ed. USP, 1978, p.132-146.
FOERSTER, H. V. On self-organization systems and their environments. In: Observing systems. Seaside: Intersystems, 1984, p.02-22..
GRACIANO, M. M. C. A teoria biológica de Humberto Maturana e sua repercussão filosófica. Dissertação de mestrado. Belo Horizonte: FAFICH / UFMG, 1997.
GRÖNING, G. A questionabilidade do conceito de paisagem. RA´E GA, Curitiba, n. 8, p.09-18, 2004.
HEISENBERG, W. Física e Filosofia. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1981, 149p.
HEYLIGHEN, F. JOSLYN, C. Cybernetics and Second-Order Cybernetics. p.01-24. In: MEYERS, R. A. Encyclopedia of Physical Science & Technology, New York : Academic Press, 2001.
KIRK, W. Problemas de la geografia. In: RANDLE, P. H. Teoria de la Geografia. (primeira e segunda parte). Buenos Aires : GAEA, Sociedad Argentina de estúdios geográficos, Série especial, Nº4, 1977, p.303-330.
LA METTRIE, J. O. L’homme-machine. Paris: Folio, 1981.
LUZZI, R., VASCONCELLOS, A. R. Algumas considerações sobre a complexidade, auto-organização e informação. Campinas/SP.: IFGW / UNICAMP, 1999.
MATURANA, H. Estratégias Cognitivas. In: MORIN, E. PIATTELLI-PALMARINI, M. A unidade do Homem. Vol. II : invariantes biológicos e universais culturais. São Paulo: Cultrix: ed. USP, 1978, p.148-170.
MATURANA, H. A ontologia da realidade. Belo Horizonte: ed. UFMG, 1997.
MATURANA, H. La objetividade: un argumento para obligar. Santiago, Chile: Dolmen Ediciones S.A., 1997.
MATURANA, H. VARELA, F. A árvore do conhecimento. São Paulo: P. Athenas, 2001.
MAYR, E. Isto é Biologia: a ciência do mundo vivo. São Paulo : Companhia das Letras, 2008, 428p.
MENDOZA, J. G., JIMÉNEZ, J. M., CANTERO, N. O. El pensamiento geográfico. Estudio interpretativo y atontogía de textos (De Humboldt a las tendencias radicales). Madri: Editoral Alianza, 1988, 545p.
MINGERS, J. Self-producing systems. Implications and Applications of Autopoiesis. New York: Plenun Press, 1995.
MORIN, E. O paradigma perdido: a natureza humana. 5. ed. Mem Martins: Europa. America, 1991.
MORIN, E. O método. Vol. 3 – O conhecimento do conhecimento. Porto Alegre : Sulina, 1999, 287p.
MORIN, E. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.
MORIN, E; LE MOIGNE, J. A Inteligência da Complexidade. São Paulo: Petrópolis, 2000.
NOVAES, A. A Crise da Razão. São Paulo : Companhia das Letras, 1996, 563p
NUCCI, J. C. Apresentação da Conferência de Gert Gröning. Revista RA ́E GA, Curitiba, n. 11, p. 141-142, 2008.
PRIGOGINE, I., STENGERS, I. A nova aliança. Brasília: Editora da UNB, 1991.
RAMOS, E. M. F. O trabalho de Humberto Maturana e Francisco Varela. s/p. Disponível em: http://www.inf.ufsc.br/~mariani/autopoiese/maturanaedla.html, Acesso em 03/04/2016.
SANTOS, M. Metamorfose do Espaço Habitado. São Paulo : Edit. Hucitec, 1988.
SCHALL, B. Darwin e Marx, Durkheim e Weber: relações entre a forma de pensar evolução na biologia e na sociologia. Revista UFMG, Belo Horizonte, v. 21, n. 1 e 2, p. 138-149, jan./dez. 2014
STODDART, D. R. Darwin’s Impact on Geography. Annals of the Association of American Geographers. Vol. 56, Nº 4, p. 683-698, 1966.
STRATHERN, Paul (1997). Einstein e a Relatividade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.
VICENTE, L.E.; PEREZ FILHO, A. Abordagem Sistêmica e Geografia. Geografia. Rio Claro: v. 28, n. 3, p. 345-362, 2003.
VITTE, A. C. Da sensibilidade à representação da Paisagem: considerações sobre a estética da natureza como um recurso para sensibilização ambiental. RA´E GA, Curitiba, n. 20, p. 7-17, 2010.
Publicado
2019-12-13
Como Citar
Gomes, R., & Lemos, J. (2019). A Paisagem Percebida por um Sistema Complexo. Revista Do Departamento De Geografia, 38, 1-16. https://doi.org/10.11606/rdg.v38i1.154573
Seção
Artigos